20
out
17

Show do U2 em SP não é um passeio, é uma volta ao redor do planeta

U2 em SP - Foto: Divulgação U2Por Mario Rocha*

Minha estreia no Roque Reverso foi alguns anos atrás, quando comentei minha primeira vez num show do Bon Jovi. Falar do Bon Jovi, na verdade, é bem mais fácil porque a banda dele faz o básico. Um básico fodástico e arrebatador, é verdade. Mas o assunto é o U2. E o U2 é complexo. São muitas as mensagens musicais, tecnológicas, visuais, poéticas, políticas. Os caras fazem isso com profissionalismo e coração.

No filme “The Commitments”, o personagem principal diz que os irlandeses são os negros da Europa. Pois é como um negro que o Bono canta.

Não apenas por causa da sua voz cortante, que atinge várias escalas e modulações, mas porque ele expressa um sentimento que vem do “guts”, que nasce no centro da terra, invade o coração e a mente e explode em partículas no infinito. O cara é muito foda e canta pra caralho!

O show realizado em São Paulo no dia 19 de outubro foi dividido em três partes. Começou num palco pequeno no meio do público e sem uso do telão. Tocaram sucessos da banda, começando com “Sunday Bloody Sunday” num estádio iluminado de vermelho e chamaram o público pra dançar e cantar. Não poderia haver um início mais politizado. Emendaram com “New Year’s Day”, “Pride (in the name of love)”, entre outras.

Depois, foram pro palco grande e lá iniciaram a viagem no tempo com as músicas do “The Joshua Tree”. Este foi o nome do show, homenagem ao disco de mesmo nome lançado há 30 anos. Vieram  “Where The Streets Have No Name”, “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”, “With or Without You”… and so on.

O telão foi acionado (imenso, profundo, atemporal como o espelho da Alice), mostrando imagens em preto e branco de uma estrada cortando um deserto americano, aquele da foto da contracapa do vinil (Mojave Desert). Uma viagem ao passado musical da banda e às nossas experiências vividas ao longo desse tempo.

De emocionar. O U2 sabe brincar com nossa voz interior, sabe como despertar a humanidade que mantém viva a chama que nos move.

As imagens no telão mesclavam cenas de viagens, pessoas (entre elas, indígenas americanos e imigrantes de várias etnias que vivem nos EUA vestindo um capacete militar de guerra) com imagens captadas do show ao vivo. Imagens editadas em tempo real como se fossem um videoclipe, com sobreposições e outras parafernálias tecnológicas. Entre elas, a Joshua Tree em três dimensões. Sensacional.

U2 em SP - Foto: Reprodução Twitter

Na terceira parte do show, tocaram uma sonzeira arrebatadora, com The Edge arrebentando na guitarra e enchendo nossos ouvidos, corpo e alma de uma energia destruidora no sentido de que é preciso quebrar tudo pra se renovar, pra exorcizar toda a caretice do mundo. “Beautiful Day”, “Elevation”…

Por fim, uma homenagem às mulheres com discurso do Bono e projeção de fotos de mulheres de várias partes do mundo. Não faltaram as “mães da praça de Mayo”, as “sufragetes” e as russas do “pussy riot”. Mas teve também Angela Merkel e Hillary Clinton (argh…).

O show foi encerrado com a clássica “One”, numa mensagem de que somos todos uma unidade. No telão, uma imensa bandeira do Brasil, que considerei uma cagada fenomenal porque ninguém por esses lados de cá anda com espírito patriótico.

O patriotismo no Brasil tornou-se, ultimamente, um refúgio dos canalhas. Nesse ponto, acho que o U2 foi mal assessorado em relação à atual realidade brasileira.

Por outro lado, em um dos vídeos projetados no telão, apareceu uma cena de um seriado americano dos anos 50 em que um personagem do velho Oeste dizia que iria salvar uma cidade construindo um muro. E era chamado de “mentiroso” pelos habitantes. O nome do personagem? Trump… foi o momento hilário de uma noite memorável.

Se não gostei da bandeira, o U2 não deu mole para os intolerantes que andam desfilando sua ignorância triunfante pelo nosso país. Num dado momento, na parte final do show, uma câmera colocada atrás do palco mostrou as costas do Larry. Na camiseta dele, uma inscrição em legítima língua portuguesa pra que todos pudessem ler: “Censura nunca mais.”

Show do U2 não é um passeio. É uma volta ao redor do planeta.

Para relembrar o show o primeiro dos quatro shows do U2 em São Paulo em 2017, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Fique inicialmente com a abertura feita com “Sunday Bloody Sunday”. Na sequência, veja a banda executando “New Year’s Day”, “Where the Streets Have No Name”, “With or Without You” e “Bullet the Blue Sky”.

Set list

Sunday Bloody Sunday
New Year’s Day
Bad
Pride (In the Name of Love)
Where the Streets Have No Name
I Still Haven’t Found What I’m Looking For
With or Without You
Bullet the Blue Sky
Running to Stand Still
Red Hill Mining Town
In God’s Country
Trip Through Your Wires
One Tree Hill
Exit
Mothers of the Disappeared
Beautiful Day
Elevation
Vertigo
You’re the Best Thing About Me
Ultraviolet (Light My Way)
One

*Mario Rocha é jornalista e amante do bom e velho rock n’ roll
Anúncios

2 Responses to “Show do U2 em SP não é um passeio, é uma volta ao redor do planeta”


  1. 21 de outubro de 2017 às 12:14

    O U2 já tem seu legado na história da música e tem uma tradição no engajamento político.
    Ótimo ver que a banda continua antenada com o que acontece no mundo, especialmente com o cenário de trevas atual de alguns países, como o próprio Brasil.
    Com os focos lamentáveis de ignorância extrema presentes no País, nada melhor que um expoente musical passar a mensagem!
    Viva o bom e velho rock!
    Belo texto, Mario!

  2. 2 Francisco Carlos de Assis
    21 de outubro de 2017 às 12:47

    Sobre o show é a viagem planetária que o U2 nos leva a fazer agarrados à crina de um cavalo que rasga, em poucas horas, o véu que nos separa de uma história recente mas que explica parte ou o tudo do que estamos vivendo atualmente, nada acrescentar.

    Não ousaria cometer o sacrilégio de tirar ou acrescentar uma vírgula ou um til da tão boa é aprofundada análise escrita pelo brilhante Mário Rocha, que versa com autoridade e muita propriedade sobre temas diversos. Pleonasmo dizer que Rock é atitude. Mas a atitude do Rock não é só para quem faz rock. É uma via de duas mãos que implica em o receptor captar e processar a mensagem vinda do palco, das ondas radiofônicas e fonográficas.

    Li e vi essa atitude estampada na resenha do Mário que, como o bom rock, está ficando melhor com o acrescentar dos anos.


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Este dia 24 de novembro marca o aniversário de 8 anos do Roque Reverso!!! 🎂🍰🥂🍾🎂🍰 Agradecemos a todos os nossos leitores por esta longa caminhada conosco! 😉

Prometemos, como sempre, continuar buscando notícias bacanas do gênero musical que escolhemos como estilo de vida! 👊👊👊 Viva o bom e velho rock n' roll!!! 🤘🤘🤘 ROQUE REVERSO
O site do bom e velho rock and roll
https://roquereverso.com/

Siga no Facebook:
http://tinyurl.com/maq6hhm

Siga no Twitter:
http://twitter.com/RoqueReverso

Siga no YouTube:
https://www.youtube.com/…/UCQ4pi0pxBcfr…

Siga no Instagram:
https://www.instagram.com/roquereverso/

#roquereverso Anthrax em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #anthrax #scottian Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept Accept em São Paulo em novembro de 2017
#roquereverso  #tombrasil  #accept

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso blog em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 89 outros seguidores

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set   nov »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Categorias

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE


%d blogueiros gostam disto: