Posts Tagged ‘Cliff Burton

25
ago
18

30 anos do ‘…And Justice For All’, o álbum mais complexo do Metallica e o primeiro sem Cliff Burton

...And Justice For All - Reprodução da capa2018 marca o aniversário de 30 anos do clássico álbum “…And Justice For All”, o quarto do Metallica. O disco foi lançado oficialmente no segundo semestre de 1988 e marcou o retorno da banda ao lançamento de um LP completo de estúdio após o sucesso estrondoso do álbum “Master of Puppets” e a traumática e trágica morte do grande baixista Cliff Burton, ambos ocorridos em 1986.

Musicalmente, “…And Justice For All” é o disco mais complexo e elaborado do Metallica. Com canções longas, variações de andamento, viradas repentinas e inesperadas de ritmo, riffs diversos e distintos dentro de uma mesma faixa e uma performance fenomenal dos músicos, o álbum é componente obrigatório para qualquer fã do Metallica, de thrash metal ou
que simplesmente admira a boa música.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

27
set
16

30 anos sem Cliff Burton, o eterno baixista do Metallica

Cliff Burton - Foto: Divulgação Metallica/ Ross Halfin PhotographyO dia 27 de setembro de 2016 marca os 30 anos da morte de Cliff Burton. Neste mesmo dia, no já longínquo ano de 1986, o então baixista do Metallica perdeu a vida num acidente de ônibus que levava a banda de thrash metal durante turnê pela Suécia do aclamado álbum “Master of Puppets”.

O grupo seguia para a cidade de Estocolmo durante a madrugada da fatídica data. Logo no início da manhã, perto do município sueco de Ljungby, o ônibus, de acordo com o motorista, derrapou no gelo acumulado na pista e capotou.

Com o movimento, Cliff Burton, que dormia num dos beliches do ônibus, foi arremessado pela janela. A tragédia foi completada com o ônibus virando em cima do corpo do baixista, evitando qualquer tipo de chance de sobrevivência.

O músico foi a única pessoa que morreu no acidente. Uma comovente história contada pelo guitarrista Kirk Hammett lembra que Cliff estava no melhor beliche do ônibus e que o baixista conquistou este lugar numa disputa de cartas na qual ele tirou um Ás de espadas.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

03
mar
16

30 anos do ‘Master of Puppets’, o álbum mais clássico do Metallica e o último com Cliff Burton

"Master of Puppets" - Reprodução da CapaO dia 3 de março de 2016 marca o aniversário de 30 anos do álbum “Master of Puppets”, o terceiro do Metallica. Considerado como uma das maiores referências de todo o heavy metal, o disco é o mais clássico da banda norte-americana de thrash metal e o último com a presença do grande baixista Cliff Burton, morto no mesmo ano, em 27 de setembro, na Suécia, após um trágico acidente sofrido pelo ônibus do grupo durante a turnê de divulgação do mesmo álbum.

“Master of Puppets” disputa com “Reign in Blood”, do Slayer, o posto de maior disco da história do thrash metal. Com sonoridades diferentes, mas com elementos clássicos da vertente rápida e agressiva do heavy metal, ambos os álbuns foram lançados em 1986 e influenciaram toda uma geração de músicos, fãs e críticos musicais.

No caso do álbum do Metallica, ele levou definitivamente a banda ao seleto grupo dos maiores conjuntos musicais do heavy metal, ao lado de nomes como o Iron Maiden, o Judas Priest e o Motörhead. Para alguns, superou parte destas bandas e passou a dividir o reinado de todo o metal com o Iron Maiden, o grupo mais emblemático de todo o estilo.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

27
jul
14

30 anos do álbum ‘Ride the Lightning’, o segundo do Metallica

Ride The Lightning - Reprodução da Capa27 de julho de 2014 marca os 30 anos do disco “Ride the Lightning”, o segundo do Metallica. O álbum, que sucedeu o petardo “Kill ‘Em All”, é considerado um dos melhores da banda de thrash metal norte-americana e é obra imprescindível para os amantes desta vertente do heavy metal.

Há três décadas, se alguém esperava que o Metallica poderia entrar para o hall dos grupos de um álbum só,  “Ride the Lightning” não apenas serviu para afastar esta possibilidade como também foi importante para mostrar que a banda tinha muito mais a oferecer do que tocar brilhantemente na velocidade da luz.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

03
ago
13

James Hetfield faz 50 anos e mantém seu reinado metallico

James Hetfield, vocalista e guitarrista do Metallica, completa 50 anos de idade neste dia 3 de agosto de 2013. Mesmo com esta idade teoricamente avançada para os padrões do thrash metal, o líder de uma das maiores bandas do rock atual segue firme e surpreendendo muita gente com uma energia de causar inveja a muito músico bem mais novo.

Para quem viu o Metallica sair do nicho exclusivo do heavy metal para se transformar numa das maiores bandas de rock da história, não atrelar grande parte do sucesso do grupo a este incansável sujeito é praticamente uma heresia.

É certo que o outro líder do Metallica, o baterista Lars Ulrich, tem praticamente parcela igual de responsabilidade na escalada da banda, mas há algo de diferente em Hetfield quando o lado musical é o assunto.

Enquanto Lars sempre foi o cara de grandes sacadas e de visão de negócios do grupo, Hetfield sempre foi o responsável pela criação da maior parte das melodias e riffs que marcaram a história do Metallica.

Se Kirk Hammett tem um talento indiscutível nos solos de guitarra, James Hetfield, sem sombra de dúvida, está entre os maiores guitarristas-base da história.

Só para citar grandes nomes de sua geração, talvez apenas Scott Ian, seja tão bom quanto o representante do Metallica. O detalhe é que o próprio líder do Anthrax já classificou Hetfield como “deus do metal”, coisa que pode parecer exagerada para alguns, mas compreensiva para quem viveu o estilo intensamente.

Para muitos garotos adolescentes das diversas gerações atingidas pelo Metallica desde 1981, James Hetfield é tudo aquilo que jovens com a inquietude própria da idade desejam ser: tem carisma, atitude, a mulherada curte e, sobretudo, toca numa das bandas mais fantásticas da história.

A imagem de Hetfield como “o cara” chegou a ser momentaneamente ofuscada durante as gravações do contestado álbum “St. Anger”, de 2013. Na ocasião, passando por problemas sérios com o alcoolismo que quase acabaram com o Metallica, o guitarrista mostrou um lado sincero de fraqueza que era inimaginável para os fãs do grupo.

No excelente documentário “Some Kind of Monster”, de 2004, é possível assistir a esse momento delicado da vida de Hetfield, mas também pode ser visto o momento da virada do Metallica, quando o baixista Robert Trujillo entrou na banda e foi fundamental para dar ânimo aos demais colegas para prosseguir e voltar novamente ao topo do heavy metal.

Para celebrar os 50 anos de Hetfield, o Roque Reverso descolou três vídeos de três fases distintas do Metallica. Fique inicialmente com um de “Seek & Destroy” gravado no Metal Hammer Festival da Alemanha, em 1985, quando Cliff Burton ainda estava vivo. Na sequência, assista à banda executando “…And Justice For All”, na turnê do álbum do mesmo nome, em 1989, captado no DVD “Live Shit: Binge & Purge”, com Jason Newsted. Para fechar, o vídeo de “The Four Horsemen”, do DVD “Quebec Magnetic”, de 2009, com a formação atual.

25
jul
13

30 anos do álbum “Kill ‘Em All”, o primeiro do Metallica

Kill 'Em All25 de julho de 2013 marca uma data de grande importância para rock. Há 30 anos, o Metallica lançava o seu primeiro álbum, o ótimo  “Kill ‘Em All”, que mudou o heavy metal e trouxe para os fãs uma nova vertente mais agressiva e rápida do estilo: o thrash metal.

Numa época na qual o hard rock e o próprio heavy metal, especialmente nos Estados Unidos, estavam sendo dominados por bandas maquiadas demais e com cabelos mais espalhafatosos do que o normal, quatro caras que ainda tinham o rosto com as espinhas do final da adolescência deram uma verdadeira chacoalhada na cena oitentista.

Suas letras, de maneira diferente da que era vista no cenário do hard rock norte-americano, não focavam mulheres gostosas, carros e festas.

Traziam uma certa revolta adolescente que tinha como base sonora um heavy metal tocado na velocidade da luz, sem deixar uma certa técnica de lado.

Com o  “Kill ‘Em All”, o Metallica trazia para o público uma cena criativa que bombava na Bay Area de São Francisco com uma série de bandas que consolidariam, ao lado do grupo precursor, o thrash metal. Exodus, Testament, Forbidden, Vio-lence e Death Angel foram alguns dos nomes que se beneficiariam daquele disco e que também seriam reconhecidos pela imprensa especializada.

Para concretizar a gravação do disco, porém, nada foi tão fácil para a banda. Numa época na qual a internet não existia, tudo era menos prático do que os dias de hoje.

A própria criação do grupo foi inusitada para os padrões de hoje, já que, ainda em Los Angeles, em 1981, James Hetfield respondeu a um anúncio que o baterista dinamarquês Lars Ulrich havia colocado no jornal local. Lars queria formar uma banda, colocando em prática suas influências, entre elas o Deep Purple, o Iron Maiden e o Diamond Head. James, que, além do metal, também tinha influência musical vinda do punk, juntou-se então ao cara que seria seu companheiro de grupo até os dias de hoje.

Pouco mais tarde, outro anúncio de jornal recrutou outro guitarrista: nada menos que Dave Mustaine, que possuía um equipamento invejável para a época e tinha um conhecimento musical também nada desprezível. Para o baixo, Ron McGovney foi o escolhido, mas não ficaria muito tempo.

Tudo porque, após gravarem uma fita demo denominada “No Life ´Til Leather” e fazer certo sucesso na cena underground, Ulrich e Hetfield assistiram, em 1982, a um show da banda Trauma, que contava com um baixista que os impressionou absurdamente: simplesmente o grande Cliff Burton.

Engajados na aquisição de Burton, Hetfield, Lars e Mustaine descartam McGovney e seguiram as exigências do talentoso baixista, que fez todos se mudarem para São Francisco.

Com alguns shows e encrencas arranjadas por Mustaine, que bebia além do suportável, Lars e Hetfield tomaram a decisão de mandar embora aquele que pouco mais tarde fundaria nada menos que o Megadeth, outro gigante do thrash. Para o lugar do guitarrista, Kirk Hammett, do Exodus, foi recrutado e a formação definitiva para a gravação do álbum foi consolidada.

Ajudados pelo promotor Johnny “Z” Zazula, que viu talento no grupo e decidiu montar a própria gravadora, a Megaforce Records, os músicos finalmente lançaram o  “Kill ‘Em All”. A ideia de nome inicial era “Metal Up Your Ass”, mas houve um consenso de que tal título era “um pouco” ofensivo demais.

Para quem gosta de thrash metal, é impossível achar alguma música ruim no disco. “Hit the Lights”, The Four Horsemen, “Motorbreath” e “Jump in the Fire” são verdadeiros petardos sonoros que fazem tudo tremer. A pérola instrumental “(Anesthesia) Pulling Teeth” traz o baixo de Cliff Burton num dos maiores momentos do músico e é apenas um momento de menor intensidade até a chegada de “Whiplash”, que fechava o então Lado A com a agressividade de poucas canções.

O Lado B não deixa o peso e a velocidade caírem. “Phantom Lord” e “No Remorse” obrigam a cabeça a se movimentar intensamente. “Seek & Destroy” é um ultraclássico do thrash e a última, “Metal Militia”, era uma mensagem para os desavisados de que o Metallica estava chegando para ficar, e por um longo tempo, no cenário musical.

A banda sempre mudaria nos discos seguintes, com a introdução de partes mais melódicas e mais técnica, mas “Kill ‘Em All” foi o álbum que apresentou uma vertente nova do heavy metal para o mundo.

Para celebrar o grande disco, o Roque Reverso descolou clipes no YouTube. Fique com vídeos super amadores de shows da banda em 1983, tocando “No Remorse”, “Seek & Destroy” e “Hit the Lights”, estes dois últimos ainda com Dave Mustaine.

09
jun
13

Metallica faz show surpresa nos EUA e toca álbum de estreia ‘Kill ‘Em All’ na íntegra

O Metallica surpreendeu os fãs no sábado, dia 8 de junho, em Detroit, nos Estados Unidos. A banda norte-americana de thrash metal tocou simplesmente seu álbum de estreia “Kill ‘Em All” na íntegra durante uma apresentação no palco secundário do Orion Music + More, festival que é organizado pelo próprio grupo, mas que não tinha show agendado com James Hetfield & Cia para a data citada.

A surpresa começou a se formar depois que foi espalhada a notícia de que um desconhecido grupo chamado Dehaan tocaria no horário das 16h30 no evento. No Instagram, o próprio James Hetfield já havia postado uma foto, dizendo que a tal banda era algo imperdível.

Para os mais antenados com as notícias da banda, Dehaan coincidentemente é o sobrenome do ator (Dane DeHaan) que fará um dos personagens mais importantes do filme em formato 3D que o Metallica lançará em setembro deste ano: o “Metallica  Through the Never”.

No filme, o ator faz o papel de um jovem membro da equipe de apoio da banda. Ele é enviado para uma missão urgente, enquanto o grupo está tocando um show ao vivo.

Para os felizardos que estavam presentes no festival no horário anunciado para o Dehaan, James Hetfield apareceu do nada no palco e iniciou o show, num ambiente muito mais modesto do que o normal para apresentações do Metallica, ao lado do restante da banda.

No dia seguinte, cumprindo dessa vez o cronograma oficial do Orion Music + More e sem surpresas, a maior banda do cenário do heavy metal do planeta subiu novamente ao palco e trouxe um set list em linha com o que vem sendo tocado nos seus shows mais recentes.

Roque Reverso descolou no YouTube este grande momento da execução do “Kill ‘Em All” na íntegra. Veja abaixo um vídeo que captou nada menos que as cinco primeiras músicas do disco tocadas ao vivo: “Hit the Lights”, “The Four Horsemen”, “Motorbreath”, “Jump in the Fire” e a instrumental”(Anesthesia) Pulling Teeth”, com o baixista Robert Trujillo, numa responsabilidade imensa de repetir o que o mito Cliff Burton fazia com maestria.

27
mar
12

Livro com biografia do Metallica é lançado no Brasil

A Editora Globo lançou no Brasil o livro “Metallica – A Biografia”. Escrito pelo jornalista Mick Wall, que acompanha a banda norte-americana desde seu início, o livro promete trazer todas as fases do grupo que é considerado atualmente o maior do heavy metal de todos os tempos.

Do nascimento do thrash metal ao sucesso absoluto que rompeu as barreira do gênero – passando pela dolorosa perda do falecido baixista Cliff Burton, além da disputa do Napster, problemas com drogas e álcool, a gravação de discos menos pesados que desagradaram vários fãs e o renascimento com o disco “Death Magnetic” – a públicação tenta passar um pente fino na carreira do Metallica.

Britânico, Mick Wall é jornalista especializado em música. Ex-editor da revista Classic Rock, também colaborou para a Mojo, The Times e outras publicações ao redor do mundo. Apresentou programas na Sky TV, Radio 1 e Capital Radio, e apareceu em documentários sobre música na BBC.

Em mais de 30 anos de carreira, entrevistou as principais bandas e artistas do rock internacional. É autor, por exemplo, de “Led Zeppelin: Quando os Gigantes Caminhavam sobre a Terra”.

O livro tem 472 páginas e o preço sugerido é de R$ 49,00. Nas empresas que vendem produtos pela internet, é possível, no entanto, comprar a publicação por um preço menor.

30
set
11

Metallica fez show empolgante, trouxe set list impecável e escreveu de vez seu nome na história do Rock in Rio

Atração mais esperada do primeiro fim de semana do Rock in Rio 2011, o Metallica correspondeu às expectativas e conseguiu realizar no domingo, dia 25 de setembro, um show extremamente empolgante na capital fluminense, onde não tocava desde 1999. A banda norte-americana de thrash metal trouxe um set list impecável recheado de clássicos para mais de 100 mil pessoas, mostrou energia digna dos velhos tempos e escreveu definitivamente seu nome com letras gigantes na história do festival.

Sem a menor sombra de dúvida, foi um dos maiores shows já vistos em solo brasileiro, ao lado de outras apresentações espetaculares observadas em edições anteriores do próprio Rock in Rio, como as do AC/DC, do Iron Maiden e do Queen, todas no longínquo ano de 1985.

O Roque Reverso presenciou mais uma vez ao vivo a apresentação do Metallica, que há anos sonhava em participar de uma edição do Rock in Rio em seu lugar original. Desde os primeiros acordes, a emoção dos músicos da banda era evidente e eles pareciam querer dizer: “Este festival de 2011 é nosso e ninguém vai nos superar.”

Numa noite que teve o grande Motörhead como uma das bandas de abertura no Palco Principal, a ameaça maior ao império do Metallica veio da sensacional e brutal apresentação feita pelo Slipknot, que conseguiu hipnotizar a plateia como poucos grupos haviam conseguido no Brasil em festivais. Após o show do grupo mascarado, pipocaram perguntas na plateia que colocavam em dúvida o poder do Metallica para fazer uma apresentação ainda mais marcante.
O primeiro sinal já veio durante os testes de intrumentos, quando, na primeira pancada da bateria, o público tomou um grande susto com a altura daquilo, que mais parecia uma explosão de uma pequena bomba.

Resenha RIRTestes encerrados, as luzes se apagaram e começou a tradicional introdução de “The Ecstasy of Gold”, de Ennio Moricone, acompanhada de imagens no telão do filme “Três Homens em Conflito”, de Sérgio Leone.

Foi quando as primeiras batidas de “Creeping Death” enlouqueceram o público que começou a cantar já na introdução da ótima música do álbum “Ride the Lightning”.

Se o som do Rock in Rio já surpreendia pela qualidade, atingiu níveis impressionantes a partir daquele momento, num volume bem maior do que o observado nos shows anteriores. Para deixar tudo ainda melhor, James Hetfield (vocal e guitarra), Lars Ulrich (bateria), Kirk Hammett (guitarra) e Robert Trujillo (baixo) vieram ao palco com a faca nos dentes, para mostrar que quem mandava no pedaço era o Metallica. O público, por sua vez, fazia o seu papel e cantava a plenos pulmões, dando também um espetáculo à parte.

Sem deixar a plateia respirar, Trujillo tirou de seu baixo os primeiros acordes distorcidos de “For Whom The Bell Tolls”, do mesmo álbum clássico da banda. Figura que trouxe um espírito de renovação ao grupo, o baixista mostrou que continua estraçalhando em seu instrumento, enquanto James, Lars e Kirk davam continuidade ao ótimo show, que teria na sequência a música “Fuel”, do álbum “Reload”, acompanhada de labaredas imensas que esquentaram toda a região próxima ao palco.

James Hetfield parecia uma criança e não fazia questão alguma de esconder o sentimento de satisfação por estar diante de 100 mil pessoas no maior festival do planeta. Ao término de “Fuel”, ele aproveitou para iniciar sua primeira conversa mais longa com o público presente. “Vocês estão se sentindo bem?”, perguntou, enquanto trocava sua lendária guitarra branca por uma preta. “Eu estou me sentindo melhor”, disse, para, na sequência, o grupo iniciar a música  “Ride the Lightning”, que fez todos delirarem.

A próxima música foi a eternamente bela “Fade to Black”, que representou o quarto sucesso do dia do mesmo álbum “Ride the Lightning”, para alegria de todos os fãs mais antigos. Foi no final desta canção que James cometeu um erro incrivelmente pouco comum, já que esqueceu de ativar a distorção para a guitarra, deixando o instrumento momentâneamente com um som sem impacto.

Aquele não seria o único erro do vocalista e guitarrista durante o show e isso surpreendeu muita gente, pois James Hetfield, considerado um dos maiores ícones da história do metal, sempre teve desempenho impecável nas apresentações. Ele tomou um susto e retomou rapidamente com as condições normais de peso para, depois, tirar humildemente sarro de si próprio, provando que até os perfeccionistas,como ele, também cometem suas gafes.

Na sequência, James disse impressionado que o público estava cantando as músicas num volume muito alto, mas que, para ele, tudo estava ok, já que quanto mais alto, melhor. Acrescentou que aquela era a melhor noite do festival por causa das boas bandas presentes e que se sentia honrado em tocar com elas, especialmente com o padrinho do heavy metal Lemmy, do Motörhead. Nem é preciso dizer que o público veio abaixo com tamanha simpatia e humildade do líder do Metallica, nada menos que o headliner da noite.

A passagem do Metallica pelo Rio ainda fazia parte da turnê de divulgação do álbum “Death Magnetic”. E, para este detalhe importante não ficar de fora, o grupo trouxe uma dobradinha com duas boas músicas do disco: “Cyanide”, que contou com ótima participação do público, e “All Nightmare Long”, a mais pesada do disco, que não deixou a energia do show cair e abriu caminho para um grande hit do grupo: “Sad But True”, do clássico “Black Album”, que foi cantada do início ao fim pela plateia.

Voltando um pouco no tempo, o Metallica trouxe ao show duas músicas do excelente álbum “Master of Puppets”. A primeira foi a sempre emocionante “Welcome Home (Sanitarium)”, que, como poucas, consegue intercalar perfeitamente o peso e a característica melodiosa do grupo. A segunda foi um dos grandes momentos da apresentação, nada menos que a instrumental “Orion”, tão pouco tocada em shows durante toda a carreira da banda.

Hipnotizado, o público viu James apresentar a banda, Lars Ulrich iniciar a música e Robert Trujillo dar uma aula em seu baixo, lembrando os acordes históricos construídos pelo falecido e saudoso baixista Cliff Burton, que jamais saiu da mente dos fãs mais antigos do Metallica e que é um dos responsáveis por toda a técnica marcante que o grupo consolidou em 30 anos de carreira. Quem estava na Cidade do Rock, com certeza, jamais esquecerá aquele momento, um verdadeiro sonho realizado por este que vos escreve.

Após James Hetfield dedicar a música a Cliff Burton e receber a aprovação imediata da plateia, o Metallica saiu brevemente do palco, que ficou completamente na escuridão. Foi quando o barulho de helicópteros e bombas começou a dominar o local, acompanhado por explosões e fogos. Era a megaclássica “One”, executada com maestria pelo grupo, que emendou logo em seguida outra que não pode ficar de fora do set list: “Master of Puppets”, música que trouxe a banda afiadíssima, especialmente na dobradinha de guitarras de James e Kirk.

A sequência do show ainda abriria espaço para mais uma música do ótimo álbum “…And Justice for All”. James trocou sua guitarra e trouxe novamente a clássica de cor branca para tocar nada menos que a sensacional “Blackened”, que contou com mais uma aula de thrash metal da banda e labaredas enormes que fizeram aumentar a temperatura de toda a área próxima ao palco.

Com o jogo mais do que ganho, o Metallica trouxe em seguida dois de seus maiores hits, ambos do “Black Album”. O primeiro, depois de uma introdução solo de Kirk Hammett, foi “Nothing Else Matters”. Foi a música mais leve de todo o show, mas fez 1oo mil headbangers cantarem uma balada numa única voz.

Depois, foi a vez de “Enter Sandman”, que manteve a tradição recente de ser a música cantada com mais empolgação pela plateia nos shows do Metallica. Você pode até questionar se ela foi o ponto de partida para a banda tomar um rumo mais comercial, mas jamais poderá questionar a qualidade do riff marcante criado por Kirk Hammett.

A banda encerrou o show, foi aplaudida por todos e deixou o palco. É claro que todos sabíamos que faltava mais coisa para tocar. O público, por sua vez, só gritava sem parar as três simples palavras: “Seek and Destroy, Seek an Destroy, Seek and Destroy.”

Mas era o momento do show reservado para covers. O sonho de grande parte dos presentes era ver o Metallica tocando uma música do Motörhead, na companhia de Lemmy. Este sonho não se concretizou, mas a banda presenteou os fãs com simplesmente “Am I Evil?”, do Diamond Head, que também não era tocada no Brasil há muito tempo, desde a primeira passagem do grupo por aqui, em 1989!

Não bastasse o grande presente com a grande música, o Metallica tirou do baú outro megaclássico que surpreendeu muitos fãs: “Whiplash”, do primeiro álbum “Kill ‘ Em All”, que não era tocada no Brasil desde que a banda veio a São Paulo em 1993, pela turnê do “Black Album”.

Terminada a paulada sonora, James brincou com a plateia, fazendo um gesto de que era hora de dormir e ir embora. Para aumentar ainda mais a ansiedade, ele fingiu que daria a guitarra ao rodie e deixaria o palco, mas seguiu os apelos da galera e anunciou “Seek & Destroy”. Foi quando grandes bolas de plástico pretas foram jogadas para o público e o Metallica executou seu clássico eterno com perfeição, com direito a todas as luzes da Cidade do Rock acesas, a pedido de James.

Hotel Urbano

Com esta música chegava ao fim mais uma grande apresentação do Metallica no Brasil. A banda ainda demorou um bom tempo para deixar o palco, já que fez questão de agradecer o carinho do público brasileiro e ainda distribuiu palhetas e baquetas para quem estava mais próximo, na fila do gargarejo. De presente, a banda ganhou de um grupo de fãs uma enorme bandeira branca que tinha um desenho em homenagem a Cliff Burton, cuja data de morte faz 25 anos em 2011.

Foi, sem a menor dúvida, o melhor show do Rock in Rio e, ao lado das demais apresentações da Noite do Metal, conseguiu honrar o nome do festival, tão criticado pelo número reduzido de atrações ligadas ao rock. Tecnicamente, a apresentação ainda ficou ligeiramente atrás da realizada em São Paulo, no ano passado, no dia 30 de janeiro. Mas, quando o assunto é set list, vibração e espetáculo, o show na capital fluminense não ficou devendo nada e, para muitos, foi o melhor do Metallica em solo brasileiro em toda a história.

Com o passar dos dias, as imagens daquela noite ainda não saíram totalmente da mente deste que vos escreve. Não há como cravar com certeza absoluta que esta foi a melhor performance do Metallica por aqui, mas, sem a menor dúvida, é possível dizer que a apresentação no Rock in Rio jamais será esquecida por quem esteve lá ou por quem assistiu ao show pela TV. Definitivamente, o grupo de thrash metal de James, Lars, Kirk e Rob escreveu seu nome na história do festival e se juntou a outros grandes nomes que passaram por ali.

Para reviver o grande show do Metallica no Rock in Rio, o Roque Reverso descolou uma série de vídeos no YouTube. Abaixo, você pode ver a abertura, com “The Ecstasy of Gold” e “Creeping Death” e outros vídeos, como os de “For Whom the Bell Tolls” e “Ride the Lightning”, além de um vídeo que traz o momento mágico com “Orion”. Também temos o bis do show, cortado pela Rede Globo: um vídeo com “Am I Evil?” e “Whiplash” e outro com o final apoteótico de “Seek & Destroy”. Se você deseja ver as mais de duas horas de show na íntegra, há no mesmo YouTube esta opção neste link ou no último vídeo deste post. Simplesmente inesquecível! Mega Fucking Great!

Set list

Creeping Death
For Whom the Bell Tolls
Fuel
Ride the Lightning
Fade to Black
Cyanide
All Nightmare Long
Sad But True
Welcome Home (Sanitarium)
Orion
One
Master of Puppets
Blackened
Nothing Else Matters
Enter Sandman

Am I Evil?
Whiplash
Seek & Destroy

27
jan
10

As 10 mais do Metallica

Depois daquelas listas feitas pelo Roque Reverso com as “10 Mais” do AC/DC na semana do show dos australianos no Morumbi, chegou a vez deste blog elaborar mais um Top 10 bastante apropriado para o momento de espera para os shows que o Metallica realizará no Brasil nesta semana.

Mais uma vez, a missão para este blogueiro é bastante ingrata, pois o Metallica é minha banda preferida e muitas injustiças poderiam ser cometidas com algumas músicas prediletas.

Também há um detalhe bem importante para qualquer fã das bandas de heavy metal, já que somos muito detalhistas neste quesito, sendo muitas vezes classificados como chatos e radicais com o nosso fanatismo. Quantas vezes não escutei um fã de Metallica, Slayer, Black Sabbath ou Iron Maiden dizendo que sua música preferida é aquela que quase ninguém conhece…

Para sair deste problema e para compensar a ausência do “sumido” (em férias) Ricardo , achei a solução de criar um Top 10 para as que eu considero as melhores do Metallica, levando em conta o sucesso entre os fãs do metal e do rock, a qualidade da música e a importância da mesma para a consagração da banda dentro do estilo e fora dele; e um Top 10 para as minhas preferidas, com todo aquela chatice necessária.

Mesmo com esta alternativa, senti falta nas duas listas de muitos clássicos do Metallica, como “Hit the Lights”, “Battery”, “The Thing That Should Not Be” e “Ride the Lightning”. Note, leitor, que as duas primeiras do Top 10 de Preferidas são instrumentais e tem o dedo do saudoso baixista Cliff Burton, que foi muito importante para moldar a musicalidade do Metallica. O mesmo ranking tem também muitas músicas do álbum “…And Justice for All”, preferido deste blogueiro.

Vejam os dois Top 10 que montei e fiquem à vontade para criticar:

Top 10 Melhores

 1 – One

2 – Master of Puppets

3 – Creeping Death

4 – Seek & Destroy

5 – Enter Sandman

6 – Fade to Black

7 – Welcome Home (Sanitarium)

8 – For Whom the Bell Tolls

9 – Blackened

10 – Fight Fire With Fire

Top 10 Preferidas

1 – To Live is to Die

2 – Orion

3 – Eye of the Beholder

4 – One

5 – Master of Puppets

6 – Fade to Black

7 – Disposable Heroes

8 – Creeping Death

9 – The Four Horsemen

10 – Blackened

E pra você, leitor, quais são as dez mais do Metallica?




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se aos outros seguidores de 104

julho 2020
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias

Follow Roque Reverso << on WordPress.com