Posts Tagged ‘Paulo Júnior

15
jun
17

Documentário ‘Sepultura Endurance’ mostra saga da banda brasileira e resistência após separação histórica

'Sepultura Endurance' - Reprodução do Cartaz do FilmeSe o fã de boa música conhece o mínimo de rock pesado, sabe perfeitamente a importância do grupo brasileiro Sepultura no cenário mundial. Após muita batalha, a banda chegou ao auge da popularidade em 1996, mas uma briga histórica entre os integrantes abalou a trajetória de sucesso, obrigando os músicos restantes a uma brava luta pela manutenção da carreira. É justamente sobre a resistência da banda contra todos os percalços que é feita a abordagem do documentário “Sepultura Endurance”.

A estreia oficial no Brasil foi agendada para esta quinta-feira, dia 15 de junho, mas, um dia antes, foi criada uma pré-estreia especial nos cinemas do País.

O Roque Reverso assistiu ao documentário no dia 13 de junho, quando o “Sepultura Endurance” abriu oficialmente a recomendada e aguardada 9ª edição do Festival Internacional do Documentário Musical, o In-Edit Brasil, em sessão fechada, com a presença de convidados e imprensa.

O evento começou oficialmente no dia 14 de junho em São Paulo e o documentário será novamente apresentado no In-Edit no dia 19, no Cine Sesc.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

Anúncios
20
fev
16

20 anos do ‘Roots’, o clássico álbum do Sepultura que virou o heavy metal de cabeça para baixo

"Roots" - Reprodução da CapaO sábado, dia 20 de fevereiro de 2016, marcou os 20 anos do álbum “Roots”, do Sepultura. Considerado por crítica e público como um dos discos mais importantes da história do heavy metal, o trabalho histórico feito pela banda brasileira virou o estilo de cabeça para baixo por trazer elementos ricos da cultura do Brasil à qualidade musical já conhecida do Sepultura.

Foi o último disco da formação clássica do Sepultura, já que, no fim do mesmo ano, o vocalista, guitarrista e fundador, Max Cavalera, deixou o grupo. Por este e uma série de detalhes, o aniversário de 20 anos do “Roots” merece ser lembrado por todos os veículos com alguma ligação ao rock n’ roll.

O Roque Reverso tem dado prioridade para elencar em sua página especial de Álbuns Clássicos os discos com mais de 3 décadas de existência.

O site abre, porém, com certa frequência, exceções em relação a discos cuja existência foi fundamental para a sobrevivência do rock ou que chacoalharam o estilo, como, por exemplo, foi feito com o “Black Album”, do Metallica, ou o “Appetite for Destruction”, do Guns N’Roses.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

23
jun
15

Com a faca nos dentes, Sepultura comemorou 30 anos em SP e fez um dos melhores shows da carreira

Sepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Dedé MoreiraO Sepultura fez uma apresentação histórica no sábado, dia 20 de junho, em São Paulo. Num Audio Club abarrotado de fãs fieis que poucas bandas possuem, o grupo brasileiro de thrash metal tocou com a faca nos dentes, com uma dedicação extrema e presenteou a plateia com uma de suas maiores exibições em toda a carreira.

O show comemorou os 30 anos da banda, completados em 2014.

Com um repertório extenso e que contou com músicas da maioria dos álbuns de sua história, o Sepultura transformou a casa localizada na zona oeste paulistana num autêntico local de devoção e festa.

A noite era bastante fria na cidade, mas no interior do Audio Club a temperatura era bastante alta, em sintonia com a vibração da plateia. Como fator adicional para transformar a apresentação em algo marcante, o Sepultura informou que o show seria gravado em vídeo.

Outro detalhe bem interessante do evento foi que o grupo fez uma promoção na qual menores de 14 anos, acompanhados de pais ou responsáveis, pagavam apenas R$ 5,00 pelo ingresso, numa iniciativa bem bacana de formar novos fãs. Não por acaso, várias crianças estiveram na casa de shows e, sem a menor dúvida, vão se lembrar eternamente do que viram.

O show

A apresentação começou com músicas de álbuns recentes do Sepultura. “The Vatican”, do disco “The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart”, de 2013, e “Kairos”, faixa-título do álbum de 2011.

Logo de cara, deu para perceber que a noite prometia, já que Andreas Kisser comandava a banda com uma guitarra nervosa e com um som poderoso; Derrick Green, agora careca, mostrava que está em um grande momento da carreira; Paulo Júnior dava o suporte no baixo da maneira exata que o grupo precisava; e, Eloy Casagrande, o mais novo de todos, esbanjava competência na bateria.

“Propaganda”, do clássico disco “Chaos A. D.”, foi a primeira da fase antiga do grupo, quando o Sepultura ainda contava com os fundadores e fundamentais Max e Igor Cavalera. A ausência dos irmãos, por sinal, vive sendo motivo de discórdia entre as correntes de fãs do grupo.

Este jornalista, que acompanhou shows da banda desde o fim da década de 80 não pode negar que o grupo viveu sua época de ouro com a formação clássica, que contava além dos irmãos Cavalera, com Andreas Kisser e Paulo Júnior. Aquele foi um momento espetacular do Sepultura, que chegou a praticamente peitar, na época dos discos “Arise”, “Chaos A.D.” e “Roots”, medalhões do estilo, como o Metallica e o Slayer.

Atualmente, depois de todas inevitáveis dificuldades geradas pelas saídas importantes dos dois irmãos, o Sepultura se mantém forte e resistente. Numa época bastante desfavorável ao rock quando o assunto é exposição e na qual os grupos veteranos continuam dando as cartas, a banda brasileira, no mínimo, está entre as 10 maiores do thrash metal de todo o mundo e continua com a sonoridade que a torna única em relação às demais.

Quem estava no Audio Club queria celebrar com o Sepultura os 30 anos de existência do grupo que é orgulho nacional. Justamente por isso, a devoção dos fãs em relação à banda foi comovente do início ao fim.

Sepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando Pires

Os admiradores da fase mais antiga do grupo foram presenteados logo na quarta música, com a sempre ótima “Inner Self”, do clássico álbum “Beneath the Remains”. Com a execução do petardo sonoro, o bate-cabeça rolou solto e as rodas de mosh se espalharam.

Interessante destacar que o Sepultura montou no Audio Club uma passarela que saía do palco e ia para perto da metade da pista. Foi uma bela sacada que fez o público ficar mais próximo de Andreas Kisser e Derrick Green, que várias vezes caminharam por lá.

Tal qual o palco, a passarela foi usada para os fãs darem stage diving. O problema é que, nos diversos shows de metal e hardcore, tem sempre uma galera que, em vez de subir e pular rápido, inventa de ficar desfilando, atrapalhando até a performance das bandas. No show do Sepultura, não foi diferente e chegou a um momento em que a passarela ficou repleta de manés se exibindo e pulando, como se fossem eles as atrações da noite.

Este procedimento irritou Andreas Kisser, que pediu numa boa, com aplausos do público, que tais fãs pulassem rápido e não ficassem atrapalhando o show e a própria filmagem que estava acontecendo durante a performance. Depois disso, raras foram as vezes de gente subindo no palco e na passarela.

O show prosseguiu com o arsenal de categoria que o Sepultura construiu nesses mais de 30 anos. “Breed Apart” foi a primeira do “Roots”. “Manipulation of Tragedy” foi a segunda e última do “The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart”.

Na sequência, o grande clássico “Dead Embryonic Cells” foi a primeira faixa do “Arise”. Chamou a atenção do povo da pista que estava do lado direito do palco a participação de um pai “meio maluco” na companhia de um menino aparentando uns 8 anos. Com coragem acima do normal, ele chegou a entrar nas rodas de mosh e a pular na muvuca com o garoto nos ombros! Para a criança, era visível que aquele momento era de plena curtição e, com certeza, estava sendo ratificada a formação de um futuro headbanger.

Boa faixa representante da época na qual Derrick Green entrou no Sepultura, “Choke”, do disco “Against”, trouxe a banda bem entrosada e com um peso impressionante. De um lado, os backing vocals de Andreas Kisser e Paulo Júnior ajudavam a levantar o público. De outro, as batidas implacáveis de Eloy Casagrande na bateria deixavam muitos da plateia praticamente hipnotizados.

Outra surpresa ótima da noite foi “Convicted in Life”, do disco “Dante XXI”. Nesta faixa, a velocidade de Casagrande aumentou e o baterista parecida uma verdadeira máquina trituradora. Na pista, o mosh rolava solto.

Em “Attitude”, do “Roots”, a agitação diminuiu um pouco, mas a plateia cantou a música do início ao fim. A tradicionalíssima “Troops of Doom”, do primeiro álbum “Morbid Visions”, tratou de trazer a muvuca de volta e a proliferação das rodas de mosh.

“Sepulnation” foi a representante do disco “Nation” e “From the Past Comes the Storms”, do “Schizophrenia”, fazendo muito fã das antigas voltar no tempo.

Na sequência, o Sepultura mesclou faixas dos grandes álbuns “Arise” e “Chaos A.D.”. O turbilhão composto por “Territory”, “Polícia”, “Orgasmatron”, “Biotech Is Godzilla”, “Arise” e “Refuse/Resist” deixou o público sem tempo para respirar e todos pareciam tão crianças quanto à garotada presente no Audio Club.

Após a pausa para um breve descanso, o Sepultura voltou para um bis volumoso e pouco comum nos shows atuais das diversas bandas de heavy metal que vêm passando pelo País por causa da quantidade de músicas: nada menos que 7!

Sepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando PiresSepultura no Audio Club - Foto: Divulgação Sepultura Facebook/Fernando Pires

A primeira da lista foi simplesmente “Bestial Devastation”, faixa-título do primeiro EP do grupo e conhecida pra valer mais pelo público das antigas. “Apes of God”, foi a música que representou o bom disco “Roorback” e trouxe mais um entrosamento perfeito da banda. “Cut-Throat” e “Manifest” deram a sequência do bis e também foram bem recebidas.

Depois delas, o Sepultura tocou pela primeira vez ao vivo em São Paulo a faixa “Sepultura Under My Skin”, que foi feita para comemorar os 30 anos da banda. Foi o momento no qual boa parte do público mais contemplou do que agitou, como se quisesse observar como a faixa, que já havia sido divulgada pela banda no YouTube e em outros locais, ficaria fora do estúdio.

Já próximo ao fim da apresentação, o grupo executou “Ratamahatta”, que preparou o terreno para o grande momento com a derradeira “Roots Bloody Roots”. Quem já foi a um show do Sepultura sabe a catarse provocada por esta música. No Audio Club, não foi diferente e ela ganhou o apelo especial da gravação do vídeo.

Com o público tirando forças para cantá-la a plenos pulmões, o Sepultura encerrou a apresentação com chave de ouro. Quem estava presente na casa de shows, dificilmente vai esquecer aquela espetacular noite proporcionada pelo grupo brasileiro.

Ao final, os músicos foram para a passarela e tiraram uma foto com todo o público atrás. O garoto que marcou a apresentação por ser levado nos ombros pelo pai no meio da muvuca ainda subiu junto com a banda e chegou a participar de algumas fotos. Tudo isso depois de ter surfado nos braços da galera e, talvez, ganhar uma de seus maiores recordações para sua vida.

Na despedida, Andreas Kisser ainda deu um stage diving histórico. Com o empurra-empurra formado, este jornalista, que já tem mais de 20 shows do Sepultura no currículo chegou a tomar um tombo, já que pessoas que estavam em volta perderam o equilíbrio e simplesmente não havia lugar para se apoiar. Ficou por alguns segundos em cima dos degraus de uma pequena escada que dava acesso à borda da pista torcendo para que nenhum sujeito mais pesado caísse sobre ele. Por sorte, ninguém se machucou e as lembranças foram só as melhores.

O saldo final da noite é de um show memorável. Com uma raça incrível, o Sepultura provou, mais uma vez, que merece o respeito eterno dos fãs e que jamais vai perder o posto de maior banda brasileira da história. Que venham mais 30 anos de carreira para o bem do thrash metal!

Para celebrar o grande show do Sepultura no Audio Club, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Fique inicialmente com “Inner Self”. Depois fique com “Troops of Doom” e “Refuse/Resist”. Depois veja a banda executando “Refuse/Resist” e a nova “Sepultura Under My Skin”. Para fechar, fique com “Roots Bloody Roots”.

Set list

The Vatican
Kairos
Propaganda
Inner Self
Breed Apart
Manipulation of Tragedy
Dead Embryonic Cells
Choke
Convicted in Life
Attitude
Troops of Doom
Sepulnation
From the Past Comes the Storms
Territory
Polícia
Orgasmatron
Biotech Is Godzilla
Arise
Refuse/Resist

Bestial Devastation
Apes of God
Cut-Throat
Manifest
Sepultura Under My Skin
Ratamahatta
Roots Bloody Roots

29
abr
13

Show do Down em SP confirmou Phil Anselmo em forma e entrosamento invejável da banda

Se há um show que você, fã de rock pesado, deveria ter visto em abril de 2013, esse show foi o do Down no Carioca Club em São Paulo. Daquelas apresentações para entrar na lista das mais memoráveis, a performance da grande banda norte-americana de Phil Anselmo mostrou que o ex-vocalista do Pantera continua em forma e entre os maiores frontmen de sua geração.

Mais do que isso, o show do dia 10 de abril confirmou o que todos já haviam visto no SWU de 2011: que o grupo mantém um entrosamento invejável entre músicos de ponta que, definitivamente, levaram o Down para uma condição de banda capaz de peitar as maiores do heavy metal no cenário atual. E isso está longe de ser um exagero.

Não por acaso, o Carioca Club estava lotado na hora do início do show. Mesmo a horrorosa Pista Vip que inventaram para a apresentação estava cheia. Na Pista Comum e no Camarote também havia uma verdadeira multidão, em plena quarta-feira.

Se no SWU de 2011 quem conseguiu ir teve o privilégio de ver a banda executando o álbum “NOLA” na íntegra, na apresentação do Carioca Club, o Down aproveitou sua primeira passagem na capital paulista para mesclar um pouco o repertório. Importante lembrar que o show também promovia o lançamento do “Down IV Part 1 – The Purple EP”, mais recente trabalho da banda que foi lançado em setembro de 2012.

Logo de cara, o grupo trouxe “Lysergic Funeral Procession”, do álbum “Down II: A Bustle in Your Hedgerow” e já mostrou que a apresentação ia ser quente. Acompanhando Phil Anselmo, uma formação do mais alto calibre do heavy metal: Pepper Keenan (guitarra), Jimmy Bower (bateria), Kirk Windstein (guitarra) e Pat Bruders (baixo).

“NOLA” é o melhor disco da banda e, claro, teria o maior número de músicas tocadas da noite. “Pillars of Eternity” foi a primeira delas e levou a plateia ao delírio. Da Pista Vip aos Camarotes, passando pela Pista Comum, o cenário era um mar de pessoas batendo cabeça e agitando, como se fosse impossível resistir ao som poderoso do grupo e à ótima intepretação de Anselmo.

Há quase um consenso entre os fãs de metal que o Carioca Club não é das casas mais indicadas para os tantos shows do estilo que vêm sendo realizados ali nos últimos anos. Mas também vale destacar que as apresentações nesta casa proporcionam a experiência rara de ver as bandas muito de perto.

Para muitos ali, ficar próximo de Phil Anselmo, um ícone do metal dos anos 90, era um momento histórico. Para quem viu o Pantera se apresentar no saudoso Olympia em 1993 e 1995, o momento também era de nostalgia daqueles bons tempos, quando foi possível ver aquele grupo no auge da carreira nas turnês de seus melhores álbuns.

E foi para o mais saudoso integrante do Pantera que Anselmo e a banda dedicaram a música seguinte. Também do “NOLA”, “Lifer” lembrou Dimebag Darrell, assassinado a tiros em pleno palco em 2004, em Columbus, Ohio, nos Estados Unidos. Depois da plateia gritar a plenos pulmões o nome do eterno guitarrista, foi a vez do Carioca Club inteiro cantar e rodas de mosh se abrirem automaticamente na Pista Comum.

Anselmo agradeceu bastante a energia do público, que começou a gritar o nome dele. Em seguida, pegou um gorro preto dado por um fã, colocou na cabeça e anunciou “Witchtripper”, primeiro single do novo EP e que fez sucesso com um videoclipe. Talvez por este detalhe, os fãs já estavam bem acostumados com a música e a cantaram do início ao fim.

Empolgado com a receptividade, o vocalista do Down emendou mais uma do novo EP, “Misfortune Teller”, que ficou bem interessante ao vivo, mostrando a banda entrosada. Destaque para as guitarras de Pepper Keenan e Kirk Windstein. Este último, empunhando uma guitarra branca com design idêntico à famosa ESP de James Hetfield, do Metallica, tem, por sinal, um jeito diferente de segurar o instrumento, mas que nada compromete sua eficiência.

De volta às músicas do “NOLA”, foi a vez de o Down executar a ótima “Temptation’s Wings”. Antes, porém, o público começou a jogar presentes para a banda ao palco: desenhos pintados, bandeiras e até um sutiã, que acabou sendo vestido pelo sempre bem-humorado baterista Jimmy Bower.

Chamou a atenção a presença de um fã que tinha uma tatuagem com a palavra “Pantera” no peito e que já havia feito sucesso no SWU. Portando uma bandeira do Brasil com a palavra “Down” escrita, ele foi saudado por Anselmo e pelos demais componentes da banda, que mostraram a bandeira para todo o Carioca Club admirar.

Depois de “Temptation’s Wings”, foi a vez de “Ghosts Along the Mississippi”, também do “Down II: A Bustle in Your Hedgerow”. Na sequência, “Losing All”, do “NOLA”, que também levantou o público.

No final da música, Phil Anselmo anunciou a presença de convidados mais do que ilustres no camarote do Carioca Club: Andreas Kisser, Paulo Júnior e Eloy Casagrande. Foi então que o público soltou o tradicional grito de “SE-PUL-TU-RA!”, que foi acompanhado por Anselmo e pelos bumbos de Jimmy Bower, abrindo caminho para a execução da lenta e pesada “New Orleans is a Dying Whore”, do segundo álbum.

O set list ainda contaria com a nova “Open Coffins”, do EP, dedicada a mais uma figura ilustre presente: o cineasta Zé do Caixão, que foi saudado também pelo Carioca Club inteiro com muito respeito. Para fechar a primeira parte do show, o grupo trouxe a ótima “Eyes of the South”, que elevou novamente a temperatura ambiente.

Após mais este petardo, Anselmo deu a senha para o bis: “Se vocês querem ouvir mais Down, já sabem o que fazer.” Foi então que o público passou a gritar o nome da banda até que ela voltasse para o palco.

No retorno, ele perguntou para a plateia o que ela gostaria de ouvir e os gritos de “Pantera” dominaram o Carioca Club. Tal qual a apresentação no SWU, a banda iniciou os acordes de “Walk” e o conhecido refrão foi cantado por todos da casa de shows, com uma verdadeira catarse coletiva no local.

Na sequência do bis, três do “NOLA”: “Hail the Leaf”, “Stone the Crow” e “Bury me in Smoke”. Se, na primeira, o peso tomou conta dos riffs da banda, “Stone the Crow” fez com que um enorme coro fosse formado, com o público cantando a plenos pulmões até os acordes do maior hit do grupo.

Em “Bury me in Smoke”, o final apoteótico que contou com convidados mais do que especiais no palco. Tradicionalmente, nos acordes finais da música, é a vez dos roadies assumirem os instrumentos, enquanto a banda se despede e cumprimenta o público. No Carioca Club, nada menos que os três integrantes do Sepultura, mais o filho de Andreas, Yohan Kisser, na outra guitarra, tomaram conta do palco, levando a plateia pela última vez ao delírio.

O saldo final da apresentação do Down foi de mais um grande momento na história dos shows internacionais na capital paulista. Depois de ver a banda num grande festival em 2011, foi a vez de avaliar como ela se portaria num lugar pequeno. Se, no SWU, o grupo realizou o show mais pesado daquela edição, no Carioca Club, sem sombra de dúvida, já entrou na lista das melhores apresentações de 2013, deixando a missão de superá-los para outros nomes grandes que ainda passarão por São Paulo neste ano, como o Anthrax, o Testament, o Slayer e o Megadeth.

Para relembrar grandes momentos do show do Down, o Roque Reverso descolou cinco vídeos no YouTube. Fique com “Pillars of Eternity”, “Temptation’s Wings”, “Eyes of the South”, “Stone the Crow” e “Bury me in Smoke”. \m/

Set List

Lysergic Funeral Procession
Pillars of Eternity
Lifer
Witchtripper
Misfortune Teller
Temptation’s Wings
Ghosts Along the Mississippi
Losing All
New Orleans is a Dying Whore
Open Coffins
Eyes of the South

Hail the Leaf
Stone the Crow
Bury me in Smoke

07
jun
11

Novo disco do Sepultura será lançado no dia 24 de junho

O Sepultura, maior banda brasileira da história do rock, lançará seu novo álbum no dia 24 de junho, via Nuclear Blast Records. “Kairos” é o décimo segundo disco da carreira do grupo e promete trazer muito peso, do jeito que os fãs da antiga gostam.

Mesmo com as ausências sempre sentidas dos irmãos Max e Igor Cavalera, que agora fazem parte do Cavalera Conspiracy, Andreas Kisser (guitarras), Derrick Green (vocais), Paulo Júnior (baixo) e Jean Dolabella (bateria) têm mostrado muita garra para tentar manter a banda ainda brilhando no cenário do heavy metal.

O disco novo contou com a produção de Roy Z , que já trabalhou com Judas Priest e Bruce Dickinson. 

Foi gravado entre os dias 20 de janeiro e 28 de fevereiro, com o processo sendo transmitido quase todo ao vivo pela internet. A capa do álbum, que você pode ver ao lado, foi feita pelo artista norte-americano Erich Sayers.

No total, são 15 faixas na versão normal do novo álbum, algumas delas de curta duração, com espaço para músicas instrumentais. Para os colecionadores, há também a opção da versão Deluxe, que contará com duas faixas a mais e com um DVD de bônus com o making of do novo trabalho.

Chama a atenção o fato de a banda ter gravado como cover a música  “Just One Fix”, uma das mais pesadas do Ministry, grande grupo de metal industrial que brilhou entre os anos 80 e 90. Outra versão cover foi feita para a música “Firestater”, do Prodigy, mas só vem na versão Deluxe. Quem quiser dar uma sacada no que promete ser o novo disco, pode ouvir aqui a música que dá nome ao disco. Peso puro!

Veja abaixo a lista de faixas do novo álbum do Sepultura:

1. Spectrum
2. Kairos
3. Relentless
4. (2011)
5. Just One Fix (Cover do Ministry)
6. Dialog
7. Mask
8. (1433)
9. Seethe
10. Born Strong
11. Embrace The Storm
12. (5772)
13. No One Will Stand
14. Structure Violence (Azzes)
15. (4648) 

16. Firestarter (Cover do Prodigy)
17. Point Of No Return

31
out
10

Death Angel faz show brutal em SP para poucos privilegiados no Clash Club

Brutal, visceral, pesado e vibrante! Todas essas palavras poderiam ser usadas para resumir o que foi o show realizado pelo Death Angel no sábado, dia 23, em São Paulo, no Clash Club. A banda norte-americana da Bay Área de São Francisco, que é considerada uma das maiores da história do thrash metal, demorou mais de 25 anos para vir ao Brasil pela primeira vez. Foi recebida por um público muito aquém da sua importância, cerca de 500 pessoas. Mas estes poucos privilegiados acabaram sendo presenteados com uma apresentação que fez lembrar os bons tempos do thrash metal oitentista .

A abertura ficou por conta de duas bandas brazucas formadas por uma molecada da pesada que dá a todos alguma esperança de ver no País uma cena diferente da que estamos acostumados a ver neste final de década com as aberrações Cine e Restart. A primeira foi o Sakramento e a segunda foi o Fúria V8. Ambas também bebem na fonte do thrash metal da Bay Área e, se bem produzidas, podem fazer bonito no cenário underground internacional.

Terminados os shows de abertura, o Death Angel subiu ao palco para realizar o sonho de muitos fãs dos anos 80 que estavam ali. Interessante ver também que havia muito adolescente com camisas de bandas de thrash metal da época, como Nuclear Assault e Destruction, o que mostra que o estilo ainda sobrevive, apesar da cena de hoje ser bem diferente daquele período no qual as pessoas lotavam, aos sábados, a porta da Woodstock de Walcir Chalas para acompanhar o nascimento do estilo.

Depois de uma introdução bem calminha, a banda norte-americana iniciou o show com a música “I Chose The Sky”, que faz parte do álbum “Relentless Retribution”, o sexto de estúdio da banda e que foi lançado em setembro deste ano. Apesar de algumas críticas que o trabalho recebeu da imprensa especializada, a música e as demais do novo álbum parecem ter ficado melhores na versão ao vivo, empolgando o público.

Tanto os integrantes da formação original, Mark Osegueda (vocal) e Rob Cavestany (guitarra), como o baixista Ted Aguilar, que se juntou à banda no retorno do grupo às atividades, em 2001, e os integrantes mais recentes – o baixista Damien Sisson e o baterista Will Carroll –, mostraram um entrosamento perfeito durante todo o show.  Mais do que isso, pareciam realmente muito empolgados por estarem pela primeira vez diante do público paulistano, famoso mundialmente pela vibração nos shows de rock.

Não demorou muito para as primeiras rodas de mosh aparecerem. E, logo na segunda música, “Evil Priest”, do primeiro e elogiadíssimo álbum “The Ultra-Violence”, o primeiro stage diving da noite foi dado e seria seguido por vários outros até o final do show. Com o público pequeno, a ausência da famigerada pista vip e sem a existência de seguranças animais, o número de mergulhos do palco para a pista foi absurdamente incrível, fazendo com que, neste quesito, o show do Death Angel lembrasse muito a apresentação realizada pelo Biohazard em São Paulo em julho.

A grande diferença, além do som, é que, no show do Biohazard, as mulheres praticamente não deram stage diving. No show do Death Angel elas praticamente dominaram o palco e foram as que deram os pulos mais radicais!!! Mais para o final do show, uma das meninas chegou a pular das caixas de som que estavam na lateral do palco, num dos saltos mais radicais em shows paulistanos dos últimos tempos, como se, em vez do público, existisse realmente uma piscina para ela mergulhar. Simplesmente sensacional!

A banda trouxe músicas de todos os CDs de estúdio. A terceira da noite foi “Buried Alive”, do quinto álbum “Killing Season”. Na sequência, tivemos “”Voracious Souls”, do ‘The Ultra-Violence”, e “Claws in so Deep”, do novo álbum.

O público se dividia nos que pulavam do palco, nos que formavam as rodas e nos que batiam as cabeças a mil por hora. A banda viu que aquela galera realmente era diferente e, em retribuição, esbanjou energia. Em alguns momentos, os membros do Death Angel se olhavam meio que admirados, depois da sequência de saltos dados pela galera. Também cumprimentavam as pessoas da “fila do gargarejo” e jogavam palhetas para o público.

Um dos grandes momentos da apresentação foi quando o grupo trouxe seu maior sucesso: nada menos que “Seemingly Endless Time”, do sensacional álbum “Act III”, preferido deste jornalista. A galera foi à loucura e multiplicou a energia presente no Clash Club. Aproveitando, o caos instalado, a banda emendou logo de cara a segunda música do mesmo “Act III”: “Stop”, que tem um dos riffs com mais cara de thrash metal da história do estilo!!!

Sem deixar a adrenalina cair, o Death Angel mandou “3rd Floor”, do segundo álbum, “Frolic through the Park”. Depois, trouxe a ótima “”Thrown to the Wolves”, do não menos ótimo quarto álbum do grupo “The Art of Dying”. Na sequência, tocou “Lord of Hate”, do “Killing Season”, “Falling Asleep”, também do “Act III”, e “Truce”, do novo álbum.

Mark Osegueda, com sua velhíssima camisa do Metallica, mostrou que continua em forma e cantando muito bem. Rob Cavestany ainda é o melhor da banda e ainda é um dos maiores guitarristas do gênero. Ted Aguilar faz uma ótima base para o companheiro; e os membros novos completam bem a banda, com destaque para o baixista, que agita bastante e interage demais com o público.

Como o Clash Club ainda teria outro evento depois do show do Death Angel, a banda não teve um tempo maior para expandir a apresentação. O vocalista Mark Osegueda elogiou o público presente, disse que há tempos não via algo tão intenso e que aquela havia sido a melhor noite que eles haviam passado no palco em muitos anos.

Para fechar o show, o grupo trouxe mais megaclássicos: nada menos que “Thrashers”, a introdução de “The Ultra-Violence” e “Kill As One”. Quem queria thrash metal de verdade foi atendido com verdadeiros exemplos do gênero e, sem dúvida alguma, saiu do Clash Club realizado. Confirmando a empolgação da banda com o público, Osegueda ainda fechou a apresentação dando, para variar, um stage diving.

Terminado o show, a banda ainda demonstrou imensa simpatia com quem ficou na porta, do lado de fora do Clash Club, esperando os músicos saírem. Deram autógrafos, tiraram fotos e conversaram com os fãs. Ted Aguilar pegou sua filmadora e captou boa parte destes momentos, que devem ser colocados em breve no site da banda ou no My Space.

Uma presença ilustre entre os que assistiram ao show foi a do baixista Paulo Júnior, do Sepultura. Na saída do Clash Club, ele também trocou ideia com a galera, sobre música e futebol, já que seu Atlético Mineiro jogaria no dia seguinte o clássico contra o Cruzeiro.

Foi quando o pessoal da produção da banda deu a deixa que os caras do Death Angel estenderiam a noite no bar Blackmore. Este jornalista passou em casa para pegar a máquina fotográfica e calçar o estômago, já que se interessou pela ideia de tomar várias brejas com os caras durante a madrugada.

Chegando no Blackmore, viu os caras na parte superior do bar e subiu para tirar fotos e tomar algumas cervejas. Todos foram muito simpáticos, especialmente Mark Osegueda, que parece estar de bem com a vida sempre. Mesmo com o inglês deste repórter estando em fase bastante ruim, foi possível uma comunicação com os integrantes, que só não estavam curtindo ver o grupo cover do Manowar que se apresentava no local.

Depois do final do show da banda cover, os membros do Death Angel seguiram para o hotel. Algumas fãs que estavam junto parecem ter acompanhado a banda, mas o restante da história este jornalista não sabe contar, já que ainda ficou no Blackmore vendo os outros shows que aconteceram no local. No final das contas, foi uma noite memorável, daquelas para contar para os filhos e netos.

O Death Angel ainda iria tocar em Brasília, Recife e Catanduva e acabou cancelando os shows do Rio de Janeiro, por venda fraca de ingressos, e de São Luís, por problemas de conexão do avião. Para surpresa de muitos, a banda anunciou para segunda-feira, primeiro dia de novembro, uma nova apresentação em São Paulo, desta vez justamente no Blackmore.

Para quem foi ao show do Clash Club é mais uma oportunidade para ver uma das maiores bandas do thrash metal. Para quem não conseguiu ver o primeiro show e gosta do grupo, não pense em deixar de ir ao Blackmore, já que o ingresso está mais barato, a partir de R$ 50.

O Roque Reverso descolou o set list do show no Clash Club e alguns vídeos do YouTube. Para começar, um vídeo com as três primeiras músicas do set. Depois, “3rd Floor” e “Thrown to the Wolves”; “Seemingly Endless Time” e “Stop”; Thrashers; e a introdução de “The Ultra-Violence” juntamente com “Kill As One”.

Set list: 

Intro / I Chose The Sky
Evil Priest
Buried Alive
Voracious Souls
Relentless Revolution
Claws In So Deep
Seemingly Endless Time
Stop
3rd Floor
Thrown To The Wolves
Lord Of Hate
Falling Asleep
Truce
Thrashers
The Ultra-Violence / Kill As One



Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Bon Jovi no São Paulo Trip 2017 realizado na Arena do Palmeiras
#roquereverso #bonjovi #saopaulotrip #allianzparque Bon Jovi no São Paulo Trip 2017 
#roquereverso #bonjovi #saopaulotrip #allianzparque The Cult no São Paulo Trip 2017 - Ian Astbury
#roquereverso #thecult #saopaulotrip #allianzparque The Cult no São Paulo Trip 2017
#thecult #saopaulotrip #allianzparque #roquereverso The Who no São Paulo Trip - Foto: Flavio Leonel/Roque Reverso
#thewho #saopaulotrip The Who no São Paulo Trip - Foto: Flavio Leonel/Roque Reverso
#thewho #saopaulotrip

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 89 outros seguidores

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 550,086 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE