19
dez
22

No primeiro Knotfest Brasil, Judas Priest reina, Slipknot sacia vontade de público gigante e reunião do Pantera empolga fãs

A cidade de São Paulo foi palco de uma grande festa do rock pesado no domingo, 18 de dezembro. Na primeira e super aguardada edição do Knotfest Brasil, o público que esgotou os ingressos disputados disponíveis para desfrutar a experiência idealizada pelo grupo norte-americano Slipknot viveu grandes e marcantes momentos, especialmente pela qualidade dos shows, que eram o ponto central do festival, a despeito das demais atrações além da música.

No evento, que teve duração de longas 12 horas, os destaques ficaram com as atrações mais aguardadas: o lendário grupo Judas Priest reinou soberano e mostrou que, apesar dos mais de 50 anos de carreira, tem ainda muito a proporcionar para fãs novos e antigos; o Slipknot, como headliner e curador, saciou a vontade do público gigante presente; e a reunião de homenagem ao Pantera empolgou quem esperou décadas para ver algo real da banda ao vivo.

Conforme a organização do festival, o público total do evento foi de 45 mil pessoas, apesar de a sensação de quem esteve presente fosse de algo superior a algo em torno de 60 mil pessoas, num verdadeiro mar de gente no gigante Sambódromo do Anhembi.

No mesmo espaço do Knotfest Brasil, foi possível verificar a convivência pacífica e harmoniosa de públicos que tinham diferenças não somente na idade, mas também em relação ao estilo musical.

Havia no local senhores já de barba branca presentes para ver o lendário Judas Priest, mas também garotas saídas recentemente da adolescência para ver, por exemplo, o grupo britânico Bring Me the Horizon.

Também foi possível transitar sem problemas desde o groove metal do Pantera, até o som menos denso do próprio BMTH, o thrash metal do Sepultura, passando pelo hardcore do grupo brasileiro Oitão e chegando até o som misturado do Mr. Bungle do sempre alucinado e ótimo Mike Patton.

Acertos e erros

Quem acompanha o Roque Reverso há mais de uma década, sabe que este veículo de imprensa, como manda o bom Jornalismo, não tem medo algum de colocar dedos nas feridas. Aqui são feitos elogios quando há motivos para isso e críticas quando há detalhes que não podem passar sem citação.

Jornalismo não é fazer assessoria de imprensa para banda ou evento, tampouco propaganda de marketing com elogios com medo de ficar em listas de “personas não gratas” de assessorias de imprensa. Portanto, críticas são importantes para até melhorar futuras edições de um festival que se mostrou, em sua maior parte, com muito mais pontos positivos do que negativos.

Entre os pontos negativos não pode jamais passar batido o fato de os organizadores terem escolhido um dia de final de Copa do Mundo para realizar o evento. Se há um evento no qual é possível saber com antecedência as datas de realização, este evento é a competição esportiva mais importante do planeta.

Poucos dias antes do festival, ainda havia dúvida sobre os horários, já que não era possível saber se a Seleção Brasileira estaria na final. Os organizadores escaparam de uma grande enrascada, já que, se o Brasil estivesse na final da Copa, fatalmente shows não seriam realizados no horário da final e, com o grande número de bandas participantes, seria necessário um desafio de logística para encaixá-las num menor espaço de horário.

Com o Brasil de fora da final, ficou mais fácil para a elaboração da grade de horários, mas, mesmo assim, foi grande o número de pessoas que chegou no Sambódromo do Anhembi após o término da disputa entre Argentina e França, que foi considerada por muitos como a melhor final de Copa dos últimos anos. Um telão grande foi instalado para que o jogo fosse visto, mas quem gosta de futebol sabe que nem sempre é possível apreciar uma partida com a mesma atenção quando se sabe que uma banda boa, como o Trivium, está tocando. Muitos perguntavam se não haveria condições de o festival ter sido no sábado, o que facilitaria até mesmo para a maioria dos fãs trabalhadores que precisavam levantar cedo para trabalhar na segunda-feira.

Perto das 16 horas, já praticamente no meio do festival e logo após o encerramento da Copa, havia filas gigantes para entrar no Sambódromo do Anhembi. Foi, na verdade, uma repetição do que aconteceu no início do festival, já que, quando a banda brasileira Black Pantera começou sua apresentação (pouco depois das 11 horas), as filas para entrar eram enormes, fazendo com que muitas pessoas perdessem não somente o começo do show como a apresentação inteira.

A ideia de 12 horas consecutivas de shows é bacana e bastante usada em todos os grandes centros do planeta, mas uma solução para dar mais espaço entre os horários dos shows e evitar correrias entre os palcos seria a divisão do evento em dois dias. Outros pensaram na ideia já bastante usada no Brasil de um palco ao lado do outro, mas, neste caso, a disposição do Sambódromo, em linha reta, impediria uma acomodação do grande número de pessoas.

Houve quem reclamasse da distância entre os dois palcos, mas, neste caso, há exemplos de caminhada bem maior em festivais paulistanos, como é o caso do Lollapalooza, no Autódromo de Interlagos. Talvez, para o formato do Knotfest, o circuito automobilístico cairia como uma luva, proporcionando não apenas novas grades de horário como até novos palcos.

Erros à parte, vale muito aqui citar um gigantesco acerto do Knotfest Brasil: o som durante os shows. Fato indispensável para uma boa apresentação de rock pesado, foi sensacional ouvir as bandas nitidamente e com um som alto. No show do Judas Priest, por exemplo, as pancadas podiam ser sentidas no corpo em várias partes da Pista, além de o som ser bem ouvido por todo o espaço.

Outro elogio vai para a ausência da famigerada Pista Vip. No Knotfest, este detalhe evitou que fãs de carteirinha ficassem longe do palco. Com isso, a participação do público foi quente na maior parte dos shows, sem aquela sensação de fã turista de Pista Vip, que muitas vezes deixa alguns shows mornos na frente, enquanto as rodas de “mosh raiz” acontecem na Pista Comum.

No mais, as atrações foram bem escolhidas e a mesclagem de bandas distintas agradou a maior parte do público.

Judas Priest soberano

O Judas Priest já é figurinha carimbada em shows no Brasil. Desde que veio ao Rock in Rio de 1991, o grupo britânico retornou diversas vezes ao País, tendo São Paulo como grande local de shows. Os anos passam, o Judas Priest já passou dos 50 anos de carreira, mas, como um bom vinho, sempre traz boas apresentações.

Com o vocalista Rob Halford comandando o show como se fosse um culto ao heavy metal, o grupo deu no Knotfest Brasil mais uma aula de como é uma verdadeira apresentação da vertente mais pesada do rock.

Com clássicos de várias épocas da carreira, o Judas trouxe mais um show digno e com um som, como já foi dito mais acima, poderoso e impactante, como manda o bom e velho heavy metal.

Com o som alto do Judas, é quase impossível encontrar alguma pessoa que esteve perto do palco que não tenha saído com o ouvido “diferente” após a apresentação.

Outro detalhe que não pode passar sem ser citado: a produção recheada de detalhes do palco. Desde o início grandioso com “The Hellion/Electric Eye” até a entrada já no bis de Rob Halford com sua famosa moto em “Hell Bent for Leather”, tudo ali explica o que é o Judas Priest e o próprio heavy metal. Uma verdadeira aula do estilo que é seguida por outras bandas até os dias de hoje.

Quanto aos clássicos, além dos já citados, não podem e não ficaram de fora hits históricos, como “You’ve Got Another Thing Comin'”, “Metal Gods”, “Painkiller”, “Breaking the Law” e “Living After Midnight”, esta última a faixa final da apresentação.

O set list foi idêntico ao executado pelo Judas Priest dias antes em apresentação também na capital paulista na casa de shows Vibra São Paulo. Mas houve quem dissesse que o show do Knotfest Brasil foi melhor justamente por causa do som alto, que foi algo muito marcante e que, se fosse verificado num local fechado, explodiria a casa de shows.

Pantera pesado e empolgante

Momento bastante aguardado tanto por quem era favorável quanto por quem não aceitava a ideia, a reunião em homenagem ao Pantera foi, goste ou não, um dos grandes momentos do Knotfest Brasil. Com apenas o vocalista, Phil Anselmo como componente da formação clássica da banda, já que o baixista Rex Brown pegou covid-19 e foi obrigado a deixar a turnê sul-americana, o grupo que se apresentou em São Paulo conseguiu deixar um “sabor importante” de Pantera na boca dos fãs presentes.

Com som ótimo e peso na medida certa, o show foi capaz de trazer uma homenagem digna à banda que colocou o heavy metal de cabeça para baixo nos Anos 1990.

Sim, não há possibilidade de comparação como o que São Paulo presenciou em 1995 e principalmente em 1993, quando a passagem avassaladora que o Pantera realizou no saudoso Olympia entrou para os grandes momentos dos shows de rock no Brasil.

Os irmãos falecidos Dimebag Darrell e Vinnie Paul não voltarão mais e isso é ponto que faz qualquer tipo de tentativa de montagem jamais ser chamada de Pantera. Mas como bem disse o jornalista Renato Alves, do site Metal Station, na resenha do show realizado dias antes no Vibra São Paulo, não foram colocados para substituí-los dois “Zé Manés”.

Para os lugares dos irmãos foram escolhidos, respectivamente, nada menos que o guitarrista Zakk Wylde e o baterista Charlie Benante, do Anthrax. Quem conhece a história desses sujeitos sabe muito bem da seriedade de ambos e, principalmente, da categoria de cada um.

No show no Knotfest Brasil, o que foi visto foi muita seriedade e competência dos músicos. Derek Engemann, da banda Cattle Decapitation, também substituiu muito bem Rex Brown e facilitou as coisas para Phil Anselmo, que, obviamente, mostrou que continua sendo um grande frontman.

A despeito das declarações horrendas e abomináveis, além de posturas que fez no passado, não há o que discutir sobre a performance musical de Anselmo. Desde as vindas dele ao Brasil recentemente com o Down, já foi possível constatar que a qualidade vocal do sujeito ainda é gigantesca.

Durante o show no Knotfest Brasil, Anselmo comandou a plateia do jeito que quis e confirmou o vocal de qualidade. Tudo isso somado à performance de alta categoria dos demais músicos resultou num grande show de homenagem ao Pantera.

Estavam ali diversos clássicos do heavy metal. Desde a abertura com “A New Level” e “Mouth for War”, passando por faixas como “Becoming”, “I’m Broken” e “5 Minutes Alone”, além de “This Love” e “Fucking Hostile”, tudo ali deu o sabor de Pantera que o público precisava.

As melhores performances ficariam ainda para o final, com os fãs animadíssimos e participativos com “Walk” e a banda impecável no fim com “Cowboys From Hell”. Um show de alta qualidade e que, sem dúvida, ficou na memória dos fãs.

Slipknot sacia a vontade dos fãs

Quem vai uma vez ao show do Slipknot sempre tenta voltar de novo. É aquela sensação parecida com algumas de perigo na vida, como um salto de paraquedas, que o indivíduo muitas vezes precisa sentir a emoção novamente.

No Knotfest Brasil, o Slipknot era o headliner e isso já era um atrativo. Com mais um show elogiável, o grupo norte-americano entregou o que o gigantesco público buscava.

O mar de gente na Pista durante o show do Slipknot chegava até a assustar. Não era possível se locomover facilmente com todo aquele espaço entupido de gente.

Desde sua criação em 2009, o Roque Reverso já havia feito a cobertura de três vindas do grupo ao Brasil.

A primeira e de experiência mais espetacular, foi a do show que o Slipknot realizou no Rock in Rio de 2011, quando tocou na Noite do Metal com o headliner Metallica e o grande Motörhead e deixou o Brasil inteiro impressionado com a apresentação mais brutal, insana e perturbadora daquele festival.

A segunda cobertura do Roque Reverso foi o grande show que o grupo realizou no Monster of Rock de 2013 em São Paulo.

A terceira cobertura do Roque Reverso foi a vinda, em 2015, da banda para ser headliner do Rock in Rio de 2015 e para mais um show em São Paulo, desta vez sem ser num festival, em mais uma apresentação marcante na Arena Anhembi.

De antemão este veículo já avisa que a apresentação de 2011 no Rock in Rio jamais será igualada novamente. Eram outros tempos, aquele show representou um momento histórico da banda para 100 mil pessoas num dos maiores festivais do planeta e ainda havia o saudoso Joey Jordison na bateria.

Longe de dizer que o atual baterista Jay Weinberg não seja competente. Ele foi um dos pontos altos do show. Mas ainda assim a presença ou não de Jordison é algo que só quem já viu ao vivo sabe o que significa.

Quem sempre dividiu com Jordison as atenções continua firme e forte no Slipknot. O sensacional vocalista Corey Taylor tem uma capacidade de comandar a plateia que é algo fora do comum. Se, no Rock in Rio de 2011, esta capacidade até assustou este jornalista, no Knotfest, ele apenas colocou em prática o que tem de melhor.

Com muitos hits da carreira no set list, o Slipknot fez mais uma vez bonito. Obviamente, “Before I Forget”, “Psychosocial” e “Duality” foram pontos altos da apresentação que ficaram na mente de quem esteve no evento.

“Spit It Out” e seu momento apoteótico, com o público sendo orientado por Taylor a se ajoelhar e pular, também é daqueles momentos de fazer quem não conhece o Slipknot de boca aberta.

“Surfacing” fechou o show com alta classe. Mas não há como não sentir falta da bateria giratória de Jordison. Quem viu pela primeira vez sempre quer novamente, do mesmo jeito que assistir inúmeras vezes a uma apresentação do Slipknot.

No geral, a banda fez mais um show de categoria, condizente com a condição de curador e headliner do festival.

Mr. Bungle e Sepultura

Com três integrantes com participação grandiosa na história do rock pesado, o Mr. Bungle trouxe seu rock experimental ao Knotfest Brasil. Tendo o líder Mike Patton, do Faith No More, nos vocais, além do guitarrista Scott Ian, do Anthrax, e o baterista Dave Lombardo, ex-Slayer e atualmente do Testament, o projeto de Patton mesclou músicas próprias com covers de clássico do metal.

Complementaram o Mr. Bungle o guitarrista Trey Spruance e o baixista Trevor Dunn, membros clássicos da banda e companheiros de Patton no projeto desde 1985.

É preciso dizer que, a despeito desta reunião clássica de gigantes do metal no projeto Mr. Bungle, o “cara” do show foi Mike Patton? De 10 entre 10 participações deste sujeito em qualquer show, a tendência é que ele se torne o centro das atenções por causa da sua imensa capacidade como frontman e também em função de seu carisma.

No Knofest Brasil não foi diferente e, mais do que tudo, foi muito importante ver Patton bem, já que ele passou por problemas sérios de saúde mental com a pandemia de covid-19 que fizeram o Faith No More cancelar shows em 2021 e mantiveram a banda fora de turnês durante 2022.

A simples constatação de que Patton continua a figura incrível de sempre nos palcos foi a melhor coisa do show do Mr. Bungle em São Paulo, com o vocalista esbanjando talento, simpatia e suas peripécias de sempre.

No mesmo show, o público acabou vendo desde faixas do Mr. Bungle até covers do Slayer (“Hell Awaits”) e do S.O.D. (“Speak English or Die” – que ganhou o refrão adaptado de “Speak Portuguese or Die”), passando por uma interpretação à capela de Patton do clássico da música latino-americana “Gracias a la vida”, de Violeta Parra, que ficou pra sempre marcado na voz da lendária Mercedes Sosa.

Outra cover de respeito do show do Mr. Bungle foi nada menos que “Territory”, do Sepultura, que contou com participação dos membros da banda brasileira Derrick Green (vocal) e Andreas Kisser (guitarra).

Eles haviam tocado minutos antes no show do próprio Sepultura, que trouxe um set list resumido com músicas importantes de boa parte da longa carreira, como “Refuse/Resist”, “Dead Embryonic Cells” e “Roots Blood Roots”, que fechou a apresentação.

Destaque também para a participação no show do Sepultura de convidados ilustres que tocaram com suas respectivas bandas no Knotfest Brasil. Scott Ian, do Anthrax/Mr. Bungle, tocou em “Cut-Throat”; Matt Heafy, do Trivium, tocou em “Slave New World”; e Phil Anselmo cantou em “Arise”.

Bring Me the Horizon e o carisma do vocalista

Atração menos pesada do Knotfest Brasil, o grupo britânico Bring Me the Horizon fez a festa dos fãs presentes no Sambódromo do Anhembi. Justamente por ter um som menos denso que os demais participantes do festival, já havia uma certa expectativa de dispersão maior do público durante o show da banda do Reino Unido.

Foi o que aconteceu especialmente com fãs dos grupos mais pesados e do heavy metal. Muita gente aproveitou o show do Bring Me the Horizon para descansar, se alimentar e para conhecer as atrações além da música que o Knotfest Brasil oferecia.

Enquanto isso, no palco, o vocalista do Bring Me the Horizon, Oliver Sykes, esbanjava carisma e gerava uma verdadeira catarse especialmente entre o público feminino.

Além de se sentirem realizados com a execução de canções aguardadas do grupo, os fãs mais próximos tiveram a oportunidade de chegar mais perto de Sykes quando ele desceu do palco e se moveu para a zona de segurança da Pista, ampliando a catarse da plateia presente.

Vended, Trivium e bandas brasileiras

Escalados para tocar no horário mais ingrato do festival, os grupos gringos Vended e Trivium, além das bandas brasileiras Project46, Oitão, Jimmy & Rats e Black Pantera foram parcialmente prejudicados em audiência tanto pelo período mais cedo dos shows e pelo calor da virada da manhã para a tarde, como pela final da Copa do Mundo, que certamente tirou muita gente da plateia, especialmente nas apresentações do Trivium e do Vended.

Das bandas mencionadas, mereceu destaque nas conversas do público presente no Knotfest Brasil e nas redes sociais a apresentação do Vended, que tem nos vocais o filho do vocalista do Slipknot, Corey Taylor.

Uma seleção com o set list de todos os shows do Knotfest Brasil pode ser conferida neste link. O Roque Reverso ainda descolou alguns vídeos de shows do grande no YouTube, alguns deles feitos por nós. Fique abaixo com alguns deles para ter noção de quanto foi feliz o fã que presenciou o festival.

No primeiro Knotfest Brasil, Judas Priest reina, Slipknot sacia vontade de público gigante e reunião do Pantera empolga fãs

Flavio Leonel/Roque Reverso


2 Respostas to “No primeiro Knotfest Brasil, Judas Priest reina, Slipknot sacia vontade de público gigante e reunião do Pantera empolga fãs”


  1. 1 Diego Braga
    21 de dezembro de 2022 às 18:12

    Como sempre, uma belíssima análise do evento.
    Como sempre, nos encontramos de maneira despretensiosa no meio da multidão.
    Como sempre, voltei para casa sentindo dores.hahaha

    Judas Priest magnífico! Que som! Que banda! Que presença!
    Pantera foi bem legal! Concordo com tudo o que você disse acima” E foi bem legal ver Charlie na batera e Zack na guitarra. Valeu cada pontada nas costas que senti após o show.hahaha
    Foi a 5a vez que vi Slipknot ao vivo. Gostem ou não, os caras entregam um espetáculo! Não foi como o show de 2011 no Rock in Rio. Mas foi um belíssimo show!

    Fechamos 2022 em grande estilo! Que venha 2023!


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 101 outros assinantes
dezembro 2022
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias

Follow Roque Reverso << on WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: