15
jun
17

Documentário ‘Sepultura Endurance’ mostra saga da banda brasileira e resistência após separação histórica

'Sepultura Endurance' - Reprodução do Cartaz do FilmeSe o fã de boa música conhece o mínimo de rock pesado, sabe perfeitamente a importância do grupo brasileiro Sepultura no cenário mundial. Após muita batalha, a banda chegou ao auge da popularidade em 1996, mas uma briga histórica entre os integrantes abalou a trajetória de sucesso, obrigando os músicos restantes a uma brava luta pela manutenção da carreira. É justamente sobre a resistência da banda contra todos os percalços que é feita a abordagem do documentário “Sepultura Endurance”.

A estreia oficial no Brasil foi agendada para esta quinta-feira, dia 15 de junho, mas, um dia antes, foi criada uma pré-estreia especial nos cinemas do País.

O Roque Reverso assistiu ao documentário no dia 13 de junho, quando o “Sepultura Endurance” abriu oficialmente a recomendada e aguardada 9ª edição do Festival Internacional do Documentário Musical, o In-Edit Brasil, em sessão fechada, com a presença de convidados e imprensa.

O evento começou oficialmente no dia 14 de junho em São Paulo e o documentário será novamente apresentado no In-Edit no dia 19, no Cine Sesc.

O diretor Otávio Juliano obteve mais de 800 horas de filmagem e disse que a produção até chegou a ter dificuldade para armazenar uma quantidade tão grande de material. O empecilho decisivo, porém, foi a decisão dos irmãos Cavalera, de não participarem do documentário com seus depoimentos.

O vocalista e guitarrista Max Cavalera e o irmão baterista Igor Cavalera chegam a aparecer em gravações antigas e fotos, mas não estão ali para dar a versão da história. Com isso, Juliano foi obrigado a moldar seu trabalho, driblando este obstáculo extremamente importante.

Há fãs que até podem odiar a postura de Max após sua saída conturbada do Sepultura, tendo como pivô os atritos dos demais integrantes com sua esposa, a empresária Gloria Cavalera. Há gente que gosta da banda e também pode não gostar da atitude do irmão baterista Igor de se juntar a Max anos depois da saída do vocalista. Mais ainda, há pessoas que podem não perdoá-los por algumas posturas, como o impedimento, segundo os produtores, da utilização de faixas inteiras da banda no documentário. O que é, no entanto, impossível, é ignorar que a existência do Sepultura passa pela cabeça é pela alma dos irmãos e que muito do que o grupo se tornou até seu auge, na década de 90, tem papel fundamental destes dois músicos criativos.

Com isso, o foco adotado por Otavio Juliano para contar parte da história de mais de 30 anos do Sepultura foi a persistência após a separação, as dificuldades enfrentadas por uma banda que ficou sem seu vocalista, sem sua empresária e até sem sua gravadora. E é aí que entra o papel também fundamental de dois batalhadores: o guitarrista e atual líder do grupo, Andreas Kisser, e do baixista Paulo Júnior, que “sobreviveram” a tudo e que estão aí para trazer diversas curiosidades do grupo.

Com habilidade para não alimentar ainda mais as discussões acaloradas sobre qual metade da banda está certa, Juliano trouxe uma narrativa interessante e dentro do possível com o material que tinha em mãos. O resultado é algo que certamente vai orgulhar não apenas os fãs da banda, mas os próprios brasileiros, já que o Sepultura e sua saga são um orgulho nacional.

Lars Ulrich no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoJairo Guedes e Andreas Kisser em foto antiga, no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoPhil Anselmo no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoAndreas Kisser no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: Divulgação

Show de 30 anos e depoimentos

O documentário do Sepultura começa com a mesclagem de depoimentos de figuras ilustres do heavy metal e cenas da banda no show histórico de 30 anos realizado em 2015 na Audio em São Paulo. Entre as várias figuras do estilo que comentam sobre a importância da banda estão nada menos que o baterista Lars Ulrich, do Metallica; o baixista David Ellefson, do Megadeth; o vocalista Phil Anselmo, do Pantera e do Down, o guitarrista Scott Ian, do Anthrax; e o vocalista do Slipknot, Corey Taylor.

Eles vão e voltam com suas opiniões em vários momentos do filme e ajudam a entender não apenas a importância do Sepultura na cena do heavy metal como também as dificuldades que todas as bandas enfrentam nas turnês e no convívio do dia a dia, já que os ônibus, as viagens e a distância da família fatalmente sempre mexem com a cabeça de todos. E nunca é fácil lidar com isso.

Jean Dolabella

É justamente na captação do impacto das longas turnês sobre a cabeça de Jean Dolabella, baterista do Sepultura entre 2006 e 2011, que o documentário começa a engrenar e tomar forma. No ônibus da banda, Dolabella tem um papo honesto com Kisser, Paulo e o vocalista Derick Green, expondo a dificuldade de lidar, sobretudo, com a saudade imensa da família num dos vários e extensos períodos longe de casa.

O problema de Dolabella, que logo sairia do Sepultura, serve para dar uma amostra sobre como o convívio das turnês pode ter sido decisivo para o conflito anterior entre Max e o restante do grupo.

Fica muito claro que nem todo mundo está preparado psicologicamente para lidar com um vida que esmaga diariamente corações e mentes dos músicos. Obviamente, a vida de uma estrela do rock é desejada e admirada por inúmeros fãs, mas fica muito claro neste exemplo do ex-baterista que sempre há um preço caro a pagar pelo sucesso.

Jairo Guedz

Após o forte conteúdo emocional da questão de Jean Dolabella, o diretor do documentário consegue fazer um link com habilidade para contar a história do Sepultura. Para isso, é decisiva a participação de Jairo Guedz, guitarrista da fase inicial da banda que seria substituído mais tarde por Andreas Kisser.

É com o relato bem humorado e imperdível de Guedz que o filme mostra os primórdios da banda e de toda a importantíssima cena de heavy metal de Belo Horizonte nos Anos 80, com todas as dificuldades que só quem viveu o período complicado do País sabe bem. Depois disso, Kisser entra para contar, ao lado de Paulo Júnior, o restante da história do Sepultura.

David Ellefson no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoAndreas Kisser no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoPaulo Júnior no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoScott Ian no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: Divulgação

A saga

A continuidade da saga do Sepultura é contada pelo guitarrista e pelo baixista da banda que voltam às ruas da Belo Horizonte atual para passar pelos arredores da lendária Cogumelo Records, que tanto foi decisiva para o heavy metal nacional. Eles visitam o proprietário da loja João Eduardo de Faria Filho e o encontro é muito bacana, com altas histórias sobre o passado.

Depois disso, o documentário mostra a casa de Paulo Júnior onde a banda ensaiava e passa a trazer a história que vai desde a entrada de Andreas Kisser na banda até a briga que resultou na separação em 1996.

É retratada a evolução da banda a cada disco, sempre com músicas retiradas da apresentação ao vivo na Audio. Presente no show de 2015 na capital paulista (veja a resenha aqui), este jornalista, que acompanha a banda ao vivo desde o histórico show da turnê do álbum “Arise” na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, em 1991, tem quase certeza que aparece em algumas das cenas no meio do público na Audio, bem na fila do gargarejo. 😉

A briga

O período da ruptura histórica do Sepultura é muito bem retratado no documentário. Vários dos músicos que trazem o depoimento lamentam profundamente a briga da banda no seu auge, justamente quando ela já começava a brigar de igual para igual com nomes históricos do metal, como o Metallica e o Slayer.

O álbum “Roots”, que comemorou 20 anos de existência em 1996 e que até gerou uma elogiada turnê comemorativa paralela dos irmãos Cavalera no ano passado, é tratado por alguns como se fosse uma obra de arte. E é inevitável para todos que assistem ao documentário naquele momento o surgimento de um sentimento enorme de tristeza pela separação.

É óbvio que, jornalisticamente, seria imprescindível existir o famoso “outro lado”, contado por Max e Igor. Mas é difícil quando o “outro lado” se recusa a falar.

Somente com a versão contada por Kisser e Paulo Júnior, o diretor Otávio Juliano consegue trazer o período mais delicado da história do Sepultura.

Há, no entanto, todo um cuidado para não inflamar os ânimos, com o guitarrista deixando bem claro o quanto era importante a parceria com Max e, segundo ele, como Gloria Cavalera teria acabado com o ambiente de irmandade que é vital para a sobrevivência dos grupos.

Destaques neste trecho para os depoimentos interessantes de Lars Ulrich, Scott Ian e Phil Anselmo. Servem muito para complementar o que é contado por Kisser e entender a dificuldade de manutenção das bandas de rock.

Derrick Green e ressurgimento

O trecho sobre a escolha e entrada de Derrick Green também é bem relatado no documentário “Sepultura Endurance”. Ali, é contada toda a resistência da gravadora ao estilo vocal de Green em relação ao que Max Cavalera representava para a história do grupo.

Também fica bem claro que Andreas, Paulo e Igor lutaram contra e tudo e todos para continuar com a banda e bateram o pé para ficar com o novo vocalista.

A partir daí, a sequência da carreira do Sepultura é retratada e vai até o lançamento do EP “Sepultura Under My Skin” e o show de 30 anos na Audio.

Neste intervalo, também há os momentos das trocas dos três bateristas, com destaque para a saída e Igor e para as entradas dos ótimos Jean Dolabella e Eloy Casagrande, este último notadamente um garoto prodígio que passa de fã a integrante de uma das maiores bandas do planeta.

Derrick Green no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoFãs do Sepultura no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoSepultura e Tambour du Bronx no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: DivulgaçãoEloy Casagrande no documentário "Sepultura Endurance" - Foto: Divulgação

Ausências

Além de Max e Igor, outras ausências são sentidas no documentário. O Roque Reverso acredita que depoimentos de nomes importantes do heavy metal nacional e internacional, como os de Walcir Chalas (dono da Woodstock Discos e criador do programa “Comando Metal”, da 89FM), Toninho Iron (presidente do fã clube do Sepultura), Gastão Moreira (ex-MTV e apresentador do famoso “Fúria Metal”), Vitão Bonesso (apresentador do programa “Backstage”), Jason Newsted (ex-baixista do Metallica, que foi importante no período da entrada de Derrick Green), Mike Patton (do Faith No More) e Carlinhos Brown (que ajudou demais na produção do álbum “Roots”) poderiam enriquecer ainda mais o bom documentário. Mas isso, quem sabe, pode até ser feito numa eventual sequência (fica a dica).

Legado e orgulho nacional

A despeito das ausências citadas, o documentário “Sepultura Endurance” é um retrato muito bom de parte considerável da maior banda brasileira da história. No filme, o legado do Sepultura está bem contado e é perfeitamente possível, até para quem não é fã da banda, entender o motivo dela ser um orgulho nacional, apesar de a mídia brasileira nem sempre dar o espaço merecido.

Vale, portanto, muito a pena assistir e, futuramente, até obter uma cópia num provável DVD para guardar na estante das relíquias do rock.

É fato que a ausência dos irmãos Cavalera é difícil de ser esquecida, mas, se a intenção é focar a resistência do Sepultura a tudo e todos os obstáculos, o documentário certamente teve seu objetivo alcançado.

Locais para assistir

Eis as cidades e as respectivas salas que estão passando o filme do Sepultura desde este dia 15 de junho: Belo Horizonte (Cine Belas Artes); Brasília (Espaço Itaú de Cinema – Brasília); Curitiba (Espaço Itaú de Cinema – Curitiba); Niterói (Reserva Cultural de Cinema); Palmas (Centro Cultural de Palmas); Rio de Janeiro (Cine Estação Net Botafogo e Espaço Itaú de Cinema – Botafogo); Salvador (Orient Iguatemi Bahia, Saladearte – Cine XIV e  Saladearte – Cinema da UFBA); Santos (Iporanga); São Paulo (Espaço Itaú de Cinema – Augusta, Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca e Reserva Cultural), Campinas (Cineflix Galleria) e Porto Alegre (Espaço Itaú de Cinema – Porto Alegre).

A previsão é de um total de 60 salas de cinema em 34 cidades do País. Neste link, é possível adquirir os ingressos para algumas das salas selecionadas.

Veja abaixo o trailer do documentário do Sepultura.

Anúncios

0 Responses to “Documentário ‘Sepultura Endurance’ mostra saga da banda brasileira e resistência após separação histórica”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Este dia 24 de novembro marca o aniversário de 8 anos do Roque Reverso!!! 🎂🍰🥂🍾🎂🍰 Agradecemos a todos os nossos leitores por esta longa caminhada conosco! 😉

Prometemos, como sempre, continuar buscando notícias bacanas do gênero musical que escolhemos como estilo de vida! 👊👊👊 Viva o bom e velho rock n' roll!!! 🤘🤘🤘 ROQUE REVERSO
O site do bom e velho rock and roll
https://roquereverso.com/

Siga no Facebook:
http://tinyurl.com/maq6hhm

Siga no Twitter:
http://twitter.com/RoqueReverso

Siga no YouTube:
https://www.youtube.com/…/UCQ4pi0pxBcfr…

Siga no Instagram:
https://www.instagram.com/roquereverso/

#roquereverso Anthrax em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #anthrax #scottian Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 89 outros seguidores

junho 2017
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: