Archive for the 'Kerry King' Category

14
maio
17

Com clássicos, faixas mais recentes e muito peso, Slayer reina soberano no Maximus Festival

Slayer em SP - Foto: Roque Reverso/Flavio Leonel

O Slayer passou pela cidade de São Paulo e foi uma das atrações principais do Maximus Festival 2017, realizado no dia 13 de maio no Autódromo de Interlagos. Com uma performance recheada de clássicos da carreira, faixas do disco mais recente e, sobretudo, muito peso, a veterana banda norte-americana de thrash metal reinou soberana no evento repleto de nomes que iam do hardcore e o punk a vertentes distintas do heavy metal.

A apresentação do Slayer ganha ainda mais em importância, se for levada em conta a sucessão de obstáculos que o grupo foi obrigado a enfrentar nos últimos anos.

Após a morte do guitarrista Jeff Hanneman e da saída do baterista Dave Lombardo, ambas em 2013, houve quem apostasse num provável fim da banda com o decorrer dos anos, mas, quem esteve em Interlagos, conseguiu observar que os veteranos do thrash ainda têm muito gás e qualidade para proporcionar.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

07
out
16

30 anos do clássico álbum ‘Reign in Blood’, a indispensável tempestade sonora do Slayer

"Reign in Blood" - Reprodução da capaO dia 7 de outubro de 2016 marca o aniversário de 30 anos do disco “Reign in Blood”, o terceiro do Slayer e considerado como uma verdadeira obra-prima do thrash metal. Para quem deseja entender o que é a vertente rápida e agressiva do heavy metal, o álbum é indispensável.

“Reign in Blood” capta o Slayer em sua melhor forma. Traz o quarteto formado por Tom Araya (baixo e vocal), Jeff Hanneman (guitarra), Dave Lombardo (bateria) e Kerry King (guitarra) com um som brutal, intenso e incrivelmente rápido, além de manter a banda com sua tradição histórica de querer chocar tudo e todos.

O disco disputa com outro clássico, “Master of Puppets”, do Metallica, lançado no mesmo ano de 1986, o posto de maior disco da história do thrash metal.

Para qualquer pessoa que tenha acesso a “Reign in Blood” pela primeira vez, a percepção inicial é de algo impactante. Não há como passar pela experiência de audição sem algum tipo de reação importante.

O álbum mostra o Slayer migrando aos poucos da postura com várias letras satanistas dos dois primeiros discos para um conteúdo que aborda desde a morte até críticas à religião, passando por citações à violência, desgraças humanas e vários outros elementos que afligem a humanidade.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

21
fev
13

Dave Lombardo discorda de valores pagos e será substituído por Jon Dette na bateria do Slayer

Dave Lombardo - Foto: DivulgaçãoUma verdadeira bomba abalou o mundo do heavy metal neste dia 21 de fevereiro, depois que o baterista Dave Lombardo, do Slayer, publicou um comentário no Facebook, dizendo que não participará da turnê que a banda norte-americana de thrash metal fará na Austrália a partir do dia 23 de fevereiro. Segundo Lombardo, ele recebeu um comunicado de dispensa do grupo depois de questionar a maneira como os negócios do Slayer são geridos.

Após consultar os dados financeiros da banda, o baterista constatou que apenas 10% de todo o valor que o Slayer arrecadou durante as turnês que realizou em 2012 chegaram aos bolsos dos músicos. De acordo com Lombardo, ao propor um novo modelo mais justo, encontrou resistência do guitarrista Kerry King, que deixou claro ao baterista que, se quissesse discutir o assunto, encontraria outra pessoa no comando dos bumbos da banda.

“Para que todos saibam a verdade, a partir do final do contrato que temos entre nós, que venceu em 14 de fevereiro, fui informado de que não seria o baterista para a turnê na Austrália. Estou triste, e para ser honesto, chocado com a situação”, escreveu Dave Lombardo.

Mais tarde, em nota à imprensa, o grupo rebateu o texto de Lombardo e anunciou Jon Dette, que passou pela banda na década de 90, para a bateria na turnê australiana. “Sobre o que foi citado no post de Dave Lombardo no Facebook, o  Slayer não concorda com o que  foi dito pelo Sr. Lombardo ou com a sequência dos eventos  apresentada por ele, exceto com o fato de que o Sr. Lombardo, menos de uma  semana antes da partida já marcada para a Austrália, apresentou um novo conjunto  de exigências, que eram contrárias ao que havia sido previamente acertado”, destacaram os músicos.

No texto que postou no Facebook, Lombardo ainda deixou em aberto alguma possibilidade de retorno à banda, mas, conhecendo o temperamento de Kerry King, são pequenas as chances de uma volta amigável. “Eu continuo esperançoso de que possamos resolver nossas diferenças. Mas, mais  uma vez, peço desculpar sinceras a nossos fãs na Austrália que gastaram seu  dinheiro esperando ver os 3 membros originais do Slayer. Espero vê-los no futuro”, afirmou.

Quem conhece um pouquinho de heavy metal ou thrash metal sabe o tamanho da perda gerada pela saída de Dave Lombardo ao Slayer. Considerado um dos maiores bateristas do gênero, poucos apresentaram tamanha técnica e rapidez no instrumento como este cubano.

Não é a primeira vez que Lombardo deixa as baquetas do Slayer. Ele já havia abandonado o grupo em 1986 e retornado em 1987 numa primeira oportunidade e repetido a dose em 1992, quando ficou dez anos longe do grupo, retornando somente ao posto em 2002.

O público brasileiro tende a ser um dos prejudicados neste novo embate interno do Slayer. Tudo porque o grupo vem tocar pela primeira vez no Rock in Rio, em setembro, na capital fluminense. Os fãs já estavam se acostumando a ver a banda sem o grande Jeff Hanneman na guitarra, por causa de uma picada tosca de aranha no braço. Agora, com mais esta turbulência, resta a dúvida se o Slayer conseguirá resistir como o grande grupo que é durante muito tempo. A ver…

14
jun
11

Slayer faz um dos shows mais pesados vistos em SP, mesmo desfalcado de Jeff Hanneman

Um dos shows mais pesados de todos os tempos na cidade de São Paulo. É o mínimo que podemos dizer da apresentação feita pelo Slayer na quinta-feira, dia 9 de junho, no Via Funchal, lotado por mais de 5 mil pessoas. Mesmo com o importante desfalque do guitarrista fundador Jeff Hanneman (substituído brilhantemente neste show pelo ótimo Gary Holt, do Exodus) e com todos os problemas de saúde passados recentemente pelo vocalista Tom Araya, a banda norte-americana de thrash metal provou, mais uma vez, que é um dos maiores nomes do metal em toda a história.

Com um set list extenso e mesclado de clássicos e músicas boas recentes, o grupo que completa 30 anos em 2011 não deixou o público descansar em quase duas horas de show.

Na chegada ao Via Funchal, podiam ser vistas filas imensas de gente que ainda pretendia comprar ingressos para o show em cima da hora. Num momento em que o thrash metal vive um forte revival, com turnês grandiosas  no exterior, como a do Big Four (Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax), e com o Brasil recebendo desde o ano passado vários grupos responsáveis pela consolidação do estilo, a vinda do Slayer para a capital paulista, pela quarta vez, era muito esperada pelos fãs. 

Havia, entretanto, algumas dúvidas sobre as condições dos membros da banda e se a verdadeira “zica” que tem afetado o grupo não traria um Slayer menos “matador” do que de costume. Tom Araya passou por uma cirurgia nas costas  em 2010 e, em 2011, chegou a fazer a banda cancelar uma apresentação em Sydney por ter passado mal antes de um show. Jeff Hanneman foi outra vítima da “zica” neste ano, já que passou por uma intervenção cirúrgica no braço por conta de uma doença rara provocada por uma picada de aranha. 

Após o show dos sempre ótimos brasileiros do Korzus, as dúvidas foram caindo por terra a cada música apresentada pelo Slayer. Tom Araya, apesar da proibição médica de bater cabeça, continua cantando muito bem e mantém sua tradicional simpatia. Gary Holt substituiu de maneira elogiável Hanneman, apesar de, em algumas músicas, a falta do formador da banda ser sentida. Kerry King, talvez para compensar a ausência do grande companheiro, parecia tocar com ainda mais garra que de costume. E Dave Lombardo foi, de longe, a figura do show, com uma das maiores aulas de bateria vistas em São Paulo, superando a que ele deu em 2006 no mesmo local.

O show de 2011 fez parte da turnê de divulgação do álbum “World Painted Blood”, lançado no ano retrasado. E foi com a faixa título do disco que o Slayer iniciou a apresentação, pontualmente às 22 horas. Com todo o gás e com uma iluminação bastante bem feita, que sempre realçava o enorme pano de fundo com o nome da banda, Tom Araya & Cia entraram com toda energia possível. O som não estava inicialmente perfeito, um pouco baixo, com a guitarra de Gary Holt dando umas pequenas falhadas.

Um dos pontos positivos em relação a 2006 foi que os telões passaram o show na íntegra, de maneira diferente daquele ano, quando o Via Funchal justificou que a própria banda havia pedido para que o show não fosse mostrado nas telas. A segunda música, ainda com um som que não estava totalmente ideal foi “Hate Worldwide”, também do álbum novo. Nessa hora, o que chamava bastante a atenção era a energia de Kerry King, empolgado com a reação do público.

Clássicos eram esperados e foi com um dos maiores do grupo que o Slayer deu sequência ao show. Após ouvir a galera gritar forte o nome da banda, Tom Araya agradeceu a presença de todos, perguntou se o público estava pronto e soltou seu tradicional grito, chamando “War Ensemble” e levando a plateia ao delírio.

Tudo estava indo bem quando, na parte final da música,  um problema nos PAs fez com que o som para o público simplesmente sumisse. Inicialmente, foi até engraçado ver os músicos continuando a tocar no maior agito, sem um pingo de som para quem estava do outro lado. O som não voltou, a banda continuou tocando e o público deu um show a parte, já que segurou no gogó o restante da música, quase se esgoelando, numa espécie de “versão à capela” de uma das canções mais pesadas do Slayer! Sensacional!

Araya aplaudiu a reação da galera e a banda deixou o palco para tentar corrigir o problema. Durante a demora de cerca de 5 minutos, o público não poupou a casa de shows e soltou um sonoro “Via Funchal, vai tomar no cú!”. Mais tarde, depois do término do show, os telões da casa informaram que o problema havia sido causado pela equipe contratada pela banda para coordenar a parte de som.

Com o problema resolvido, o Slayer voltou ao palco, Araya pediu desculpas pelo ocorrido e o grupo iniciou a sempre presente música “Postmortem”, do clássico álbum “Reign in Blood”. Por incrível que possa parecer, os músicos voltaram ainda mais envolvidos com o show e o som ficou mais alto e nítido para o público.

Dando sequência a um set list parecido com o dos outros shows pela América do Sul, o Slayer trouxe ao Via Funchal a música “Temptation”, que nunca havia sido tocada por aqui. Para quem é fã do álbum “Seasons in The Abyss”, os shows da banda pelo Brasil estão sendo um prato cheio, já que a cada vinda para cá algo diferente deste grande disco é tocado.

Depois desse presente, foi a vez de a banda emendar uma sequência de músicas de álbuns da época em que Dave Lombardo ficou fora do grupo. “Dittohead”, do disco “Divine Intervention”; “Stain of Mind”, do “Diabolus in Musica”; e “Disciple” e “Bloodline”, do disco “God Hate Us All”, mostraram a superioridade do baterista em relação ao seu então competente substituto (Paul Bostaph) e agradaram especialmente os fãs mais novos do grupo.

O Slayer nunca foi uma banda de conversinha e gracinha com a plateia. Os caras sabem que seus fãs querem ver a performance mais pesada possível e ponto final. Mais do que corresponder aos anseios do público, a banda sabe que é boa pacas, que é quase imbatível em termos de velocidade no metal e adora se exibir com isso.

É como se mandassem o recado: “Somos os melhores e podemos nos superar a cada show; estamos velhos, mas essa molecada nova do rock tem que comer muito arroz e feijão para nos ultrapasar.” Era essa a impressão deste blogueiro em mais um show do Slayer. E quem aqui vai reclamar disso, não é mesmo?

Passado o conjunto de músicas recentes e com a plateia gritando “Olê, olê, olê, Slayer, Slayer”, Araya perguntou se todos estavam se divertindo e brincou, dizendo que rolaria uma canção sobre amor. Foi então que o grupo tocou o clássico “Dead Skin Mask”, que está longe de ser uma música sobre o tema. O público cantou a música do começo ao fim e foi presenteado com a música seguinte no mesmo álbum “Seasons in the Abyss”, a pesadíssima “Hallowed Point”, outra grande novidade da noite.

Numa mistura de passado distante, presente e passado recente, o grupo tocou em seguida três músicas bem distintas: a eterna “The Antichrist”, do primeiro álbum “Show no Mercy”; “Americon”, do disco mais recente; e “Payback”, do “God Hate Us All”.

Sem dar espaço para o público respirar, um grande momento do show aconteceu com a trinca “Mandatory Suicide”, “Chemical Warfare” e “Ghosts of War”. É impressionante como as duas primeiras estão entre as melhores da banda ao vivo. Presente em praticamente todos os shows da banda, “Mandatory Suicide”, do álbum “South of  Heaven”, é quase imbatível, com toda a banda em sintonia perfeita, batidas e acordes muito claros. “Chemical Warfare”, do lendário EP “Hauting the Chapel”, parece o início do fim do mundo e mostra tradicionalmente a banda muito entrosada. “Ghosts of War”, antes inédita por aqui, passou meio que batida pelos ouvidos dos mais novos do Via Funchal, mas era possível ver muita gente das antigas cantando essa música do “South of  Heaven” na íntegra!

Se, nas três passagens anteriores do Slayer, este blogueiro assistiu aos shows em plena muvuca, ora na grade ora nas rodas de mosh, no show de 2011, ficou num lugar um pouco menos tumultuado da pista. Como o Via Funchal tem a vantagem de uma pista em diferentes níveis, foi possível, além de ver o palco de maneira perfeita, assistir a diversas cenas legais de um show de metal: havia espaço para a galera que queria simplesmente ver a apresentação numa boa em seu canto; o grupo dos headbangers praticantes do tradicional bate-cabeça e, claro, as brutais rodinhas, que contavam com gente alucinada de todo o tipo.

Antes de fechar a primeira parte do show com a música “Snuf”, do álbum mais recente, o Slayer tocou a sempre belíssima “Seasons in the Abyss”. Foi então que sentimos de maneira significativa a falta de Jeff Hanneman. Gary Holt é ótimo e há quem aposte que ele é até melhor tecnicamente do que Hanneman, mas, na hora do solo de guitarra desta música, o do guitarrista original é algo que já se tornou um dos grandes momentos do metal. Holt fez, no mínimo, um solo tímido, se comparado ao originalmente gravado por Hanneman.

Depois de uma breve pausa para o descanso da banda e do público, o maior momento do show estava por vir. Diga para mim, leitor, o que você pode esperar de uma sequência formada por “South of Heaven”, “Raining Blood”, “Black Magic” e “Angel of Death”? É simplesmente algo que faz qualquer morto levantar do caixão!

Dos acordes inicias de “South of Heaven”, passando pela introdução matadora de “Raining Blood”, com a até então dobradinha inédita no Brasil feita com a mais do que clássica “Black Magic” e fechando com a sensacional “Angel of Death”, não havia como não se manisfestar; nas rodas, batendo cabeça ou tocando guitarras e baterias imaginárias. Neste momento do show, Dave Lombardo parecia um polvo, já que parecia tocar com mais de dois braços, deixando a plateia pasma com sua qualidade e com sua rapidez incrível.

Terminado o show, ficou a sensação geral de que um furacão sonoro havia passado pelo Via Funchal. Fica difícil, no entanto, avaliar se este foi o melhor show do Slayer em São Paulo. Tudo porque todas as apresentações na capital paulista foram incrivelmente diferentes uma das outras.

Em 1994, no primeiro Monsters of Rock, o que marcou foi o fato do Slayer matar a vontade dos fãs depois de nunca ter vindo ao Brasil. Os pontos negativos foram a ausência de Lombardo e o set list relativamente mais curto do que um show normal, já que o grupo dividia o festival com o Suicidal Tendencies, Black Sabbath e o Kiss, que era atração principal, entre as bandas internacionais.

Em 1998, no segundo Monsters, realizado na pista de atletismo do Ibirapuera, o Slayer foi a atração principal e trouxe relíquias como “Evil Has No Boundaries”, do álbum de estreia “Show no Mercy”. O ponto negativo foi o excesso de músicas do álbum daquela época (“Diabolus in Musica”) e novamente a ausência de Lombardo.

Em 2006, a banda fez dois shows em SP, um no Rio e outro em Belo Horizonte. Para muitos foi a melhor passagem da banda, que tocou relíquias como “Blood Red”, na primeira noite do Via Funchal, e outros clássicos do passado nas noites seguintes, para paulistanos, cariocas e mineiros. Se, por um lado, era a primeira vez que o baterista original tocava no Brasil, problemas de som e até um desvio no transporte da bateria para um local errado em São Paulo geraram algumas reclamações.

O show de 2011 ganha pela vibração da banda, pelo set list enorme com 23 músicas e pelo sensacional momento de Dave Lombardo. Os pontos negativos ficam com as ausências do clássico “Hell Awaits” e, claro, de Hanneman, presente em grande parte das composições clássicas do Slayer e guitarrista mais talentoso do grupo.

Não há, porém, sombra de dúvida de que a apresentação da semana passada ficará para sempre na mente dos que estavam presentes na casa de shows paulistana. Para comemorar e relembrar tal momento, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Note que, diferente de outros shows, o do Slayer traz uma imensa dificuldade de filmagem, já que o mais difícil para os fãs é manter a câmera focada, sem tomar algum empurrão.

No meio do texto, você tem a opção de ver o vídeo da abertura do show com “World Painted Blood”. Há também o momento da falha do som em “War Ensemble”, com direito a hora em que o público continuou cantando e ajudando a banda, e o vídeo de “Dead Skin Mask”. Abaixo, selecionamos um vídeo com três músicas: “Mandatory Suicide”, “Chemical Warfare” e “Ghosts of War”. Na sequência, temos um com “South of Heaven” e outro com a dobradinha histórica de “Raining Blood” e “Black Magic”. Fucking great!!!


 

Set list

World Painted Blood
Hate Worldwide
War Ensemble
Postmortem
Temptation
Dittohead
Stain of Mind
Disciple
Bloodline
Dead Skin Mask
Hallowed Point
The Antichrist
Americon
Payback
Mandatory Suicide
Chemical Warfare
Ghosts of War
Season in the Abyss
Snuff

South of Heaven
Raining Blood
Black Magic
Angel of Death




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Documentário 'Sepultura Endurance' teve sua estreia geral ao público no dia 15 de junho e tem neste dia 19 exibição marcada para o Cine SESC, em São Paulo, pelo In-Edit Brasil, às 21h30.
Veja a resenha do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/15/documentario-sepultura-endurance-mostra-saga-da-banda-brasileira-e-resistencia-apos-separacao-historica/
#roquereverso #sepultura #ineditbrasil #sepulturaendurance #cinesesc Já viu os preços para o show do U2 em São Paulo?
Veja os detalhes no texto do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/08/ingressos-de-pista-comum-para-show-do-u2-em-sp-da-turne-de-30-anos-do-the-joshua-tree-custam-r-500/
#roquereverso #u2 #estadiodomorumbi #u2thejoshuatree2017 O "Sgt. Peppers" fez 50 anos e o Roque Reverso fez uma resenha bacana.
Confira aqui:
https://roquereverso.com/2017/05/30/50-anos-do-disco-sgt-peppers-lonely-hearts-club-band-um-dos-maiores-da-historia-e-simbolo-de-uma-geracao/
#roquereverso #beatles #paulmccartney #ringostarr #johnlennon #georgeharrison Nosso texto sobre a enorme perda de Kid Vinil:
https://roquereverso.com/2017/05/19/rock-nacional-de-luto-com-a-morte-de-kid-vinil-um-dos-maiores-embaixadores-do-estilo-no-pais/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #kidvinil Nosso texto sobre a enorme perda de Chris Cornell:
https://roquereverso.com/2017/05/18/rock-chora-a-morte-de-chris-cornell-vocalista-do-soundgarden-e-do-audioslave/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #chriscornell #soundgarden #audioslave Resenha do Roque Reverso sobre o grande show do Prophets of Rage no Maximus Festival!!!
https://roquereverso.com/2017/05/16/com-fora-temer-e-show-variado-no-maximus-festival-prophets-of-rage-mantem-legado-do-rage-against/
#roquereverso #maximusfestival #prophetsofrage #tomorello

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 88 outros seguidores

julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 530,771 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE