16
out
10

Rage Against the Machine no SWU: ‘Your anger is a gift’

Por Wladimir D’Andrade*, com colaboração de Flavio LeonelRATM no SWU - Foto: Divulgação SWU

No final, havia carcaças de óculos, documentos espalhados pelo chão e uma pilha de tênis sendo amontoados num mesmo lugar para facilitar a procura de seus donos. Esse é um dos retratos da apresentação do Rage Against the Machine, no sábado, no SWU Music & Arts, em Itu, interior de São Paulo. Uma representação da catarse pela qual os fãs viveram durante cerca de 1h40, depois de uma espera de mais de 15 anos pela vinda do grupo californiano ao País.

O Rage fez um show poderoso, tenso e anárquico. Subiu no palco ao som de uma sirene, enquanto a estrela vermelha ascendia lentamente no telão.

O grupo começou com “Testify”, emendou “Bombtrack” e dedicou “People of the Sun” ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) – O guitarrista Tom Morello até usou em algumas partes da apresentação um boné da entidade.

A banda passou por cima dos problemas de som, que por duas vezes foi interrompido ao público. A platéia, enfurecida com a ausência de som não pensou duas vezes para criar um dos gritos que marcaram o festival de maneira estrondosa naquela noite: “Ei, SWU, vai tomar no cu!”

Depois do show, os organizadores do festival disseram que o problema foi causado na mesa de som, que estaria sob responsabilidade do Rage Against the Machine. A questão é que, com os preços elevados dos ingressos, este tipo de problema quase amador relacionado ao som é inadmissível.

Empecilhos à parte, a banda continuou a apresentação. Hit após hit, a empolgação dos fãs era visível. Morello reproduziu fielmente os solos das músicas e tirava som de onde parecia impossível, pelo menos não fora de um estúdio.

Os sucessos, principalmente os do primeiro álbum – “Bombtrack”, “Bullet in the Head” e “Know Your Enemy”, entre outros -, levaram o público ao descontrole, como era esperado pelos que sempre sonharam em ver Zack de la Rocha (vocal), Morello, Tim Commerford (baixo) e Brad Wilk (bateria) a alguns metros de distância.

Não surpreendeu nem mesmo a tentativa de invasão do público à área premium. O politicamente engajado quarteto até mesmo deu pinta de que incentivava a prática. Morello já havia dado “a dica” no Twitter: “Alguns estão comprando entradas comuns para Chile/Brasil planejando invadir a área VIP quando o som começar. É apenas um pensamento que gostaria de mencionar.”

Esse foi o primeiro motivo para a banda interromper o show, já que muita gente estava no maior apuro, justamente na divisa da pista comum com a premium e as grades que separavam os dois locais chegaram a ser rompidas. Depois de um pedido sem sucesso dos organizadores para que o público desse passos para trás, Zack de la Rocha pegou o microfone e pediu apenas para que cada um curtisse o espetáculo com respeito ao próximo, para que ninguém saísse ferido. “Vamos cuidar uns dos outros”, disse.

Poucos precisaram ser atendidos no posto médico com ferimentos leves. Mas quem tentou assistir o RATM à frente da linha da mesa de som – localizada há alguns metros do palco – toma esses casos como “acidente de trabalho”. A essa distância do palco, ou as rodas de bate-cabeça chegavam até você ou você era levado até elas. Trate de sobreviver…

Eram fãs se trombando e empurrando uns aos outros, nos quais as feições afloravam sentimento de raiva. O cenário do show é boçal para alguns, mas para os que deixaram a fazenda Maeda vermelhos de cansaço foi uma oportunidade de extravasar – por incrível que pareça, respeitosamente – sentimentos destrutivos que fazem, queiram ou não, parte da vida de todos. Pergunta: não é melhor que isso venha à tona em um ambiente (minimamente) controlado?

O Rage conseguiu passar sua mensagem em meio às suas letras políticas, fez o público levantar os punhos para o alto à maneira do movimento Panteras Negras – partido revolucionário norte-americano dos anos 60 que lutava pelos direitos dos negros – e inclusive ficar admirado com o hino da Internacional Comunista na abertura do bis, quando os fãs usaram suas últimas forças para pular ao som de “Freedom” e o principal sucesso, “Killing in the Name”.

No final, restou ainda mais um recado do RATM: “Your anger is a gift” (Sua raiva é uma dádiva), afirmou Zack. Uma amostra do que esse sentimento é capaz. Não para os homens se destruírem uns aos outros, mas serve como alerta de que temos ao menos essa ferramenta para não aceitar certas situações – “Fuck you, I won’t do what you tell me” (Não farei o que você me diz, em tradução livre, sem o palavrão), canta o Rage Against the Machine para um público que não vai esquecer tão cedo a apresentação.

Para manter a tradição, o Roque Reverso descolou o set list do show, algumas fotos oficiais e, claro, vídeos do YouTube. O leitor poderá ver grandes momentos, como a abertura e a música “Testify”. Na sequência espetacular, “Bombtrack”, “People Of The Sun”, “Know Your Enemy” e “Bulls On Parade”. Para fechar, o bis, com “Freedom” e uma pitada da Internacional Socialista, além da mais do que clássica “Killing in The Name”. O show quase inteiro pode ser conferido no último vídeo. Histórico!

Set list:

Testify
Bombtrack
People Of The Sun
Know Your Enemy
Bulls On Parade
Township Rebellion
Bullet In The Head
Guerrilla Radio
Calm Like A Bomb
Sleep Now In The Fire
Wake Up 

Freedom
Killing In The Name

 

*Wladimir D’Andrade é jornalista da Agência Estado e fã do bom e velho rock n’ roll
Anúncios

8 Responses to “Rage Against the Machine no SWU: ‘Your anger is a gift’”


  1. 1 Guilherme Cruz
    18 de outubro de 2010 às 02:15

    Depois de dylan, lennon, e punk, rage é um dos ultimos representantes da independencia musical. Hoje em dia tudo é domado comercialmente, só se canta o que for inofensivo. Em plena era Bush filho, como poderia alguém fazer um clipe como o de testify? http://www.youtube.com/watch?v=1JSBhI_0at0

  2. 2 Igor Daniel
    18 de outubro de 2010 às 13:17

    Os “problemas” que ocorreram no som duranto o show não foram acidentais. Tom Morello disse ontem que eles foram boicotados. É triste ver isso em pleno século XXI. Ainda acreditam que vivemos em um país livre. Enfim, show muito foda!

  3. 3 Marcelo
    18 de outubro de 2010 às 14:22

    “Fuck you, I won’t do what you tell me” (Não farei o que você me diz, em tradução livre, sem o palavrão)

    Segue, com o palavrão traduzido: “FODA-SE, não farei o que você me diz”

  4. 4 guto
    18 de outubro de 2010 às 16:11

    Embora fosse o show mais esperado da minha vida (e de muitas outras pessoas), o Rage superou todas as expectativas estratosfericas e fez uma performance impecavel!!!!

  5. 18 de outubro de 2010 às 18:44

    Impressionante! Extravazante! Para quem estava lá como eu e presenciou o que o RATM causou na Arena Maeda em Itu… Foi um show pra soltar os bichos!!! Histórico!!! Freedom!!!

  6. 6 Ricardo Maia
    20 de outubro de 2010 às 02:32

    Só quem esteve lá sabe. Toda a espera valeu a pena. Acho que nunca pulei tanto em um show. Valeu pelo festival inteiro. Valeu demais. Apesar de todos os problemas, que apresentação desse quarteto da Califórnia! Vejo os vídeos e me transporto para a Arena Maeda novamente. O arrepio é incontrolável. Será que eles voltam no Brasil?!?…Espero que sim!

  7. 8 Artur Fernandes
    24 de outubro de 2010 às 15:58

    Memoravel é a unica palavra que possa refletir o minimo valor semantico para expressar a sensação do show da banda Rage Against The Machine. Foram se alguns dias para eu conseguir controlar tamanho frison devido ao show. Um show que apesar de suas interupções, foi fenomenal. Sou fã incontestavel da banda há varios anos, sabia que seria um grande show, mas nao imaginava a amplitude do espectaculo assistido. Por varias vezes pensei que todos os incidentes foram causados pela propria banda, afinal, “rage” é um sentimento que está explicito até mesmo no nome da banda. Foram vários sentimentos despertados em aproximadamente 1h40, mas que com certeza era regado pelo sentimento de raiva, não no ambito micro que ali presenciava, mas com uma visão macro. O show foi muito além de apenas musica e arte, foi protesto e contestação do inicio ao fim. E isso que a musica deles remetem, a uma quebra de valores e a uma outra visão social. A primeira musica já demostrou pra que eles vieram, “now testify…”. As letras das musicas tem grande extensoes socialistas o qual acredito nao ser compartilhado por todos que ali estavam presentes. Na musica em que ele recita: “your anger is a gift” eu estava no meio de duas rodas gigantes de “bate cabeça”, e quando ele recitou essa frase achei que haveria uma grande explosao por parte da multidão, mas eles continuaram no mesmo estagio de euforia, o que reflete uma falta de absorção e sintonia com a tradução das mensagens que a banda tem o intuito de compartilhar. O que pude perceber é que o “rock and roll” que a banda proporciona é apreciado de forma superficial, o que é totalmente justificavel, visto a grandiosidade dos acordes e vocais que a banda possui. Mas acredito, que para os que tem maior conhecimento e compartilhar mais das ideias que a banda transmite, com certeza tiveram os mesmos frio na espinha que eu tive ao som de qualidade incontestavel da banda.


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Anthrax em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #anthrax #scottian Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Anthrax em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #anthrax #charbenante

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 89 outros seguidores

outubro 2010
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: