27
set
11

Noite do Metal honrou o nome do Rock in Rio com shows memoráveis

Para muitos, a versão de 2011 do Rock in Rio começou no dia 25 de setembro e terminou na madrugada do dia 26. A Noite do Metal finalmente trouxe shows memoráveis num único dia, honrando o nome do festival com aquilo que mais gostamos de ver: rock no seu estado mais pesado. No Palco Principal, o público pode assistir a uma grata surpresa, o Coheed and Cambria; a mais um grande show do bom e velho Motörhead; a uma apresentação brutal, insana e perturbadora do Slipknot; e a um show simplesmente histórico do Metallica.

No palco Sunset, Sepultura, Korzus e Angra também fizeram boas apresentações com os convidados especiais e jams bem montadas.

Bastante criticada por causa de um número grande de atrações que não pertencem ao rock, a edição de 2011 do festival realmente está um pouco atrás das três anteriores, quando o assunto é line-up. Mas, depois das duas primeiras noites ficarem sem um show de grande impacto, a do dia 25 trouxe a magia que faltava para que o evento ficasse na memória dos brasileiros e gerou uma repercussão enorme em redes sociais e rodinhas de conversa diversas, como há muito tempo não se via em relação a um festival de rock no Brasil.

O fato de a Rede Globo ter passado uma parte importante dos shows da noite ao vivo também foi decisivo para esta repercussão. Mesmo com seu criticado histórico monopólio sobre atrações musicais e esportivas, não há como negar o poder de alcance da emissora de TV aberta. Pode ser estranho em tempos de YouTube, mas muitas pessoas tiveram só anteontem a oportunidade de conhecer realmente ao vivo pela televisão o poder sonoro de um Metallica e o alto grau de hipnose do Slipknot.

Em tempos de predominância de pop sertanejo, axé, pagode de corno e rock sem sal fru-fru nas diversas transmissões da emissora carioca, o espetáculo rockeiro visto no domingo serviu para dar uma chacoalhada no cenário sem graça que montaram para a música na TV na última década. Mesmo com alguns deslizes da Globo, como informações erradas sobre a história das bandas (dizer que era a primeira vez do Motörhead no Brasil foi inacreditável!) e o corte do bis do show do Metallica (como conseguem fazer isso?), o rock voltou a ser assunto na segunda-feira, até ofuscando um pouco as tradicionais conversas sobre futebol no pós-domingo.

“Que showzaço do Metallica!”

“Aqueles mascarados arrebentaram!”

“O que foi aquela rodinha de mosh insana do Slipknot?”

“Como o cara do Metallica tira aquele som do baixo parecendo uma guitarra?”

“E aquela bateria subindo e girando no show do Slipknot?”

Essas foram só algumas das frases ouvidas pelo editor deste blog nesta terça-feira aqui em São Paulo, logo após o retorno da saga que foi a viagem ao Rio de Janeiro. Conforme o prometido, o Roque Reverso esteve presente na Cidade do Rock, sentiu de perto toda a emoção da noite do dia 25 e jamais vai esquecer tudo aquilo.

Num resumo de opinião básico sobre o palco principal: a banda de hadcore melódico Glória entrou numa fria, mas conseguiu até enfrentar com dignidade uma plateia de 100 mil pessoas; o Coheed and Cambria, como já foi dito, surpreendeu pela qualidade musical e também por não se intimidar com o tamanho do público; o Motörhead fez sua básica demonstração do que é o velho e bom rock pesado; o Slipknot fez uma apresentação avassaladora e apoteótica; e o Metallica mostrou o motivo de ser a maior banda de metal da atualidade.

Foi muito importante a Globo ter retratado esses momentos. Muito moleque adolescente que nunca tinha tido a oportunidade de ver uma apresentação ao vivo pela TV pode ter tido a necessidade de conhecer mais as bandas e mais detalhes do metal a partir de agora. Isso traz uma esperança até para que o rock nacional, tão fraquinho atualmente, possa sofrer uma injeção de ânimo e criatividade. Isso foi visto, por exemplo, após as edições do Rock in Rio de 1985 e 1991. Não custa sonhar com a repetição deste cenário agora.

Este blogueiro chegou ao evento do domingo às 5 da tarde, depois de mais de 5 horas de viagem de ônibus e mais um trecho de translado até a Cidade do Rock. Usou o tempo que faltava para o começo dos shows do palco principal para conhecer a estrutura do evento, enquanto os telões espalhados por todos os cantos mostravam as boas apresentações do Palco Sunset. Ficou impressionado com as enormes filas para comprar comida e bebida, gostou bastante da Rock Street e achou legal a ideia de incluir no evento brinquedos, como a montanha russa e a roda gigante, todos com filas imensas também.

Quanto ao público do evento, havia gente de todas as idades, mas claramente havia um predomínio de verdadeiros amantes do rock pesado e menos gente que estava ali pela grandiosidade do evento. Como já era esperado, foi impressionante a presença de gente de São Paulo no festival. Merece também grande destaque a verdadeira invasão do povo de Minas Gerais, que se destacava entre os demais sotaques presentes do Brasil e da América do Sul no evento. Às vezes, nem parecia que estávamos no Rio de Janeiro, já que a quantidade de paulistas e mineiros realmente era marcante.

Após o fim do show do Glória, como a grande maioria dos presentes, o editor deste blog se dirigiu ao Palco Principal para ver os quatro shows restantes, sempre com a intenção de chegar o mais perto possível do Metallica. Conquistou território aos poucos entre os shows do Coheed and Cambria e do Motörhead; tratou de tentar sobreviver à loucura que foi a apresentação do Slipknot, enfrentando ondas de empurra-empurra que chegaram a assustar este veterano de shows; e finalmente conseguiu um sensacional local para ver o Metallica, que preparou um set list impecável.

Nos próximos dias, enquanto o editor se recupera fisicamente dos shows e da cansativa viagem de volta, o blog trará as resenhas detalhadas dos shows, com vídeos, fotos, set list e tudo que os leitores estão acostumados a ver neste espaço. Fica a torcida para que, nos próximos dias do Rock in Rio, o espírito roqueiro da noite do metal prevaleça e continue dando sentido ao grande festival.


6 Responses to “Noite do Metal honrou o nome do Rock in Rio com shows memoráveis”


  1. 1 Damaris
    28 de setembro de 2011 às 11:50

    Excelente texto! Mas e o Sepultura? Assisti pela TV e apesar dos problemas técnicos, o show foi eletrizante! Com direito a Mike Patton e tudo!

  2. 2 Flavio
    28 de setembro de 2011 às 14:05

    Oi, Damaris! Tive que sacrificar boa parte do show do Sepultura, trocando a apresentação para um momento de alimentação na Rock Street, que era distante do Palco Sunset. Sepultura sempre estará entre as bandas preferidas, mas eu já assisti a uns 15 show deles…rs
    Achei que a troca era necessária para poder aguentar o que seria visto no Palco Mundo. E foi a melhor decisão, já que eu não conseguiria sair da muvuca até o fim do show do Metallica…rs!
    Obrigado pela sua presença aqui e pelo elogio! Bjs

  3. 3 Plyttz Brownie
    2 de outubro de 2011 às 12:56

    Flavio o que vc está achando do Rock’ n Rio? Viu a merda. O único dia que prestou foi o último domingo, aliás o melhor. Melhor Show Metallica . O Slipknot surprendeu com a performance do Leatherface e o Palhaço do Inferno. Altamente Moral!!!!, os caras agitaram.

    Agora vamos esperar o System Of a Dawn p/ finalizar. O resto deveria ir tudo a pqp, pois Show de Rock não é Axé, Rihanna, Kete Perry e outras merdas do inferno. Sem contar coas as bostas de hoje como Coldplay, som de bicha e sei lá mais o quê. Deveriam fazer um show especializado p/ esse público do caralho. Faltou Exodus o próprio Slayer, Megadeth, Anthrax, U.D.O. e Robie Zombie, além é claro do tradicional Iron Maiden.

    Plyttz Brownie

    COMENTÁRIO ORIGINALMENTE FEITO NO POST:
    Slayer faz um dos shows mais pesados vistos em SP, mesmo desfalcado de Jeff Hanneman

    • 4 Flavio
      8 de outubro de 2011 às 03:29

      Oi, Plyttz!
      A noite do metal foi a melhor mesmo! Não teve para ninguém! Mas, mesmo se você voltar nas edições anteriores, sempre tivemos dias com atrações questionáveis..rs
      Abs

  4. 5 Luiz Hetfield
    6 de outubro de 2011 às 22:23

    As outras noites ñ deram nem pro cheiro


Deixe um comentário (para isso, insira seu endereço de e-mail e o nome)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 99 outros seguidores

setembro 2011
D S T Q Q S S
« ago   out »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias


%d blogueiros gostam disto: