Archive for the 'Judas Priest' Category

12
fev
18

Judas Priest anuncia doença de Parkinson do guitarrista Glenn Tipton, que deixará as turnês

Porta-voz de boas notícias neste início complicado de 2018 para o rock, o Judas Priest não resistiu ao momento crítico do gênero e anunciou que seu lendário guitarrista, Glenn Tipton, está com a doença de Parkinson.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 12 de fevereiro, a banda informou que Tipton convive com a doença há 10 anos, mas que, com a progressão natural, ele deixará de participar das turnês do grupo.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

Anúncios
02
fev
18

Judas Priest libera áudio de faixa que dá nome a novo disco previsto para março

Judas Priest - Foto: DivulgaçãoO Judas Priest divulgou mais uma faixa do novo álbum que será lançado no dia 9 de março. Desta vez, o petardo liberado é nada menos que a música “Firepower”, que dá nome ao disco.

Tal qual a música “Lightning Strike”, divulgada anteriormente por meio de clipe, o sentimento é de empolgação.

Tudo porque é mais uma faixa que remete a grandes momentos da carreira da banda.

Este será o 18º álbum de estúdio do Judas Priest. Sucederá o elogiado “Redeemer of Souls”, que foi lançado em 2014.

Uma novidade importante do disco é o retorno à produção de Tom Allom, que trabalhou em vários álbuns do Judas Priest, como os clássicos “British Steel” (1980) e “Screaming for Vengeance” (1982).

CONTINUE LENDO AQUI!!!

07
jan
18

Judas Priest divulga clipe da pesada ‘Lightning Strike’, música empolgante do novo álbum previsto para março

Judas Priest - Foto: DivulgaçãoO Judas Priest liberou no dia 5 de janeiro o clipe da música “Lightning Strike”. A faixa é a primeira amostra completa do que virá no novo álbum da lendária banda britânica previsto para março.

Com uma levada heavy metal empolgante e que remete a grandes momentos da carreira do grupo, “Lightning Strike” dá grande esperança para os fãs de que algo de qualidade está chegando.

Antes do clipe de “Lightning Strike”, o Judas Priest havia apenas divulgado, em novembro, a capa do disco e um pequeno trecho, de apenas 16 segundos, de uma das faixas, provavelmente a faixa que dá nome ao álbum.

“Firepower” é o nome do novo trabalho de estúdio. Juntamente com o novo clipe, a banda trouxe a data de lançamento do disco: 9 de março.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

30
nov
17

Judas Priest divulga capa e pequeno trecho de faixa de álbum que será lançado em março

 Judas Priest - Reprodução da capa do disco "Firepower"O Judas Priest divulgou a capa do novo álbum que será lançado no primeiro trimestre de 2018. A arte, que pode ser conferida ao lado, relembra alguns traços de algumas capas que marcaram a carreira da banda britânica de heavy metal.

Além da capa, o Judas Priest liberou no YouTube um pequeno trecho, de 16 segundos, de uma das faixas do disco, provavelmente, a que dá nome ao novo disco.

“Firepower” é o nome do álbum, que deve chegar aos fãs em março, sem ainda uma data exata de lançamento.

Este será o 18º disco de estúdio do Judas. Sucederá o elogiado “Redeemer of Souls”, que foi lançado em 2014.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

27
jul
17

Disco do Motörhead com covers sairá em setembro e terá faixas de Bowie, Stones, Metallica, Ramones e outros

Motörhead - Reprodução da capa de "Under Cöver"Lemmy Kilmister deixou seus órfãos do heavy metal em 2015, mas o falecimento de um dos maiores nomes do rock n’ roll não impedirá que mais uma obra do Motörhead seja lançada. Está previsto para setembro o lançamento do disco “Under Cöver”, que trará covers executados pela banda britânica ao longo do tempo de grupos do agrado de Lemmy & Cia.

Entre as bandas e nomes do rock escolhidos estão nada menos que os Rolling Stones, com duas faixas (“Jumpin’ Jack Flash” e “Sympathy for the Devil”); David Bowie, com “Heroes”; Metallica, com “Whiplash”; Ramones, com “Rockaway Beach”; Judas Priest, com “Breaking the Law”; e Sex Pistols, com “God Save the Queen”.

De 2015, a inédita “Heroes”, por sinal, é considerada uma das últimas faixas gravadas pelo trio
do Motörhead formado por Lemmy, Phil Campbell  e Mikkey Dee.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

01
maio
15

Matador, Judas Priest fez os shows com maior qualidade musical do Monsters of Rock

Judas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Monsters of Rock/Ale FrataO Judas Priest voltou a São Paulo e, mais uma vez, deu uma aula de heavy metal aos fãs que estiveram na Arena Anhembi nos dias 25 e 26 de abril para acompanhar o Monsters of Rock 2015. Se o KISS trouxe o maior espetáculo do festival e Ozzy Osbourne promoveu uma verdadeira festa com sua apresentação, a banda britânica captaneada pelo lendário vocalista Rob Halford ficou com a marca de ter trazido os shows com a maior qualidade musical do evento na capital paulista.

O grupo não foi o headliner, como KISS e Ozzy, mas foi a única atração a tocar nos dois dias do evento, como uma espécie de convidado especial do festival. Os repertórios do sábado e do domingo foram quase idênticos, mas quem foi no primeiro dia ganhou cerca de 20 minutos a mais de show porque foi uma forma de os organizadores tentarem compensar o cancelamento da apresentação que o Motörhead faria.

Outra constatação de quem foi aos dois shows é de que, no primeiro dia, o Judas Priest estava melhor postado e um pouco mais animado no palco. Não é que o segundo dia tenha sido ruim, mas houve mais vibração da banda no primeiro. A qualidade sonora de ambos os dias, porém, esteve intacta e mereceu elogios.

Falando nisso, é difícil apontar algum show que o Judas Priest tenha feito em São Paulo e que tenha desagradado. Até mesmo quando o grupo veio sem Rob Halford em 2001, mas contou com o excelente vocalista Tim “Ripper” Owens, o grupo deixou a plateia satisfeita. Em 2011, por exemplo, a banda fez um ótimo show na Arena Anhembi, na primeira vinda do guitarrista Richie Faulkner, substituindo o lendário K.K. Downing, que deixou o grupo.

No Monsters de 2015, Faulkner, ao lado de Halford, foi o grande destaque dos shows do Judas. O jovem músico provou mais uma vez que tem competência para dar conta dos clássicos de uma banda tão importante do heavy metal e ganhou respeito do público.

A passagem do Judas pelo Brasil coincide com a turnê de divulgação do disco “Redeemer of Souls”, lançado em 2014. Foi com uma das músicas do álbum, “Dragonaut”, que as apresentações no Monsters começaram.

Como festival tem que ter clássicos e hits, o Judas Priest não perdeu tempo e mandou “Metal Gods”, do disco “British Steel” (1980) logo como a segunda música dos shows. Importante destacar já nessa canção a condição de voz de Halford.

De maneira diferente de muitos de seus colegas de metal que já passaram dos 60 anos e vem apresentando nítida perda de potência de voz, Halford, com 63, impressionou o público presente com agudos de dar inveja. É certo que, em várias oportunidades, ele usou efeitos sonoros que, muitas vezes, ampliavam o alcance da voz, mas ficou claro que ele continua com uma qualidade incrível nas músicas mais difíceis.

Judas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Joshua BryanJudas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Joshua BryanJudas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Francisco Cepeda/AgnewsJudas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Francisco Cepeda/AgnewsJudas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Francisco Cepeda/AgnewsJudas Priest no Monsters of Rock - Foto: Divulgação Midiorama/Francisco Cepeda/Agnews

Depois de “Devil”s Child”, do disco “Screaming for Vengeance”, de 1982, foi a vez de o Judas Priest trazer nada menos que a música “Victim Of Changes”. Tal qual em outras passagens da banda pelo Brasil, a longa canção do ótimo álbum “Sad Wings of Destiny”, de 1976, fez o público ficar hipnotizado não somente com os agudos do vocalista, mas também com os solos marcantes de Glenn Tipton e Richie Faulkner.

Se é possível uma crítica negativa aos shows do Judas, teria sido ainda melhor do que foi, se o grupo tivesse usado o imenso telão central para mostrar a apresentação, como fez integralmente Ozzy Osbourne e parcialmente o KISS. Em vez disso, Halford & Cia preferiram usar o telão para a reprodução de vários efeitos visuais, até interessantes, assim como mostrar as várias capas de álbuns da carreira da banda.

“Halls of Valhalla”, também do disco novo, agradou bastante e findou a sequência das cinco primeiras músicas idênticas usadas nas duas apresentações do Monsters. Depois disso, o dia 25 contou com a quadra formada por “Love Bites”, a contagiante “Turbo Lover”, a nova “Redeemer of Souls” e “Jawbreaker”, do “Defenders of the Faith”, de 1984. O dia 26, por sua vez, contou com “March of the Damned”, também do novo disco, “Turbo Lover”, “Redeemer of Souls” e  “Jawbreaker”.

As duas últimas da primeira parte de ambos os dias foram simplesmente “Breaking the Law” e “Hell Bent for Leather”, dois grandes hits que valem o ingresso de qualquer show do Judas Priest. Na primeira, o público cantou junto do começo ao fim um dos maiores clássicos da história não só do heavy metal, mas também de todo o rock. Na segunda, foi a vez de Halford manter a tradição de ingressar no palco com sua belíssima moto, para delírio dos fãs presentes.

No bis do primeiro dia, mais clássicos poderosos, inicialmente com a dobradinha “The Hellion/Electric Eye”, além de “You”ve Got Another Thing Comin”” e a poderosíssima “Painkiller”. No bis do segundo dia, “You”ve Got Another Thing Comin””, que teve 10 minutos de duração no primeiro dia e contou com solo extenso de Faulkner, não foi tocada, sobrando apenas as outras duas.

“Painkiller” foi melhor executada no primeiro dia. No segundo, a banda esteve bem, mas Halford pareceu sofrer para cantá-la, a ponto de participar da parte final da música quase deitado no palco, tentando alcançar as notas mais exigentes.

A dobradinha “The Hellion/Electric Eye” forma um hino obrigatório em qualquer show da banda. Vale lembrar as sempre importantes participações do baixista fundador Ian Hill e do excelente baterista Scott Travis, cujas batidas marcadas dos bumbos geravam um impacto marcante por toda a Arena Anhembi.

Para fechar ambas as apresentações, o Judas Priest trouxe a tradicional “Living After Midnight”, que deu o tom de fim de festa dos shows. Mais uma vez, o público cantou junto e o sentimento final foi de ter presenciado um grande concerto de rock de uma grande lenda do heavy metal.

Ao longo das décadas, o estilo sempre foi motivo de preconceito, piadas e ridicularização por parte de gente de nariz empinado da música ou fora dela que sempre enxergou, de uma maneira errada e hipócrita, o metal como um gênero de adolescentes ou de jovens rebeldes radicais e retardados. Grande expoente do heavy metal, o Judas Priest é uma das maiores provas de que o estilo é capaz de trazer bandas extremamente profissionais, com grande qualidade técnica musical e com conteúdo para apresentar. Vida longa a Rob Halford & Cia e ao bom e velho metal!

Para relembrar os ótimos shows do Judas Priest no Monsters of Rock 2015, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Fique inicialmente com “Victim of Changes”. Depois, veja “Breaking the Law”, “Hell Bent for Leather” e a dobradinha “The Hellion/Electric Eye”. Para fechar, fique com “You”ve Got Another Thing Comin””.

Set list do dia 25                                                                                               

Dragonaut
Metal Gods
Devil”s Child
Victim of Changes
Halls of Valhalla
Love Bites
Turbo Lover
Redeemer of Souls
Jawbreaker
Breaking the Law
Hell Bent for Leather

The Hellion/Electric Eye
You”ve Got Another Thing Comin”
Painkiller

Living After Midnight

Set list do dia 26

Dragonaut
Metal Gods
Devil”s Child
Victim of Changes
Halls of Valhalla
March of the Damned
Turbo Lover
Redeemer of Souls
Jawbreaker
Breaking the Law
Hell Bent for Leather

The Hellion/Electric Eye
Painkiller
Living After Midnight

27
abr
15

Monsters teve cancelamento do Motörhead, festa de Ozzy, Judas Priest matador e KISS apoteótico

Montagem MonstersA edição de 2015 do Monsters of Rock chegou ao fim no domingo, dia 26 de abril, e deve ter deixado a maioria dos fãs que estiveram na Arena Anhembi satisfeitos, a despeito de contratempos relacionados à organização, segurança e detalhes que sempre podem ser ajustados nos próximos eventos. Entre os momentos que serão lembrados no futuro, destaque para o cancelamento surpreendente do Motörhead, a festa do rock pesado promovida por Ozzy Osbourne, dois shows matadores em dois dias consecutivos do Judas Priest e a apresentação apoteótica do KISS.

Além destes eventos proporcionados pelos maiores medalhões do festival, outros bons shows chamaram a atenção do público, como os do Accept, do Unisonic, do Primal Fear, sem contar outros momentos marcantes gerados pelo Manowar e até pelo Steel Panther, cuja apresentação foi marcada pelo topless de algumas fãs.

De longe, o maior ponto negativo do festival foi a ausência de transmissão pela TV ou pela internet. Como já dissemos anteriormente aqui neste Roque Reverso, quem perdeu com esta mancada foram o rock e aquele fã que não conseguiu estar em São Paulo para prestigiar o grande festival. Nas redes sociais, a reclamação sobre este problema foi uma das que mais apareceu, ainda mais com os preços salgados que sobraram para quem não conseguiu comprar os primeiros lotes de ingressos.

Em relação à organização, as reclamações maiores se concentraram principalmente no primeiro dia de festival. Com uma única entrada para o público, filas enormes se formaram em volta do Anhembi. Houve casos de pessoas que demoraram duas horas esperando para entrar e que perderam os shows que desejavam assistir. No segundo dia, este problema não ficou escancarado e, perto do horário das apresentações mais importantes, à noite, foi possível chegar com certa rapidez no local.

Furtos também foram observados na Arena Anhembi, especialmente de celulares. Outro ponto que mereceu reclamação foi o preço de alimentação e bebida. Cerveja a R$ 10,00, a latinha, é um desrespeito.

De volta à parte que interessa, os headliners fizeram bons shows. A despeito da idade que bate à porta de Ozzy e do KISS, ambas as atrações acabaram justificando a condição de nomes principais do evento. O eterno vocalista do Black Sabbath mantém um carisma que continua arrastando uma legião de fãs para os shows. Enquanto isso, o KISS sabe como poucos transformar os shows em experiências sensacionais que permanecerão para sempre nas mentes dos participantes.

Outra escolha bem sacada foi colocar o Judas Priest para tocar nos dois dias. A banda de Rob Halford & Cia repetiu a tradição de grandes shows no Brasil e, musicalmente, foi a melhor do festival. Falando em música, o som do Monsters também merece elogios, pois estava nítido e num volume ideal em vários dos pontos da lotada pista.

A decepção do Monsters entre as bandas foi o cancelamento do Motörhead. Com o líder Lemmy Kilmister apresentando um sério distúrbio gástrico, seguido de uma forte desidratação, a alternativa foi a desistência da banda. Os demais integrantes do grupo chegaram a fazer um show improvisado com membros do Sepultura, mas a insatisfação e tristeza foi geral no Anhembi. O pior de tudo é que, com a saúde cada vez mais fraca de Lemmy, nada indica que o Motörhead retornará ao Brasil no curto prazo.

O fã do Judas Priest que foi no sábado acabou ganhando, com o problema de Lemmy, um repertório mais extenso. Assim foi possível ver a banda de Rob Halford num show maior do que os que geralmente são observados em festivais.

O evento de 2015 não superou as edições históricas que foram realizadas na década de 90 no Estádio do Pacaembu, tampouco o festival de 1998 na pista de atletismo do Ibirapuera. Em relação ao Monsters de 2013, contudo, o de 2015 parece ter ficado mais encorpado, com os dois dias bem distribuídos e com uma quantidade de público que, sem a menor dúvida superou a capacidade oficial do Anhembi, de cerca de 35 mil pessoas

Nos próximos dias, o Roque Reverso trará resenhas de alguns dos shows do Monsters of Rock. Além dos textos, serão descolados vídeos legais no YouTube e fotos oficiais. Fiquem ligados!

Como aperitivo dos shows do Monsters, o Roque Reverso trouxe alguns vídeos do YouTube. Fique inicialmente com Ozzy e banda executando “War Pigs”, do Black Sabbath. Depois, veja o Judas Priest tocando “Electric Eyes”. Veja ainda o KISS com “Rock and Roll All Nite” e o Accept com “Balls To The Wall”.




Anúncios
Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Feliz 2018 para todos que curtem o bom e velho rock n' roll!!
#roquereverso

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 91 outros seguidores

fevereiro 2018
D S T Q Q S S
« jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE