20
fev
16

20 anos do ‘Roots’, o clássico álbum do Sepultura que virou o heavy metal de cabeça para baixo

"Roots" - Reprodução da CapaO sábado, dia 20 de fevereiro de 2016, marcou os 20 anos do álbum “Roots”, do Sepultura. Considerado por crítica e público como um dos discos mais importantes da história do heavy metal, o trabalho histórico feito pela banda brasileira virou o estilo de cabeça para baixo por trazer elementos ricos da cultura do Brasil à qualidade musical já conhecida do Sepultura.

Foi o último disco da formação clássica do Sepultura, já que, no fim do mesmo ano, o vocalista, guitarrista e fundador, Max Cavalera, deixou o grupo. Por este e uma série de detalhes, o aniversário de 20 anos do “Roots” merece ser lembrado por todos os veículos com alguma ligação ao rock n’ roll.

O Roque Reverso tem dado prioridade para elencar em sua página especial de Álbuns Clássicos os discos com mais de 3 décadas de existência.

O site abre, porém, com certa frequência, exceções em relação a discos cuja existência foi fundamental para a sobrevivência do rock ou que chacoalharam o estilo, como, por exemplo, foi feito com o “Black Album”, do Metallica, ou o “Appetite for Destruction”, do Guns N’Roses.

A percepção de que “Roots” não é um álbum comum já começou pela belíssima capa do disco e como ela foi criada. A imagem do rosto do índio nada mais é do que a reprodução de uma arte que fazia parte de uma nota de 1.000,00 cruzeiros. Elaborada e incrementada por Michael Whelan, a capa conseguiu sintetizar toda a ideia do disco com uma felicidade poucas vezes vista na história da música.

É bastante discutível dizer que o “Roots” é o melhor disco do Sepultura. Para os fãs de carteirinha da banda ou mesmo do thrash metal que o grupo ajudou a construir, há, por exemplo, os ótimos “Beneath The Remains”, “Arise” e “Chaos A.D.” para rivalizar.

“Beneath The Remains” foi praticamente um passaporte para a banda brasileira penetrar no cenário internacional do heavy metal. “Arise” traz o Sepultura com aquela fome dos grupos jovens querendo mostrar para o mundo que são os melhores do universo e colocou a banda no nível dos maiores do thrash metal. “Chaos A.D.” é o disco que traz os músicos mais calejados e com vontade de experimentar e ditar novos rumos ao metal, com o detalhe que foi neste último que as inserções de sons brasileiros começaram a deixar os gringos mais ainda de boca aberta com as músicas.

Verso da cédula de 1.000 cruzeiros que tem a figura inspiradora da capa de "Roots" - Foto: Reprodução

Independentemente de ter mais ou menos clássicos que os três discos citados, “Roots” entra na lista de álbuns fundamentais do heavy metal justamente porque traz uma riqueza sonora incrível. Do som cada vez mais grave vindo das guitarras de Max Cavalera e de Andreas Kisser até a produção grandiosa de Ross Robinson, passando pela mixagem de Andy Wallace e pela decisiva contribuição do baiano Carlinhos Brown com uma série de instrumentos (musicais ou não), tudo neste trabalho mostra sujeitos empenhados em fazer algo que fosse lembrado para sempre pelos seus seguidores.

Logo na primeira faixa “Roots Bloody Roots” já faz imediatamente o fã de thrash metal ter reações imediatas de aprovação. Goste ou não de Sepultura, você não pode negar que esta música gera uma necessidade instantânea de mexer qualquer coisa do corpo para acompanhar a batida e o ritmo. Igor Cavalera dá um show à parte, mostrando que, na época, estava no auge e entre os melhores bateristas do mundo.

Quem se lembra do clipe de “Roots” sabe que ali já houve a primeira reação de estranhamento da parcela mais conservadora dos fãs brasileiros de heavy metal. Com o Sepultura dividindo espaço no clipe com integrantes do grupo baiano Olodum, não foram poucas as críticas. O fato é que, quem tem a mente aberta a novos sons, tem o pleno conhecimento que o som pesado das batidas do Olodum pode ser perfeitamente comparado a sons semelhantes de vários bumbos famosos do heavy metal. Não por acaso, sempre despertou admiração de vários bateristas gringos que visitaram o Brasil.

Tantos anos depois, a música “Roots Bloody Roots” é faixa indispensável em qualquer set list elaborado pelo Sepultura. Há muito tempo, a banda coloca propositalmente a canção para fechar suas apresentações ao vivo com a devida chave de ouro e com a intenção de provocar a catarse definitiva do público.

Sepultura na tribo Xavante - Foto: Divulgação

Mas o álbum não se resume à primeira faixa. Em “Attitude”, o destaque inicial é o berimbau tocado por Max Cavalera que ganha depois a companhia dos demais instrumentos tradicionais num peso contagiante. “Cut-Throat” traz a banda numa cadência marcante que é vista em diversas oportunidades no disco.

Em “Ratamahatta”, mais um momento de choque para a parcela conservadora do heavy metal. Para um gênero tão fincado no som pesado, a simples participação de Carlinhos Brown no disco já era motivo de discussões acaloradas na Galeria do Rock em São Paulo. Uma música inteira com a participação de Brown nos vocais e com outros instrumentos menos tradicionais ao metal gerou uma sucessão de narizes torcidos inimaginável.

Carlinhos Brown pode ser considerado por muitos um grande mala sem alça, mas, musicalmente, é um ser grandioso. É o típico sujeito que saca sons em tudo. E que costuma aproveitar de maneira bastante feliz esse dom em vários de seus trabalhos.

Com o Sepultura não foi diferente. Muita gente pensa que Brown aparece apenas em “Ratamahatta” no disco, mas ele contribuiu brilhantemente em outras faixas, mais no final do álbum, como “Ambush” e “Endangered Species”. Nestas duas últimas, por exemplo, chega a captar sons de tiro no pandeiro, reco-reco na pedra e garrafão d’água, entre tantos outros.

Depois das boas “Breed Apart” e “Straighthate”, respectivamente a quinta e a sexta faixas do disco, o Sepultura, talvez, tenha feito uma de suas melhores músicas do “Roots” com “Spit”. Com um som extremamente grave tirado das guitarras, a faixa, em várias oportunidades, remete ao sentimento contagiante do metal de “som do fim do mundo”. Em tantos anos de carreira da banda, ela nunca teve o reconhecimento merecido que outros clássicos do grupo receberam, mas traz uma qualidade imensa.

“Lookaway” é a oitava do disco e é o momento descontração do álbum, com o Sepultura recebendo convidados. Participam dela, numa roupagem pouco convencional para o heavy metal, Jonathan Davis (vocalista do Korn), Mike Patton (vocalista do Faith No More) e o DJ Lethal.

“Dusted” também está entre as melhores do álbum, sem deixar de trazer a inclusão de sons diferentes. “Born Stubborn” não tem a mesma qualidade que a anterior, mas também não chega a comprometer. Em “Jasco”, Andreas Kisser traz o violão acústico para o disco, num procedimento que já havia sido visto com “Kaiowas” no álbum “Chaos A.D.”.

Eis que, na 12ª música do “Roots”, o Sepultura chega ao momento máximo de teste de paciência da ala conservadora do metal. Com a faixa “Itsári”, a banda traz o belíssimo canto dos índios xavantes, numa atitude corajosa, mas que emociona o mais frio dos fans “true metal”. Vale lembrar que o grupo passou pela experiência de visitar uma aldeia indígena no Mato Grosso, com produtor do disco e tudo, para vivenciar algo que nunca foi esquecido pelos membros da banda.

Buscapé

Do choque cultural, tanto para o Sepultura como para os índios, nasceu uma amizade, a faixa “Itsári” e o simples conhecimento de vários brasileiros de uma cultura que tem tudo a ver com as raízes do povo deste País. A participação dos índios foi tão positiva na faixa que eles passaram a ser convidados para apresentações diversas em vários locais, dentro e fora do Brasil.

Após as já citadas “Ambush” e “Endangered Species”, o Sepultura termina a parte de inéditas do disco com a não menos ótima “Dictatorshit”. Vinte anos após o álbum, a faixa ainda parece necessária aos estúpidos que clamam por intervenção militar no Brasil. Sempre antenado, o Sepultura passou seu recado sobre o assunto de maneira digna.

A versão brasileira do “Roots” ainda continha duas faixas bônus covers primorosas. A primeira era “Procreation (of the Wicked)”, do grupo Celtic Frost. A segunda, nada menos que “Symptom of the Universe”, do lendário e indispensável Black Sabbath. Nas duas músicas, o desempenho do Sepultura é de dar gosto. Tal qual um Metallica, que costuma deixar as faixas covers melhores que as originais, a banda brasileira deu um belo presente aos fãs nascidos em seu país.

Ironicamente, pouco tempo depois do estouro mundial e merecidíssmo reconhecimento do “Roots”, Max Cavalera saiu da banda ainda em 1996, em virtude de discordâncias dos demais membros em relação à sua esposa, Glória Cavalera, então empresária do grupo. Após o “Roots”, muitas mudanças profundas foram vistas no Sepultura e o grupo jamais foi o mesmo, apesar de continuar tocando demais e de maneira digna.

O álbum não é apenas revolucionário pela inclusão de sons pouco convencionais ou até por influenciar uma vertente do heavy metal (o nu metal) que se consolidaria anos depois. É um verdadeiro patrimônio nacional, tal qual o Sepultura, por trazer diversos elementos da cultura brasileira a um dos estilos musicais mais fechados e tradicionais do rock.

Para comemorar os 20 anos do álbum “Roots”, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Fique inicialmente com o clipe de “Roots Bloody Roots”. Depois, fique com os de  “Attitude”  e de “Ratamahatta”. Para fechar, veja a banda executando “Spit” ao vivo em 1996. Se quiser ouvir o álbum na íntegra, basta clicar neste link.

Anúncios

0 Responses to “20 anos do ‘Roots’, o clássico álbum do Sepultura que virou o heavy metal de cabeça para baixo”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Documentário 'Sepultura Endurance' teve sua estreia geral ao público no dia 15 de junho e tem neste dia 19 exibição marcada para o Cine SESC, em São Paulo, pelo In-Edit Brasil, às 21h30.
Veja a resenha do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/15/documentario-sepultura-endurance-mostra-saga-da-banda-brasileira-e-resistencia-apos-separacao-historica/
#roquereverso #sepultura #ineditbrasil #sepulturaendurance #cinesesc Já viu os preços para o show do U2 em São Paulo?
Veja os detalhes no texto do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/08/ingressos-de-pista-comum-para-show-do-u2-em-sp-da-turne-de-30-anos-do-the-joshua-tree-custam-r-500/
#roquereverso #u2 #estadiodomorumbi #u2thejoshuatree2017 O "Sgt. Peppers" fez 50 anos e o Roque Reverso fez uma resenha bacana.
Confira aqui:
https://roquereverso.com/2017/05/30/50-anos-do-disco-sgt-peppers-lonely-hearts-club-band-um-dos-maiores-da-historia-e-simbolo-de-uma-geracao/
#roquereverso #beatles #paulmccartney #ringostarr #johnlennon #georgeharrison Nosso texto sobre a enorme perda de Kid Vinil:
https://roquereverso.com/2017/05/19/rock-nacional-de-luto-com-a-morte-de-kid-vinil-um-dos-maiores-embaixadores-do-estilo-no-pais/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #kidvinil Nosso texto sobre a enorme perda de Chris Cornell:
https://roquereverso.com/2017/05/18/rock-chora-a-morte-de-chris-cornell-vocalista-do-soundgarden-e-do-audioslave/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #chriscornell #soundgarden #audioslave Resenha do Roque Reverso sobre o grande show do Prophets of Rage no Maximus Festival!!!
https://roquereverso.com/2017/05/16/com-fora-temer-e-show-variado-no-maximus-festival-prophets-of-rage-mantem-legado-do-rage-against/
#roquereverso #maximusfestival #prophetsofrage #tomorello

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 87 outros seguidores

fevereiro 2016
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 530,381 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: