13
jul
17

Dia do Rock: sempre há o que comemorar

GiF com montagem feita com fotos clássicas do RockPor Marcelo Moreira, do Blog Combate Rock

De um lado, o veterano astro, já milionário (ou nem tanto), brada contra o “roubo” de sua arte e se nega a fazer novo trabalho autoral, preferindo a comodidade dos royalties de hits antigos, rotos e desgastados – mas ainda lucrativos.

Do outro, o moleque sonhador que junta os trocados suados ganhos em botecos aqui e ali, louco para entrar em um estúdio “meia boca”, mas barato, para gravar três músicas próprias para um EP, que será divulgado gratuitamente nas rede sociais, ou distribuídos em pen drives de bar em bar ou na rua, quem sabe no metrô.

No meio dos dois mundos a anos-luz de distância está um vácuo que a modernidade e a tecnologia ainda não conseguem preencher em um tempo em que a arte e a cultura perderam o status de “bens intangíveis”. Arte e cultura ficaram muito baratas e, por consequência, descartáveis e menosprezadas. Existe futuro nessas atividades?

Essa é a pergunta que muitos artistas vêm fazendo há alguns anos, especialmente os músicos: se a arte ficou de graça, existe algum sentido artístico em produzi-la de forma diletante?

Por incrível que pareça, os roqueiros brasileiros recorrem a um chavão invertido de John Lennon para responder e ir em frente: “O sonho não acabou e vamos em frente”

Boa parte dos que ainda empunham guitarras, baixos e baterias questionam se há alguma coisa a comemorar neste 13 de julho, Dia Internacional do Rock.

À crise do mercado musical se juntou uma crise brava no Brasil e, de certa forma, problemas persistentes nas economias de países europeus. Vale a pena investir dinheiro em estúdio, produção, ensaios, mídia física e distribuição para ver seu trabalho consumido de graça e sem a devida valorização?

“Eu sou músico, vivo disso e tudo o que consegui veio por meio da música”, diz o baterista Ivan Busic, ex-Dr. Sin atual banda Busic. “As coisas estão difíceis? Na verdade, nunca foram fáceis no rock, e não sei se serão algum dia. Mas eu aposto em mim, na minha banda e na minha música. Ainda tem gente que valoriza bastante o que faço e a arte em geral. Só tenho que agradecer e seguir em frente. Adoro tudo isso.”

Vale a pena compor música para um público que se relaciona de modo diferente com o rock hoje em dia, tratando os trabalhos de forma descartável e sem apreço?

“Fui criado ouvindo música e sonhando com os palcos, vendo meus ídolos transformarem música em paixão, em algo quase indescritível”, afirma outro baterista, Amílcar Christófaro, da banda de metal Torture Squad.

Para ele, o ato de criar é indissociável do artista e do ser humano. “Minha banda gravou oito CDs, quase todos lançados no exterior também. As coisas já foram melhores, mas também já foram piores. Compor músicas é a motivação maior de um músico de ver o seu trabalho apreciado de alguma maneira. Não se trata só de legado, mas de necessidade interna de produzir e de admirar o próprio trabalho.”

Os dois fazem parte de um time recheado de idealistas e abnegados que acreditam que a arte ainda faz diferença na vida das pessoas e que ajuda a melhorar o dia de cada um de nós, e o rock é a ponta de lança dessa atividade.

Fazer rock hoje é um ato de rebeldia, assim como fazer arte. De volta ao gueto e com uma áurea cada vez mais reforçada de atividade marginal, o rock chega à meia-idade em busca de novos horizontes e outras perspectivas.

Em 1967 surgiu o psicodelismo como tábua de salvação; dez anos depois, veio o punk para quebrar tudo, chacoalhar e dar início a uma nova dinâmica; em 1987 foi a vez do thrash metal e da música extrema levarem o rock a romper limites e outras barreiras e disseminar o lado obscuro e sombrio da música; dez anos depois e o chamado new metal criou uma nova estética para atrair novos ouvintes e resgatar o espírito rebelde e jovem do gênero; já em 2007 o rock parecia esgotado, exaurido, clamando por um novo movimento que pudesse revitalizar e rejuvenescer o combalido sessentão.

O ciclo vem se repetindo com frequência, e o rock continua aí, menos vigoroso, mas com muito fôlego, apesar de muitos continuarem a decretar a morte do gênero. Sendo assim, cabe a pergunta de sempre: quem é que vai “salvar” o rock dessa vez, em pleno 2017?

Anúncios

0 Responses to “Dia do Rock: sempre há o que comemorar”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Documentário 'Sepultura Endurance' teve sua estreia geral ao público no dia 15 de junho e tem neste dia 19 exibição marcada para o Cine SESC, em São Paulo, pelo In-Edit Brasil, às 21h30.
Veja a resenha do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/15/documentario-sepultura-endurance-mostra-saga-da-banda-brasileira-e-resistencia-apos-separacao-historica/
#roquereverso #sepultura #ineditbrasil #sepulturaendurance #cinesesc Já viu os preços para o show do U2 em São Paulo?
Veja os detalhes no texto do Roque Reverso aqui:
https://roquereverso.com/2017/06/08/ingressos-de-pista-comum-para-show-do-u2-em-sp-da-turne-de-30-anos-do-the-joshua-tree-custam-r-500/
#roquereverso #u2 #estadiodomorumbi #u2thejoshuatree2017 O "Sgt. Peppers" fez 50 anos e o Roque Reverso fez uma resenha bacana.
Confira aqui:
https://roquereverso.com/2017/05/30/50-anos-do-disco-sgt-peppers-lonely-hearts-club-band-um-dos-maiores-da-historia-e-simbolo-de-uma-geracao/
#roquereverso #beatles #paulmccartney #ringostarr #johnlennon #georgeharrison Nosso texto sobre a enorme perda de Kid Vinil:
https://roquereverso.com/2017/05/19/rock-nacional-de-luto-com-a-morte-de-kid-vinil-um-dos-maiores-embaixadores-do-estilo-no-pais/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #kidvinil Nosso texto sobre a enorme perda de Chris Cornell:
https://roquereverso.com/2017/05/18/rock-chora-a-morte-de-chris-cornell-vocalista-do-soundgarden-e-do-audioslave/
Foto: Divulgação Facebook
#roquereverso #chriscornell #soundgarden #audioslave Resenha do Roque Reverso sobre o grande show do Prophets of Rage no Maximus Festival!!!
https://roquereverso.com/2017/05/16/com-fora-temer-e-show-variado-no-maximus-festival-prophets-of-rage-mantem-legado-do-rage-against/
#roquereverso #maximusfestival #prophetsofrage #tomorello

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 88 outros seguidores

julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 530,982 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: