Archive for the 'Suicidal Tendencies' Category

10
mar
17

Suicidal Tendencies volta ao Brasil como atração do Abril Pro Rock e para shows no Rio e em SP

Suicidal Tendencies no Brasil - Reprodução de Cartaz de DivulgaçãoOs fãs brasileiros do Suicidal Tendencies têm novo encontro marcado com a banda norte-americana. Pouco menos de 1 ano depois de passar pelo País, o grupo liderado pelo vocalista Mike Muir e que tem desde 2016 como componente ilustre o baterista Dave Lombardo voltará ao solo nacional para três shows em abril de 2017.

Numa parceria inédita entre os organizadores da plataforma itinerante HonorSounds e do festival Abril Pro Rock, o Suicidal se apresentará no Rio de Janeiro, em Olinda e em São Paulo.

Na capital fluminense, o grupo tocará no dia 27 de abril no Imperator. Na cidade pernambucana, será a atração de peso do dia 28 no tradicional Abril Pro Rock 2017, que será realizado no Classic Hall. Na capital paulista, vai se apresentar no dia 29 de abril no Tropical Butantã.

Os shows no Rio e São Paulo fazem parte do HonorSounds, que costuma trazer grandes nomes do rock pesado e teve recentemente como atração de peso a vinda dos irmãos Cavalera para os shows de 20 anos do álbum “Roots”, do Sepultura.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

18
jul
16

Suicidal Tendencies libera detalhes de disco novo com Lombardo previsto para setembro

Suicidal Tendencies - Reprodução de imagem que anuncia o novo discoO Suicidal Tendencies liberou detalhes do novo álbum que será lançado no segundo semestre de 2016. “World Gone Mad”  é o nome escolhido para o disco.

A data prevista para o lançamento  é o dia 30 de setembro. Haverá, no entanto, um período de pré-venda que começará no dia 5 de agosto.

“World Gone Mad” será o 12º disco de estúdio do Suicidal.

O novo trabalho será também o primeiro com a importante participação do baterista Dave Lombardo, ex-Slayer e considerado um dos maiores nomes do instrumento.

Outros integrantes que gravarão o primeiro disco como membros oficiais do Suicidal são o baixista Ra Díaz e o guitarrista Jeff Pogan.

Lombardo, Díaz e Pogan estiveram com o líder da banda, o vocalista Mike Muir e o guitarrista Dean Pleasants no show único e histórico no Brasil que o Suicidal Tendencies realizou em São Paulo no começo de julho.

Além de definir a data e o nome do novo disco, o Suicidal liberou um trecho de uma das músicas que fará parte do trabalho.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

04
jul
16

Com invasão histórica de palco e Dave Lombardo na bateria, Suicidal Tendencies fez show insano em SP

Suicidal Tendencies em SP - Foto: Divulgação Audio ClubO Suicidal Tendencies voltou a São Paulo no dia 2 de julho e, mais uma vez, trouxe ao público uma apresentação repleta de energia. Com a inédita união em palcos brasileiros com o baterista Dave Lombardo (ex-Slayer) e com uma incrível invasão histórica de palco promovida pelos fãs, a banda norte-americana fez um show insano num Audio Club praticamente lotado.

A expectativa para a apresentação era exatamente de algo além dos já intensos shows da banda. A diferença da noite daquele sábado era justamente a presença de Lombardo na bateria e o clima de festa, incrementado pela abertura do grande grupo brasileiro Ratos de Porão, que apresentou na íntegra o álbum “Anarkophobia”, que completou 25 anos em 2016.

Completavam a escalação do evento a banda Oitão, que tem como vocalista o famoso chef Henrique Fogaça,  e o Tolerância Zero.

Depois dos bons shows de abertura, o Suicidal Tendencies subiu ao palco por volta das 23h30. Com o hit “You Can’t Bring Me Down”, a banda norte-americana já deu o tom de como seria a noite. Repetindo a estratégia “arrasa-quarteirão” de apresentações anteriores no Brasil, os músicos liderados pelo inquieto vocalista Mike Muir simplesmente não pararam de agitar no palco, incentivando ainda mais a movimentação insana do público nas imediatas rodas de mosh na pista.

Aproveitando que “You Can’t Bring Me Down” é um de seus principais sucessos, o Suicidal estendeu a música, que tem originalmente 5 minutos e 50 segundos para algo de cerca de 8 minutos! Para os menos acostumados com os improvisos da banda, a “interminável” execução chegou a dar a impressão de que seria feita em uns 30 minutos 🙂 .

Brincadeiras à parte, foi um belo cartão de visitas e mostrou que, a despeito de promover inúmeras mudanças dos Anos 90 para cá, o Suicidal continua com aquela marca de mesclar peso, energia contagiante e uma alegria que sempre foi uma característica bacana do grupo.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

09
maio
16

Suicidal Tendencies volta ao Brasil em julho para show único em SP com Dave Lombardo e abertura do R.D.P.

Suicidal Tendencies em SP - Cartaz de DivulgaçãoO Suicidal Tendencies voltará ao Brasil em julho para show único em São Paulo. A lendária banda de thrash metal e hardcore retornará ao País com a formação que traz como grande atração o grande baterista Dave Lombardo, ex-Slayer.

A apresentação será realizada no dia 2 de julho do Audio Club, casa bacana localizada na zona oeste da capital paulista.

Vale destacar que não será um simples show do Suicidal, mas uma festa de bandas pesadas. Não bastasse a presença histórica de Lombardo da bateria da banda, o público terá a oportunidade de ver o veterano grupo brasileiro Ratos de Porão executando, na íntegra, o ótimo álbum “Anarkophobia”, de 1991.

Além do Suicidal e do R.D.P., completam a escalação do evento a banda Oitão, que tem como vocalista o famoso chef Henrique Fogaça,  e o Tolerância Zero.

Os ingressos já estão à venda no site da Ticket 360. As entradas inteiras, de primeiro lote, saem por R$ 160,00 (Pista) e R$ 260,00 (Mezanino/Camarote).

Segundo os organizadores do evento, em breve, será possível também comprar os ingresso na Galeria do Rock nas lojas Consulado do Rock e 255.

A presença de Lombardo no Suicidal é um acontecimento. Ele que, para muitos, é o maior baterista do heavy metal, saiu do Slayer em 2013. Na época, o músico discordou de valores pagos pela banda de thrash metal e desagradou o polêmico guitarrista Kerry King.

Em 2015, o baterista chegou a vir ao Brasil com a banda Philm. O Suicidal passou recentemente pelo País em 2012, 2013 e 2014.

Em fevereiro, o grupo norte-americano anunciou a participação de Lombardo na turnê que o Suicidal fez nos Estados Unidos. Depois disso, foi confirmada a permanência numa passagem pela Europa e, agora, pelo Brasil.

No caso do Ratos de Porão, a banda tocará o “Anarkophobia” na íntegra como forma de comemoração dos 25 ano do disco. Quanto ao Oitão, a banda divulga o seu novo álbum “Pobre Povo”. Precisa dizer que é imperdível?

21
fev
16

Dave Lombardo será o baterista do Suicidal Tendencies na nova turnê da banda

Dave Lombardo e Mike Muir, do Suicidal Tendencies - Foto: Divulgação/Pep WilliamsUma notícia bombástica empolgou os fãs do heavy metal neste domingo, dia 21 de fevereiro. Tudo porque o Suicidal Tendencies, lendária banda de thrash metal e hardcore, anunciou oficialmente que o grande Dave Lombardo, ex-Slayer, será o baterista do grupo na nova turnê que deve ser iniciada nos próximos dias nos Estados Unidos.

De acordo com o grupo, Lombardo estará com o Suicidal na turnê que a banda fará com o Megadeth a partir do dia 26 de fevereiro em Las Vegas.

Até o momento, a última data prevista é o dia 21 de março em Boston.

Não há informação alguma se a permanência de Lombardo irá se estender para outras turnês do Suicidal. Mas o simples fato deste grande baterista se juntar a uma banda do quilate do Suicidal dá certa esperança aos fãs da boa e velha música pesada.

O próprio Suicidal, no comunicado oficial, mostrou grande empolgação: “Vocês sabem o que isso significa. Será doentio e brutal!”

Interessante notar que a bateria é um posto muito bem servido no Suicidal, já que Eric Moore vem dando conta do recado há um bom tempo. Sobre Moore, o comunicado não trouxe uma palavra sequer.

Lombardo que, para muitos, é o maior baterista do heavy metal, saiu do Slayer em 2013, justamente num início de turnê. Na época, o músico discordou de valores pagos pela banda de thrash metal e desagradou o polêmico guitarrista Kerry King.

Em 2015, o baterista veio ao Brasil com a banda Philm. O Suicidal passou recentemente pelo País em 2012, 2013 e 2014.

29
ago
14

Suicidal Tendencies anuncia a morte do baixista Tim “Rawbiz” Williams

Tim "Rawbiz" Williams - Foto: DivulgaçãoO Suicidal Tendencies anunciou na quarta-feira, dia 27 de agosto, o falecimento do baixista da banda, Tim “Rawbiz” Williams. A causa da morte não foi divulgada tampouco maiores detalhes sobre o enterro.

Williams participou das gravações e da turnê de divulgação do álbum “13″, lançado no ano passado. Ele esteve com a banda nos shows que o Suicidal realizou no País em 2013 e 2014.

Na apresentação realizada no Clash Club no ano passado, ele foi um dos destaques.

Em nota, o Suicidal Tendencies destacou que Williams era um “monstro no baixo” e que se dedicava ao máximo, mesmo quando seu corpo não estava no melhor estado.

O Suicidal tem uma grande tradição com grandes baixista. Antes de Williams, por exemplo, Steve Brunner chegou a ser também uma das principais figuras do show que o grupo fez no mesmo Clash Club em 2012.

Vale lembrar que Robert Trujillo, excelente baixista atual do Metallica, também fez parte da formação clássica do Suicidal e chegou a tocar com a banda no Monsters of Rock de 1994 no Estádio do Pacaembu.

27
ago
14

20 anos do primeiro festival Monsters of Rock no Brasil

Monsters of Rock 1994 - Cartaz de DivulgaçãoO dia 27 de agosto de 2014 marca os 20 anos do primeiro festival Monsters of Rock no Brasil. Realizado em São Paulo, no Estádio do Pacaembu, nesta mesma data em 1994, o evento foi o primeiro de grande porte somente com bandas de rock pesado a ser realizado na cidade onde heavy metal mais concentra fãs no País.

Na escalação das bandas, quatro eram internacionais e outras quatro eram nacionais.

Entre os grupos gringos, a lista trazia o Suicidal Tendencies com sua formação clássica; o Black Sabbath sem Ozzy Osbourne ou Ronnie James Dio nos vocais, mas com o terrível Tony Martin; o aguardadíssimo Slayer pela primeira vez no Brasil, mas sem Dave Lombardo na bateria; e o não menos esperado KISS, sem máscara, fechando o festival.

Do lado nacional, estavam o então novo Angra, com Andre Matos nos vocais, o Dr. Sin arrebentando, o Viper fazendo sucesso até no Japão e os Raimundos, com o primeiro disco bombando.

As bandas nacionais abriram o Monsters. O primeiro show, do Angra, estava agendado para as 14 horas, mas, já às 11 horas, as filas para entrar no Pacaembu chegavam ao topo do vale que cerca a Praça Charles Muller. Várias pessoas chegaram a dormir na porta do estádio, tamanha a ansiedade para ver aquele evento.

Para os  jovens de hoje que não puderam presenciar aquele festival, o Brasil engatinhava pela primeira vez com uma onda convincente de atrações estrangeiras do heavy metal. Pouco antes do Monsters, em 1993, o Metallica tinha vindo pela segunda vez ao País durante a turnê do estrondoso “Black Album” e o Anthrax havia feito a estreia em palcos brasileiros, assim como o Pantera no auge! No início de 1994, o Hollywood Rock trouxe o Aerosmith e o Sepultura bombando demais com o álbum “Chaos AD”. Na mesma época, o Helmet fez um excelente show no Olympia e o público queria sempre mais!

A despeito de o Rock in Rio, em 1985, ser o pioneiro a trazer bandas esperadíssimas do estilo, repetir a dose em 1991 e a capital paulista ter tido experiências legais com as edições do Hollywood Rock, o Monsters of Rock consolidou um sonho dos amantes do rock pesado na cidade que tinha uma legião de fãs e era berço da Galeria do Rock, da Woodstock, do bar Black Jack e de outros tantos locais que reuniam o público de uma época na qual as “redes sociais” não eram virtuais.

O Plano Real também era novo e parecia, depois de inúmeros planos que deram errado, que iria dar certo, como, de fato, aconteceu logo depois. A consolidação do plano econômico foi fundamental na sequência para que esta onda de atrações gringas se consolidasse anos depois.

O Angra abril o festival e foi seguido pelo Dr. Sin, Viper e Raimundos. Todos os shows das bandas nacionais foram bons e não comprometeram. O destaque foi a apresentação do Dr. Sin, que chegou a levantar o estádio inteiro com sua versão de “Have You Ever Seen the Rain?”, do Creedence Clearwater Revival.

Quanto aos shows internacionais, o Suicidal Tendencies fez uma apresentação impecável e muito animada. “War Inside My Head” foi um dos grandes momentos, com os fãs cantando o famoso refrão do começo ao fim. Vale lembrar que Robert Trujillo, atualmente baixista do Metallica, fazia parte da formação do ST e, para variar, deu um show à parte.

O grupo também contava com os bons guitarristas Mike Clark e Rocky George, além do baterista Jimmy DeGrasso e o elétrico vocalista Mike Muir, único membro atual que permanece no Suicidal.

Na sequência, o Black Sabbath veio com três de seus quatro integrantes clássicos: Tony Iommi (guitarra), Geezer Butler (baixo) e Bill Ward (bateria). Na falta de Ozzy e Dio, quem assumiu os vocais foi o questionável Tony Martin.

É claro que foi bem interessante ver o Sabbath ali de perto, mas a performance de Martin deixou muito a desejar. Quem se lembra dele cantando “Sabbath Bloody Sabbath”, sabe que ele lembrou muito mais Louis Armstrong cantando do que qualquer vocalista que tenha passado pelo grande grupo de heavy metal.

Após o Sabbath, finalmente o Slayer se apresentava num palco brasileiro. Um dos maiores ícones do thrash metal, a banda norte-americana tinha o baterista Paul Bostaph no lugar do mago Dave Lombardo, mas fez um excelente show, com todos os grandes clássicos do grupo.

Este jornalista lembra de ter visto muito marmanjão da velha guarda do heavy metal chorando na fila do gargarejo porque estava vendo o Slayer pela primeira vez. Entre os destaques da apresentação do grupo, “Mandatory Suicide”, “Hell Awaits”, “Postmorten”, “Angel of Death”, “Raining Blood” são só alguns exemplos de faixas que não deixaram a galera recuperar o fôlego.

Depois de assistir a todos os shows nas primeiras fileiras até a apresentação do Slayer (que era a mais esperada por muitos), este jornalista preferiu acompanhar o KISS mais próximo da torre central. Foi uma forma de descansar e, ao mesmo tempo apreciar os efeitos especiais que o grupo norte-americano trouxe para o Pacaembu.

Sem as máscaras tradicionais e com os ótimos Eric Singer (bateria) e Bruce Kulick (guitarra), o que se viu no show do KISS foi uma grande performance, capitaneada por Gene Simmons (baixo e vocal) e Paul Stanley (vocal e guitarra). ““I Love It Loud”,“Deuce”, “Detroit Rock City”, “Lick it Up” e “Creatures of the Night” foram são alguns dos hits históricos tocados. Mas um momento inesquecível foi quando foi tocada “Heaven’s On Fire”, com grande utilização de fogos e efeitos especiais que encantaram o público.

O Monsters of Rock de 1994 terminou por volta das 2 horas da manhã do dia 28 e totalizou cerca de 12 horas de evento. Foi tanto um sucesso que foram realizadas edições em 1995, 1996 e 1998. O bom resultado daquele festival fez com que organizadores acreditassem mais no potencial do público de heavy metal. Não por acaso, até hoje é este o gênero que está entre os que mais contam com atrações internacionais no Brasil.

Para relembrar o Monsters of Rock de 1994, descolamos, é claro, vídeos no YouTube. Para detonar tudo, fique com as apresentações do Suicidal Tendencies, do Black Sabbath, do Slayer e do KISS filmadas pela finada MTV Brasil.




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 87 outros seguidores

maio 2017
D S T Q Q S S
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 521,277 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE