06
dez
15

50 anos do clássico álbum ‘Rubber Soul’, dos Beatles

Rubber Soul - Reprodução da capaPor Roberto Carlos dos Santos*

“Rubber Soul”, um dos álbuns mais criativos e emblemáticos dos Beatles, comemorou 50 anos de lançamento nos primeiros dias de dezembro de 2015. Dono da quinta posição na lista dos 500 maiores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone, “Rubber Soul” marca uma mudança na trajetória dos Beatles, traduzida na sofisticação das letras e melodias das canções.

O sexto álbum do grupo britânico foi lançado no dia 3 de dezembro de 1965. Incorporava elementos de R&B, pop, soul music e música psicodélica e revelava os Fab Four em uma marcante evolução artística e emocional – e cada vez mais consolidados no controle de sua produção musical.

No outono de 1965, os Beatles gozaram seis semanas de férias coletivas, algo raro até então na trajetória do grupo. Com o álbum “Help” mantendo as musicas do conjunto nas rádios, John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr puderam fazer uma pausa no trabalho. Em 12 de outubro, porém, a EMI marcou o dia para o início da gravação de um novo LP. A data foi escolhida para que houvesse novos produtos dos Beatles nas festas de final de ano. As gravações se encerraram no dia 15 de novembro de 1965.

De acordo com o cronograma, Paul e John teriam que criar uma dúzia de novas canções em pouco mais de duas semanas, uma tarefa que parecia impossível até mesmo para eles. Apenas “Wait”, que não havia sido aproveitada em “Help”, estava pronta. Descansada e com a criatividade em alta, a dupla iniciou suas composições e as musicas foram brotando, inovadoras e revolucionárias.

Um exemplo é “Norwegian Wood”, na qual John – à época casado com Cynthia Lennon – relata um relacionamento adulto extraconjugal, onde a mulher parece estar no controle. Melancólica, a canção contou com a participação de Paul em algumas partes. George já estava na ocasião muito interessado em música indiana e fez o primeiro solo de cítara em um disco de rock. Repetiu o feito depois em outras musicas dos Beatles.

Outras canções do álbum também mostram o desenvolvimento de uma importante característica de John que marcou sua carreira: o uso de elementos confessionais para revelar seus sentimentos. Assim como “Norwegian Wood, “Nowhere Man” também desnuda suas emoções. Nesta música, provavelmente para se autopreservar, Lennon recorreu à narrativa em terceira pessoa, mas, tempos depois, assumiu que ele mesmo era o “o homem de lugar nenhum”.

Na biografia dos Beatles escrita por Bob Spitz, consta que John, depois de uma noitada em boates usando drogas, voltou para casa e passou cinco horas tentando compor uma canção que fosse “boa e profunda”. Sem sucesso e irritado, desistiu e foi tirar um cochilo. Em algum momento, acordou e criou o tema para a música. “Pensei em mim mesmo como o homem de lugar nenhum, sentado na terra de ninguém (‘nowhere man, sitting in his nowhere land’)”, disse. A partir daí, a música – que aponta para a baixa autoestima de John – se desenvolveu. Uma pista brilhante de que é ele mesmo a figura retratada na música está na frase “Isn’t he a bit like you and me?” (“Ele não é um pouquinho como você e eu?”).

Nenhuma alegoria, porém, foi usada em “In my life”. John abandonou a proteção do uso da terceira pessoa e passou para uma abordagem direta e autobiográfica – algo que ele havia mostrado em musicas como “Help” e que adquiriu um aspecto visceral na brilhante “Mother”, composta por ele no início dos anos 70, já na carreira solo.

Lennon contou, segundo a biografia de Spitz, que a letra começou com um grande poema em que ele refletia sobre seus lugares preferidos durante a infância em Liverpool – uma descrição que relatava um passeio de ônibus desde a rua em que morava até o centro da cidade. Ele, entretanto, disse ter ficado entediado com a narrativa, que, nas suas palavras, “parecia um diário de viagem”.

John descartou, então, os nomes dos lugares e, citando outras referências do passado, criou uma letra nostálgica, que remete ao luto, mas com grande sensibilidade romântica. Em sua biografia autorizada, escrita por Barry Miles, Paul afirma ter feito toda a melodia da música, inspirado em canções de Smokey Robinson & The Miracles. John dizia em entrevistas que a melodia era dele, com contribuições de Paul. “Acho muito gratificante que, de tudo que compusemos, só pareçamos discordar a respeito de duas canções” disse Paul em sua biografia, referindo-se também a “Eleanor Rigby”, na qual há também desacordo entre o papel de cada um na composição.

Outro destaque do álbum, “Michelle” surgiu da busca por novas musicalidades e da necessidade do grupo de produzir muita canções em pouco tempo. Ainda em Liverpool, nos tempos em que a dupla frequentava as festas boêmias de Austin Mitchell, um dos professores da Escola de Artes da cidade, Paul costumava fazer uma sequência instrumental com “um quê francês”, fazendo um dedilhado no violão. John sugeriu que seria uma boa ideia compor uma música com aquele estilo.

Paul já vinha brincando com uma letra construída em torno do nome Michelle e juntou as peças. A frase “I love you, I love you, I love you” foi contribuição de John, inspirada em “I put a spell on you”, interpretada por Nina Simone. A canção fez sucesso na Inglaterra em agosto de 1965, mas na versão da diva americana do jazz e R&B a ênfase da frase estava na palavra “you”, enquanto que na versão Lennon & McCartney a ênfase ficava em “love”.

“Drive my car” e “Girl” também se destacam entre as músicas do álbum. George emplacou duas composições no disco (“Think for yourself” e “If I need someone”). Ringo leva crédito na country “What goes on”, na qual faz o vocal solo. “Contribui com umas cinco palavras”, disse ao ser questionado sobre a sua participação na composição. Na verdade, era uma música de John nunca antes usada. Como era importante que o baterista cantasse pelo menos uma música em cada álbum, Lennon a tirou da gaveta e Paul e Ringo compuseram uma nova parte B.

Há várias versões para o nome do álbum. Na sua biografia, Paul diz que “Rubber Soul” era uma referência tanto a “rubber sole” (sola de borracha) quanto à soul music. Os Beatles aprovaram as capas e títulos dos álbuns e gostavam de usar jogos de palavras, como por exemplo, em “Revolver”, não a arma, mas o verbo em inglês revolve (girar, orbitar).

Na discografia dos Beatles, “Rubber Soul” está ao lado de outras obras primas, como “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, o próprio “Revolver” e “The White Álbum” (O Álbum Branco). Talvez, a melhor definição para o disco tenha sido dada pelo produtor musical George Martin, conhecido como “o quinto beatle”. De acordo com ele, foi “o primeiro álbum a apresentar ao mundo os novos Beatles, aqueles em idade de crescimento”.

Para relembrar o álbum “Rubber Soul”, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Note que, na época, videoclipes eram algo incomum. Justamente por isso, há muitas montagens dos fãs e vídeos não oficiais.

Fique inicialmente com “Drive My Car”. Depois, continue com “Norwegian Wood (This Bird Has Flown)”, “Nowhere Man” e “Michelle”. Para fechar, nada menos que “In My Life”.

*Roberto Carlos dos Santos é jornalista da Agência Estado e amante do bom e velho rock n’ roll
Anúncios

4 Responses to “50 anos do clássico álbum ‘Rubber Soul’, dos Beatles”


  1. 7 de dezembro de 2015 às 21:27

    Uma resenha de um clássico que é uma verdadeira aula!
    Obrigado, Beto!
    Uma honra para nós você aqui no Roque Reverso!

  2. 3 Ricardo
    8 de dezembro de 2015 às 08:43

    Mandou bem, Beto.
    Elevou o nível da prosa…rs

  3. 4 Rafael Granato Valin Franco
    8 de dezembro de 2015 às 12:20

    Grande resenha do Beto! Cheia de informações e curiosidades interessantes deste clássico álbum!


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Bon Jovi no São Paulo Trip 2017 realizado na Arena do Palmeiras
#roquereverso #bonjovi #saopaulotrip #allianzparque Bon Jovi no São Paulo Trip 2017 
#roquereverso #bonjovi #saopaulotrip #allianzparque The Cult no São Paulo Trip 2017 - Ian Astbury
#roquereverso #thecult #saopaulotrip #allianzparque The Cult no São Paulo Trip 2017
#thecult #saopaulotrip #allianzparque #roquereverso The Who no São Paulo Trip - Foto: Flavio Leonel/Roque Reverso
#thewho #saopaulotrip The Who no São Paulo Trip - Foto: Flavio Leonel/Roque Reverso
#thewho #saopaulotrip

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 88 outros seguidores

dezembro 2015
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

Estatísticas

  • 548,306 hits
SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: