Arquivo para março \31\-02:00 2014

31
mar
14

Motörhead divulga lyric video da música ‘Crying Shame’

MotörheadO Motörhead divulgou no dia 29 de março o lyric video da música “Crying Shame”. A canção faz parte do mais recente álbum do grupo, “Aftershock”, lançado em outubro do ano passado.

A liberação do lyric video foi feita num período marcado por alguns cancelamentos de shows que a banda faria em alguns festivais do Hemisfério Norte. Desde o ano passado, isso vem acontecendo em virtude dos problemas de saúde com o vocalista e líder do grupo, Lemmy Kilmister.

Gravado no Maple Sound Studios, em Santa Ana, na Califórnia, “Aftershock” tem 13 faixas. É o 21º disco de inéditas do grupo britânico de heavy metal.

A produção do álbum ficou Cameron Webb. que já havia cuidado do álbum anterior, “The Wörld Is Yours”, lançado em 2010.

Veja abaixo o lyric video da música  “Crying Shame”.

30
mar
14

Eddie Vedder fará show extra em SP no dia 6 de maio

Eddie Vedder - Foto: DivulgaçãoCom a intensa procura do público para as apresentações que Eddie Vedder fará em São Paulo nos dias 7 e 8 de maio, a produtora Time For Fun anunciou um show extra para a capital paulista.  O vocalista do Pearl Jam se apresentará no dia 6 no mesmo Citibank Hall (antigo Credicard Hall) que tocará nos dias seguintes.

A Time For Fun já havia anunciado recentemente um show extra para o Rio de Janeiro para o dia 12 de maio. Lá, ele se apresenta, além da data nova, no dia 11, no Citibank Hall carioca.

A proposta desta vinda solitária do vocalista ao Brasil é dar ao público shows exclusivos e intimistas. Eles contarão com abertura do artista de folk rock Glen Hansard.

Para a data extra em São Paulo, haverá pré-venda exclusiva para clientes Citi e Diners nos dias 1 e 2 de abrilA venda para o público em geral estará disponível em 3 de abril. Os ingressos poderão ser adquiridos na bilheteria do Citibank Hall, pela internet (www.ticketsforfun.com.br); pelo telefone 4003-5588; demais pontos de venda em todo o País.

O ingresso mais barato, de R$ 100,00 é da Plateia Superior que conta com visão parcial. O mais caro, de R$ 800,00 é do Camarote I e da Cadeira Vip, seguido do valor de R$ 650,00 para o Camarote II. Há também entradas para Cadeira I (R$ 650,00), Cadeira II (R$ 550,00), Poltrona I (R$ 550,00), Poltrona II (R$ 450,00), Plateia Superior I (R$ 250,00) e Plateia Superior II e III (R$ 200,00).

Vedder já recebeu o Globo de Ouro de Melhor Canção Original, por “Guaranteed” (trilha sonora do filme “Na Natureza Selvagem”), e foi indicado ao Grammy de Melhor Álbum Folk, por “Ukelele Songs”, lançado em 2011.

 

28
mar
14

Divulgada a gravação de Corey Taylor, do Slipknot, da música ‘Rainbow In The Dark’

Corey TaylorComeçaram a ser divulgadas as músicas do álbum “This Is Your Life”, que terá grandes nomes do rock pesado tocando clássicos do grande Ronnie James Dio. Uma das primeiras foi a faixa “Rainbow In The Dark”, gravada pelo vocalista Corey Taylor, do Slipknot e do Stone Sour.

Na música, que deverá agradar a maioria dos fãs de Dio, Taylor está acompanhado do guitarrista Christian Martucci e do baterista Roy Mayorga, ambos do Stone Sour, além do guitarrista Satchel (do Steel Panther) e do baixista Jason Christopher.

Conforme mostrou o Roque Reverso no início de fevereiro, o álbum terá 13 músicas.

Estará disponível ao público no dia 1º de abril pela gravadora Rhino. Metallica, Motörhead, Anthrax, Scorpions, Rob Halford e Glenn Hughes são outros nomes de peso que participarão do tributo ao vocalista morto em 2010.

“This Is Your Life” conta com a produção da esposa Wendy Dio e ainda arrecadará fundos para o Ronnie James Dio Stand Up And Shout Cancer Fund, que ajuda pessoas com a mesma doença que matou o vocalista.

Escute abaixo a faixa “Rainbow In The Dark”, com Corey Taylor:

 

26
mar
14

Metallica supera chuva insistente e traz show de alta qualidade para 65 mil em SP

O Metallica voltou depois de quatro anos a São Paulo e realizou um grande show no dia 22 de março no Estádio do Morumbi. Para um púbico de 65 mil pessoas, a banda norte-americana de thrash metal superou com peso, técnica e qualidade uma chuva fina e insistente que caiu durante praticamente toda a apresentação, marcada também pela ausência dos tradicionais efeitos pirotécnicos que costumam ser vistos nas performances do grupo.

Como havia prometido, o Metallica trouxe para a capital paulista o show inovador que é marcado por um novo conceito, no qual o fã escolhe o set list executado. Foram 17 músicas eleitas pelo público, além da canção nova “Lords of Summer”.

Esta última foi apresentada pela primeira vez em Bogotá, na Colômbia, no dia 16 de março, no início da turnê que trouxe a banda à América do Sul.

Apesar das críticas dos fãs mais antigos pela escolha de um set list com poucas novidades em relação ao que o grupo já havia tocado em shows brasileiros, a configuração do repertório, com várias sequências de músicas de um mesmo disco agradou bastante. Além disso, a vontade demonstrada pela banda e acima de tudo a qualidade técnica impecável dos músicos fizeram muita gente deixar a polêmica de lado.

Após uma abertura bastante fraca realizada pelo grupo britânico Raven, o Metallica subiu ao palco com 50 minutos de atraso, algo pouco comum nas vindas da banda por aqui. A poucos minutos do início da apresentação do grupo dos EUA, uma chuva fina que não havia caído em momento algum do dia em São Paulo começou a molhar o Estádio do Morumbi, como se São Pedro deixasse claro que não gostava de heavy metal.

Todo fã que conhece o mínimo da história do Metallica sabe que a banda utiliza há anos a tradicional introdução de “The Ecstasy of Gold”, de Ennio Moricone, acompanhada de imagens no telão do filme “Três Homens em Conflito”, de Sérgio Leone. A novidade em 2014 é que o grupo trouxe antes um pequeno trecho filmado bem humorado que mostrava a banda lendo os pedidos e comentários dos fãs nas redes sociais “metallicas” com as ideias mais malucas possíveis. O público ria a cada citação absurda e a ideia agradou em cheio.

Terminada a introdução de “The Ecstasy of Gold”, os músicos apareceram no palco com uma das aberturas mais pesadas dos últimos tempos. Pela primeira vez em shows no Brasil, o Metallica começou um show com a música “Battery”, que abre seu disco mais aclamado por crítica e público: “Master of Puppets”. Como se estivessem em sintonia única, fãs da Arquibancada, Pista Comum, Pista Vip e Cadeiras do Morumbi elevaram o som do estádio a um nível ensurdecedor e empolgante.

Sem deixar a peteca cair, o Metallica emendou nada menos que “Master of Puppets”, a mais votada entre as faixas escolhidas para São Paulo. A energia continuou em alta e a chuva, que não parava de cair, já nem era percebida por muitos, que se encharcavam com felicidade. Para completar a trinca do álbum, foi a vez da execução da ótima “Welcome Home (Sanitarium)”, que trouxe o vocalista e guitarrista James Hetfield na parte superior do palco com sua inconfundível ESP branca.

O fã mais atento deve ter notado que o fato de o Metallica tocar três músicas seguidas do “Master of Puppets” foi um momento histórico para os brasileiros, já que isso nunca havia acontecido por aqui. Se havia alguém que tivesse torcido o nariz para a votação das músicas, esses três petardos consecutivos serviram como se fossem um antídoto.

Depois da trinca histórica, Hetfield conversou com o público e lembrou que fazia quatro anos que a banda não tocava na capital paulista. Durante sua saudação ao público, uma labareda surgiu do nada muito próxima do guitarrista, que tomou um susto, assim como o público que estava ali perto. Nesse momento, foi fácil notar ele pedindo para os técnicos desligarem algo, possivelmente o sistema especial de pirotecnia que o Metallica usa há anos da maneira mais profissional e qualificada possível.

Quem conhece a banda, sabe que o vocalista já teve experiências bastante desagradáveis com fogo na década de 90, quando queimou os dois braços num acidente com efeitos pirotécnicos no palco durante um show. Não por acaso, depois disso, o Metallica montou uma equipe técnica justamente para isso elogiadíssima no assunto.

O fato é que, depois da labareda no palco do Morumbi, a primeira ausência pirotécnica notada foi notada logo na música seguinte. Na pesada e vibrante “Fuel”, não foi visto o tradicional espetáculo com fogo que é dado na metade da execução da faixa. Não que isso tenha atrapalhado o show, mas era algo que os fãs que estiveram no mesmo Morumbi, no segundo show de 2010, e, no Rock in Rio de 2011, já haviam se acostumado.

Na sequência, foi a vez da primeira música da noite do “Black Album”. A belíssima “The Unforgiven” começou a ser dedilhada por James Hetfield e emocionou a todos. Para quem já viu a música ser tocada ao vivo, a execução no Morumbi ficou a desejar e, talvez, tenha sido o ponto fraco da apresentação. Com um timbre um pouco diferente do normal, o violão de James parecia travar um pouco a já complexa canção e até a forma como ele cantou naquele momento ficou estranha.

A compensação de “The Unforgiven” viria logo em seguida e em forma de música nova. Com mais de 8 minutos de duração, “Lords of Summer” agradou em cheio, tanto por ter várias mudanças em sua levada como por ser bastante pesada. Destaque para a performance do baterista Lars Ulrich, que vinha há anos sendo criticado pelos fãs mais exigentes pelo modo um pouco mais “preguiçoso” como estava tocando o instrumento e que, no Morumbi, foi certamente um dos melhores da noite. Nesta canção, por sinal, a banda toda deu a impressão de altíssimo entrosamento.

Importante lembrar que o Metallica, além da votação do set list pela internet e da música nova, tinha uma outra novidade nos shows da turnê: o público foi liberado a escolher, via SMS, uma última faixa para o show, que foi votada durante a apresentação. O set list manteve as 18 músicas prometidas, mas houve a abertura de uma eleição entre as canções que ficaram da décima sétima posição para baixo, uma espécie de “repescagem” entre as faixas que ficaram até décima nona posição.

Em São Paulo, o clássico “Ride The Lightning” era exatamente a décima sétima canção da lista. “The Day That Never Comes” era a décima oitava. “Memories Remains” era a décima nona.

Durante vários momentos do show, James Hetfield lembrou da votação por SMS que, desde o início, teve “The Day That Never Comes” em primeiro, seguida muito de perto por “Ride The Lightning”. “Memories Remains” surpreendeu, pois apesar de ser a mais pop delas, teve uma votação pífia.

Em todas as vezes que James lembrava da votação, o público vaiava “The Day That Never Comes” e vibrava com “Ride The Lightning”. O fato é este jornalista que vos escreve tentou votar inúmeras vezes por SMS, mas a mensagem sempre apresentou falhas. Ou seja, isso pode ter acontecido com outras pessoas e até ter determinado a votação.

Depois de “Lords of Summer”, o Metallica retomou o show de hits e emendou “Wherever I May Roam”. Mantendo a tradição da maioria de suas apresentações, a banda tocou esta com perfeição e voltou a levantar o público, que vibraria também com o clássico “Sad But True”, apresentado por um fã que fazia parte do grupo de membros do fã clube oficial do quarteto norte-americano.

Na sequência, “Fade to Black”, do segundo álbum da banda “Ride The Lightning”, cumpriu seu papel de emocionar os fãs com os belos acordes de James e Kirk Hammett. Depois dela, destaque para a execução da ótima “…And Justice For All”, que havia sido tocada no Rock in Rio de 2013, mas que não aparecia em São Paulo desde 1989, na primeira passagem do Metallica pelo Brasil.

O show já estava na sua metade final quando a introdução matadora de “One” foi ouvida no Morumbi. Certamente, neste momento da apresentação, os fãs sentiram uma enorme falta da parte pirotécnica. Não que a banda não tenha tocado com maestria mais este clássico, mas as explosões tradicionais que acompanham a música fizeram muita falta.

Em “For Whom the Bell Tolls”, o estádio viu mais um grande momento do Metallica em todo o show. Com a incrível performance de Robert Trujilo no baixo, a canção foi tocada com vibração, técnica e muita qualidade por todos, que mandaram, na sequência,a execução da não menos obrigatória “Creeping Death”. Ela fez o Morumbi inteiro gritar, depois de ser anunciada por mais um dos fãs convidados presente na lateral do palco.

A lista de  hits era imensa e foi com mais dois do Metallica que a primeira parte do show foi encerrada. Em “Nothing Else Matters”, o público viu uma bela introdução de Kirk Hammett na guitarra e uma técnica e um entrosamento espetacular da banda. Em “Enter Sandman”, uma verdadeira catarse coletiva foi vista no estádio.

Na volta para o bis, uma fã anunciou “Whiskey In The Jar”, que foi tocada pela primeira vez no Brasil em toda a história. Ela foi muito bem executada, mas pareceu deslocada perto dos demais clássicos do Metallica.

Depois dela, o grupo finalmente tocou a música da “repescagem” promovida via SMS. “The Day That Never Comes” bateu “Ride The Lightning”. Quando o telão mostrou a vencedora, o Estádio do Morumbi ouviu várias vaias, que deixaram James Hetfield surpreso. “Mas foram vocês que votaram!”, disse.

Quando a banda tocou a música, porém, a reação foi super positiva e, mais uma vez, o Morumbi viu todos os fãs cantando a canção, que foi a única do disco “Death Magnetic” executada. Restou uma esperança de uma surpresa com “Ride the Lightning”, mas a banda cumpriu o cronograma estipulado.

A última música do show foi a manjadíssima e obrigatória “Seek & Destroy”. Ela foi tocada com as luzes do estádio acesas e com o Metallica lançando enormes bolas pretas para alegrar o público. No final, James, Lars, Kirk e Trujilo ainda ficaram um bom tempo agradecendo o público e distribuindo uma farta quantidade de palhetas e baquetas.

Na visão deste jornalista, o show de 2014 foi um dos melhores já feitos pelo Metallica no País, mas não foi o maior de todos. Esta marca fica ainda com a primeira apresentação que a banda fez no Rock in Rio, em 2011. Mesmo em São Paulo, o show da primeira noite de 2010, na opinião de quem vos escreve, foi também ligeiramente melhor. Para os fãs mais antigos, porém, as apresentações de 1989, apesar do período que marcava a banda ainda fora do mainstream, são algo que jamais sairá da memória dos que foram.

Para relembrar o grande show do Metallica em São Paulo, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Para começar, veja a abertura com “Battery”. Depois, assista à exibição da nova música “Lords of Summer”. Na sequência, veja o vídeo de “…And Justice For All”, a produção própria nossa de “One”, um vídeo descolado de “For Whom the Bell Tolls”, outra produção nossa com “Nothing Else Matters” e, para fechar, “Seek & Destroy”.

Set list

Battery
Master of Puppets
Welcome Home (Sanitarium)
Fuel
The Unforgiven
Lords of Summer
Wherever I May Roam
Sad But True
Fade to Black
…And Justice for All
One
For Whom the Bell Tolls
Creeping Death
Nothing Else Matters
Enter Sandman

Whiskey In The Jar
The Day That Never Comes
Seek & Destroy

 

25
mar
14

Pixies lança 3º EP consecutivo, libera clipe e anuncia data, nome e capa de novo álbum

O Pixies não para de surpreender e adotar uma estratégia bastante agressiva de divulgação de novidades. Depois liberar três clipes em 2014 e de ter lançado dois EPs desde o ano passado, a banda norte-americana trouxe ao público um terceiro EP de inéditas, liberou um novo clipe e ainda anunciou data, nome e capa de seu novo álbum.

O novo EP, denominado “EP-3”, segue o mesmo esquema dos demais e traz quatro músicas.

A lista de faixas começa com “Bagboy” e segue, pela ordem, com “Silver Snail”, “Ring the Bell” e “Jaime Bravo”.

O clipe novo lançado é o da música “Snakes”, ainda do “EP-2”.

Se o leitor do Roque Reverso tem boa memória, “Bagboy” teve clipe lançado em junho do ano passado, foi a primeira canção da banda desde 2004 e deu esperanças aos fãs do surgimento de um novo disco do Pixies.

O novo álbum, que agora é uma realidade, vai se chamar “Indie Cindy” e a capa pode ser vista acima. O nome é de uma canção que teve videoclipe liberado no ano passado juntamente com o anúncio do “EP-1”, o primeiro dos três EPs e que contava com a faixa citada.

A data oficial do lançamento do disco “Indie Cindy” é o dia 28 de abril. Antes, porém, ele estará disponível ao público em vinil duplo, no dia 19 de abril, na comemoração pelo Dia da Loja de Discos, o Record Store Day, em lojas independentes em todo o mundo que participam do evento.

O álbum “Indie Cindy” é o primeiro do Pixies desde “Trompe le Monde”, de 1991. Tem 12 músicas e contou com a produção de Gil Norton, que já trabalhou com a banda em outros discos.

O conteúdo do álbum será nada mais do que a compilação dos três EPs lançados pelo Pixies. Quem acompanhou toda a estratégia do grupo desde o ano passado, não deve ter grandes surpresas no lançamento, já que viu uma série de boas músicas.

2013 já havia sido um período de grandes novidades para os fãs da banda. Além do “EP-1”, a banda anunciou a saída da baixista Kim Deal, grande sinônimo de Pixies.

Ela havia sido substituída por Kim Shattuck, que ficou também pouco tempo no posto, dando lugar à bela baixista Paz Lenchantin, que já tocou nos grupos Zwan, de Billy Corgan, e A Perfect Circle.

Em 2014, o Pixies é uma das atrações do Lollapalooza. O festival será realizado nos dias 5 e 6 de abril no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Abaixo, o leitor do Roque Reverso poderá assistir ao clipe da música  “Snakes” e ver a lista completa de faixas do novo álbum do Pixies.

Lista de Faixas

1.What Goes Boom
2.Greens and Blues
3.Indie Cindy
4.Bagboy
5.Magdalena 318
6.Silver Snail
7.Blue Eyed Hexe
8.Ring the Bell
9.Another Toe in the Ocean
10.Andro Queen
11.Snakes
12.Jaime Bravo

23
mar
14

Produtora anuncia show extra de Eddie Vedder no Rio para o dia 12 de maio

A produtora Time For Fun informou que, em virtude da intensa procura do público, está confirmado um show extra de Eddie Vedder para o Rio de Janeiro. Segundo os organizadores, o vocalista do Pearl Jam se apresentará no dia 12 de maio no Citibank Hall, onde também tocará no dia 11.

Além da capital fluminense, Vedder terá show em São Paulo nos dias 7 e 8 de maio, no antigo Credicard Hall, que agora também se chama Citibank Hall.

De acordo com a Time For Fun, na sexta-feira (21), os ingressos para os dias 7, 8 e 11 de maio já estavam “praticamente esgotados”.

A proposta desta vinda solitária do vocalista ao Brasil é dar ao público shows exclusivos e intimistas. Eles contarão com abertura do artista de folk rock Glen Hansard.

Vedder já recebeu o Globo de Ouro de Melhor Canção Original, por “Guaranteed” (trilha sonora do filme “Na Natureza Selvagem”), e foi indicado ao Grammy de Melhor Álbum Folk, por “Ukelele Songs”, lançado em 2011.

Para a data extra do Rio de Janeiro, haverá pré-venda exclusiva para clientes Citi e Diners nos dias 27 e 28 de março. A venda para o público em geral estará disponível em 31 de março.

As entradas poderão ser adquiridas na bilheteria do Citibank Hall Rio de Janeiro, pela internet (www.ticketsforfun.com.br); pelo telefone 4003-5588; demais pontos de venda em todo o país.

O ingresso mais barato, de R$ 320,00 é da Cadeira Lateral. O mais caro, de R$ 750,00 é da Cadeira Vip, seguido do valor de R$ 700,00 para o Camarote. Há também entradas para Cadeira Palco (R$ 600,00), Cadeira Especial (R$ 450,00), Cadeira Central (R$ 360,00) e Poltrona (R$ 4o0,00).

22
mar
14

The Jesus and Mary Chain é confirmado como atração do Cultura Inglesa Festival em maio em SP

O grupo The Jesus and Mary Chain foi confirmado como atração do 18º Cultura Inglesa Festival. O até hoje influente grupo escocês fechará o evento gratuito, no dia 25 de maio, no Memorial da América Latina, em São Paulo.

A banda, que chegou a encerrar as atividades em 1999 e retornou em 2007, ainda está em turnê comemorativa de seus 30 anos de carreira, iniciada em 1983. Os escoceses já tiveram duas passagens pelo Brasil, a última delas em 2008 no Planeta Terra Festival. 

Liderado pelos irmãos Jim e William Reid, o Jesus and Mary Chain é considerado uma das bandas fundamentais para tudo que significa de alternativo no rock. Ficaram famosos tanto pelas ideias inovadoras de criação de um som sujo e distorcido por pedais e variações de amplificadores como por atitudes inusitadas, como de tocar de costas para a plateia em várias apresentações.

Além do grupo escocês, a banda galesa Los Campesinos! é a outra atração internacional do festival, que, em 2012, teve como principal nome o Franz Ferdinand, num evento que ficou marcado pela superlotação e certa confusão.

Segundo a organização do festival, informações sobre a retirada gratuita de ingressos serão divulgadas em breve.

Para celebrar a volta do Jesus anda Mary Chain ao Brasil, o Roque Reverso descolou clipes no YouTube. Fique inicialmente com “Head On”. Depois veja o vídeo de “Just Like Honey”.




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 104 outros seguidores

março 2014
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias