22
jun
19

‘Houses of the Holy’: a malícia está nos olhos de quem vê

A notícia da semana no mundo do rock extrapolou o bom senso. A rede social Facebook baniu publicações contendo a capa do clássico álbum “Houses of the Holy”, do Led Zeppelin, pela delirante razão de apologia à pedofilia. A empresa voltou atrás alguns dias depois, mas quando isso aconteceu diversos usuários relataram terem sido banidos de postar na rede social por terem compartilhado a publicação, que teve como origem a página Ultimate Classic Rock, com mais de 1 milhão de seguidores.

Para quem não conhece, ou não se lembra, a capa de “Houses of the Holy” traz uma montagem fotográfica na qual duas crianças nuas sobem a chamada Calçada dos Gigantes, uma deslumbrante formação rochosa natural situada na Irlanda do Norte, sob um céu alaranjado.

Trata-se certamente de uma das capas mais emblemáticas da história do rock, digna de um dos melhores discos gravados pelo Led Zeppelin.

Clássicos como “Over the Hills and Far Away”, “D’yer M’aker” a “The Rain Song” fazem parte deste álbum.

Seria bem melhor falar do disco. Mas quem se importa com cultura e música de altíssima qualidade em tempos de emburrecimento em escala global? Os imbecis finalmente chegaram ao poder e ainda vão rosnar muito antes de largarem o osso.

Depois de alguma comoção, numa resposta bastante constrangedora aos administradores da página, um porta-voz do Facebook reiterou que a rede social “não permite imagens de crianças nuas”, mas “sabe se tratar de uma imagem culturalmente significativa”. Algo do tipo, “fiquem tranquilos, a culpa foi do algoritmo, não temos nada a ver com isso”.

O algoritmo que bane uma imagem icônica – não foi a primeira e provavelmente não será a última – é o mesmo que deixa passar notícias falsas, mensagens disseminando ódio e intolerância, além de imagens e vídeos violentos e grotescos, muitas vezes envolvendo crianças, idosos e animais.

Podemos concluir, portanto, que o algoritmo deriva do trabalho de programadores idiotizados, entregando seu conhecimento em troca de um salário enquanto a empresa para a qual trabalham consegue colocar em prática os mais impensáveis elementos distópicos de “1984” e “Admirável Mundo Novo”: uma sociedade vigiada e mentalmente dopada enquanto seus acionistas faturam bilhões manipulando ideias e comportamentos.

Nos últimos anos, por exemplo, o Facebook e o WhatsApp – também pertencente à empresa de Mark Zuckerberg – foram fundamentais para manipulações eleitorais que resultaram em aberrações como o Brexit, as revoluções coloridas e Jair Bolsonaro. Se você acredita que os imigrantes são o maior problema da atualidade, ao lado do kit gay, da mamadeira de piroca e da doutrinação comunista nas escolas, sorria: a culpa é do algoritmo – e da sua falta de senso crítico.

E se você consegue ver apologia à pedofilia na capa de “Houses of the Holy”, procure um terapeuta. A malícia está nos olhos de quem vê.


5 Responses to “‘Houses of the Holy’: a malícia está nos olhos de quem vê”


  1. 1 Francisco Carlos de Assis
    22 de junho de 2019 às 23:42

    Há uns dez anos ouvi alguém dizendo que as profissões de psicolólogos e psiquiatras eram as que mais se mostravam promissoras na década à frente. Hoje, vendo coisas como esse banimento da capa do album “Houses of the Holy”, do Led Zeppelin, do Facebook consigo compreender a dimensão do alcance daquela frase. Parabéns, Ricardo Gozzi. Seu texto foi cirúrgico. A malícia está nos olhos de quem vê.

  2. 23 de junho de 2019 às 12:41

    Sempre bom ver o Ricardo de volta aos textos!
    Essas sacadas são muito importantes, ainda mais nos tempos atuais!
    Parabéns, velho!

  3. 3 demetriuscarvalhoblah
    24 de junho de 2019 às 21:32

    Posso estar enganado… Ouvi isso ainda nos anos 80 sem internet e os tais algoritmos mas cresci sabendo que essas crianças eram inclusive filhos dos membros da banda. Um disco fenomenal por acaso. Uma pena termos que discutir uma banalidade dessa…

  4. 4 francisco carlos Ferreira
    26 de junho de 2019 às 13:43

    Putaquipariu Ricardo que texto maravilhoso. Que tempos são estes heim meu camarada. É muita merda por todo lado. Como diriam os de antigamente: “vá catar lata”. Um super abraço e feliz por esta sua escrita.


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 100 outros seguidores

junho 2019
D S T Q Q S S
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias


%d blogueiros gostam disto: