Posts Tagged ‘Tommy Clufetos

14
maio
18

Na turnê derradeira, Ozzy Osbourne empolga Arena do Palmeiras lotada após ‘saldão’ de ingressos

Ozzy Osbourne no Allianz Parque (SP) - Foto: Flavio Leonel/Roque ReversoA capital paulista foi palco de mais um show empolgante de Ozzy Osbourne no domingo, dia 13 de maio, quando o eterno vocalista do Black Sabbath fez a primeira de quatro apresentações brasileiras de sua última turnê mundial.

Com o Allianz Parque lotado após um verdadeiro “saldão” de ingressos, os fãs fizeram uma verdadeira festa do heavy metal para assistir o “Príncipe das Trevas”.

Ozzy deixou claro em entrevistas que esta deve ser a sua última turnê longa pelo globo, mas afastou a hipótese de uma despedida definitiva.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

05
dez
16

No Rio, Black Sabbath faz história do heavy metal passar diante dos olhos dos fãs

Black Sabbath no Rio de Janeiro - Foto: Divulgação

Por Gulherme Monsanto*

Quem viu, viu. The end. Num show curto, pontual, mas muito poderoso, o Black Sabbath pisou no sábado, dia 2 de dezembro, no Rio de Janeiro pela terceira vez em sua história – as outras foram em 1992, com Ronnie James Dio nos vocais, no Canecão, e em 2013, com a mesma formação do sábado passado.

Set list previsível? Sim, mas não tinha como dar errado: a banda jogou para a plateia na Praça da Apoteose, parecia meio no automático e apresentou as mesmas canções dos seis shows anteriores da turnê The End. Mas e daí?

Previsível, mas incrível, com alguns elementos fora do eixo. Ou seria clichê iniciar um show com uma música que começa arrastada, como “Black Sabbath”?

CONTINUE LENDO AQUI!!!

28
abr
15

Festa de Ozzy no Monsters of Rock lavou a alma da multidão no Anhembi

Ozzy Osbourne no Monsters - Foto: Divulgação Midiorama/Francisco Cepeda/AgnewsQuis o destino que o então “comedor de morcegos” e “figura ameaçadora” da sociedade Ozzy Osbourne se transformasse, anos depois, em figura querida e tida como “engraçada” pelas famílias. Surfando nessa onda já há um bom tempo e amparado num repertório consolidado e clássico, o eterno vocalista do Black Sabbath continua arrastando multidões por onde passa. Em São Paulo, no Monsters of Rock, não foi diferente e o público que lotou a Arena Anhembi no dia 25 de abril saiu da festa regida pelo “Príncipe das Trevas” com a alma lavada por puro heavy metal.

O festival tinha atrações de peso e capazes de captar grande quantidades de fãs, como o Motörhead e o Judas Priest, mas era visível o apelo maior exercido por Ozzy na arena paulistana. Com essa atmosfera favorável, o vocalista já entrou com o jogo ganho desde a primeira música e só administrou com simpatia e brincadeiras o bom show que fechou a primeira noite do Monsters de 2015.

O clássico “Bark at the Moon” deu início à apresentação e, logo de cara, levou o público ao delírio. Com a boa qualidade do som que ecoava pelas caixas da arena, o heavy metal estava bem representado e o fãs se entregavam ao máximo.

“Mr. Crowley” é uma obra-prima do rock e tradicionalmente arrepia o mais frio dos mortais a cada apresentação de Ozzy Osbourne. Tente assistir a um show do vocalista com essa música e ficar sem a belíssima melodia na cabeça nos sete dias seguintes!

O guitarrista atual de Ozzy, Gus G, não é nenhum Zakk Wylde e muito menos um Randy Rhoads, mas está muito longe de comprometer as apresentações. Seguindo o caminho trilhado pelos músicos antecessores, G tirou de seu instrumento as notas mágicas da música e fez, junto com a voz inconfundível de Ozzy, muito marmanjo encher os olhos d’água, com direito a mãozinha coreografada para o ar no ritmo da canção.

Água, por sinal, é o que não faltou na apresentação do Mr. Madman. Se, no Estado de São Paulo, o momento é da maior crise hídrica da história e milhões enfrentam um racionamento negado de maneira bizarra e inacreditável pelo Governo do Estado, no Anhembi, Ozzy deixou o politicamente correto de lado e gastou água até não poder mais por meio de mangueiras que encharcavam fotógrafos e o público mais próximo do palco.

“I Don’t Know” foi a terceira da noite e deu sequência ao repertório parecido com o adotado por Ozzy nas recentes passagens em São Paulo no mesmo Anhembi, em 2011, e no antigo estádio do Palmeiras, em 2008. Na sequência “Fairies Wear Boots”, do Black Sabbath, trouxe a banda atual do vocalista muito bem entrosada, com destaque para o baterista Tommy Clufetos, que já tinha surpreendido muita gente em 2013 na histórica apresentação que o grupo original do “Príncipe das Trevas” (com Tony Iommi e Geezer Butler) realizou no Campo de Marte, também na capital paulista.

Show do Ozzy no Monsters - Gus G - Foto: Divulgações Monsters/Camila CaraShow do Ozzy no Monsters - Foto: Divulgações Monsters/Camila CaraShow do Ozzy no Monsters - Foto: Divulgações Monsters/Camila CaraShow do Ozzy no Monsters - Tommy Clufetos - Foto: Divulgações Monsters/Camila Cara

Após “Suicide Solution” e “Road to Nowhere”, foi a vez de “War Pigs” trazer mais um momento de Black Sabbath ao show. Um dos vocalistas mais marcantes do rock, Ozzy claramente não possui a mesma voz com seus 66 anos de idade. Desafinadas perdoáveis à parte, a execução da música foi bem recebida e não deixou a desejar.

Logo em seguida, “Shot in the Dark”, da carreira solo do vocalista, talvez tenha sido a mais pop da noite. Em contrapartida, a canção seguida “Rat Salad”, veio no caminho contrário do instrumental e fez Gus G e Tommy Clufetos darem um show à parte, enquanto Ozzy descansava um pouco.

Em “Iron Man”, a voz do Mr, Madman voltou a dar uma rateada no começo, mas Ozzy se recuperou na sequência. “I Don’t Want to Change the World” foi a penúltima da primeira parte do show e abriu caminho para a sempre ótima “Crazy Train”, que também faz parte das canções que grudam na cabeça durante dias.

Pausa para o descanso rápida e o retorno de Ozzy ao palco foi seguido da execução da obrigatória “Paranoid”, do Sabbath. Com o público rindo à toa e vibrando muito com a boa apresentação, o vocalista, mais uma vez, fez valer o (caro) ingresso pago para o quem quisesse assistir ao show.

Para relembrar mais uma boa apresentação de Ozzy Osbourne em São Paulo, o Roque Reverso descolou vídeos no YouTube. Fique inicialmente com a indispensável “Mr. Crowley”. Depois veja “Fairies Wear Boots” e “Iron Man”, ambas filmadas por nós. Para fechar, fique com “Crazy Train”.

Set list

Bark at the Moon
Mr. Crowley
I Don’t Know
Fairies Wear Boots
Suicide Solution
Road to Nowhere
War Pigs
Shot in the Dark
Rat Salad
Iron Man
I Don’t Want to Change the World
Crazy Train

Paranoid

15
out
13

Black Sabbath comanda culto ao heavy metal para 70 mil em show histórico em SP

Se o heavy metal tivesse uma data comemorativa na cidade de São Paulo, o dia 11 de outubro seria um forte candidato para marcar anualmente o gênero mais pesado do rock. Tudo porque, em 2013, no Campo de Marte, a capital paulista foi palco de um verdadeiro culto às origens do metal comandado pela banda que plantou a semente de tudo: o Black Sabbath.

Para um público de 70 mil felizardos, o lendário grupo britânico ofereceu uma histórica apresentação que, dificilmente, será esquecida para quem participou de tudo aquilo.

Com a até então inédita vinda de Ozzy Osbourne numa turnê com a banda para o País, o Black Sabbath reuniu várias gerações de fãs no Campo de Marte. Ao lado do chamado “Príncipe das Trevas”, o mago dos riffs Tony Iommi na guitarra e o grande baixista Geezer Butler completaram a tríade criativa que influenciou um número incalculável de bandas seguidoras e diversas vertentes dentro do próprio heavy metal.

Para termos a ideia da importância deste evento, os ingressos para o show de São Paulo estavam esgotados havia 3 meses. Durante a semana, com a proximidade da apresentação, não se falava em outra coisa entre os fãs de heavy metal. Na chegada ao local, era possível sentir a ansiedade do público presente e perceber o quanto aquele momento era importante.

Estrutura e organização

A chegada ao local, por sinal, mais uma vez, merece comentários à parte. De modo idêntico ao mal organizado show do Iron Maiden na Arena Anhembi, a infeliz ideia de realizar o evento do Black Sabbath em plena sexta-feira, trouxe, é claro, vários transtornos ao público paulistano. Só para citar um exemplo, este jornalista que vos escreve demorou cerca de 1 hora para chegar ao Campo de Marte, de carro, mesmo tendo saído da sede da Agência Estado, no bairro do Limão, às 17h50. O que dizer, por exemplo, do fã que se descolou de uma zona sul ou zona leste?

Sim, é claro que havia o metrô como solução, mas, ainda assim, o sujeito que se dirigiu ao local do evento precisou sair mais cedo do trabalho para conseguir ver o não menos imperdível show de abertura, que era do Megadeth, e que estava marcado para as 19h45. O Roque Reverso ouviu diversos relatos de pessoas que só conseguiram passar pelas catracas do Campo de Marte quase no fim da apresentação da banda de thrash metal.

Espaço novo para shows, o Campo de Marte passou a imagem de que é possível fazer um grande evento naquele local. Mas, especificamente em relação ao show do Black Sabbath, as críticas pipocaram. A começar pela localização do palco, que parecia ter sido enxertado no primeiro espaço disponível visto e no final de um terreno íngreme. Para aquela quantidade de pessoas, será que o mais recomendável não era um terreno plano?

A ideia de colocar o palco mais baixo no que pareceu uma ladeira é boa quando todo o terreno segue esse padrão, como se fosse um Via Funchal bem maior, que, quando existia, fornecia uma ótima visão em todos os cantos da pista. O problema é que o topo do terreno no Campo de Marte era exatamente na divisa da Pista Vip com a Comum, exatamente onde este jornalista conseguiu ficar. O resultado é que, quem estava lá atrás (e estamos falando de um show com 70 mil pessoas), teve dificuldades até para ver os telões de cada canto do palco.

O som, que foi vergonhoso no show do Iron Maiden, estava muito melhor nos eventos do Megadeth e no do Black Sabbath. Mas houve relatos de pessoas que, dependendo do local onde estavam, notaram o vento gerando um sobe-e-desce no volume durante as apresentações. Enquanto tentava “conquistar território” no show do Megadeth, este jornalista chegou a ver isso acontecendo, especialmente no começo da apresentação da banda norte-americana.

Tirando esses detalhes, fundamentais quando o preço mínimo dos ingressos inteiros é de R$ 300,00, tudo aconteceu na maior tranquilidade para a noite histórica do Black Sabbath na capital paulista.

O show

Dez minutos antes do que era previsto oficialmente pela Time For Fun, o Black Sabbath subiu ao palco por volta das 21h05. Com uma explosão de êxtase imediata da plateia, a primeira música executada da noite foi nada menos que “War Pigs”, do segundo álbum do grupo, “Paranoid”, de 1970. Vale destacar que a participação da plateia foi extraordinária, gerando um imenso coro que arrepiava os mais frio dos headbangers.

Ozzy andava no palco de um lado para o outro, regia a plateia e mostrava que sua voz continua entre as mais poderosas do heavy metal. Tony Iommi empunhava a guitarra e tirava o som grave e rasgado que consolidou o estilo. Geezer Butler atacava o baixo ferozmente e trazia um peso adicional inacreditável ao que era proporcionado pelo parceiro de décadas. E, para completar, Tommy Clufetos, baterista da turnê, espancava a bateria com gosto e mostrava grande técnica no instrumento.

Ao final da música, Ozzy fez o público cantar o famoso “olê, olê, olê” de estádios de futebol e a banda imediatamente emendou “Into the Void”, do disco “Master of Reality”, de 1971. O som de ótima qualidade, aliado à performance arrasadora dos músicos, fazia com que o peso da canção ficasse muito mais forte.

Tony Iommi dava, para variar, uma verdadeira aula de como tocar um riff de heavy metal com classe e comovia. Era impossível não lembrar que ali estava um sujeito que luta contra um câncer e que poderia estar em casa descansando e se recuperando. Mas ele demonstrava que estava vivendo demais aquele momento, para sorte do público.

O momento era de resgatar as coisas antigas. E foi do disco “Black Sabbath Vol. 4”, de 1972, que o grupo tirou as duas músicas seguintes: “Under the Sun” e “Snowblind”. Era impressionante o peso que era gerado por aquela mistura Iommi-Butler-Clufetos e isso deixava o público vidrado e boquiaberto.

De um lado, Tony Iommi tocava a guitarra como se estivesse fazendo a coisa mais simples do mundo. Clufetos marretava a bateria como se aquele ato fosse salvar o mundo. Geezer Butler, em contrapartida, dedilhava com força as cordas do baixo, como se elas fossem de papel ou coisa ainda mais frágil.

A turnê do Black Sabbath está ligada à divulgação do excelente álbum “13”, lançado em junho deste ano. Depois dos quatro petardos dos Anos 70 tocados inicialmente, foi a vez de a banda executar a boa “Age of Reason”, do novo trabalho. Alguns fãs que ainda não estavam familiarizados com o disco até pensaram que se tratava de mais um sucesso de começo de carreira do grupo.

O ponto máximo

Foi então que, depois desta pausa nos clássicos, o Sabbath executou aquele que sintetiza a alma da banda: “Black Sabbath”, a primeira música do primeiro álbum, lançado em 1970 com nome idêntico. O momento em questão, para muitos, foi o maior de todo o show, pois o que se viu no Campo de Marte foi uma contemplação de algo histórico.

Enquanto Tony Iommi tirava os acordes e Ozzy cantava, a impressão era de que o planeta havia momentaneamente parado de rodar para que a origem do heavy metal fosse apreciada por todos.

Foi nessa parte do show que há tempos não se via tanto marmanjo com os olhos marejados ou chorando sem vergonha alguma, compreendendo que, talvez, estava presenciando algo fantástico pela primeira vez e que também nunca mais veria aquele momento.

Mais peso

Se o show terminasse ali, seria capaz de o público sair sem reclamar, mas o grupo trouxe mais duas do  “Black Sabbath Vol. 4”: “Behind the Wall of Sleep” e “N.I.B.”, que, mais uma vez, mostraram o quanto Geezer Butler precisa ser reverenciado como um “monstro” do baixo.

Na sequência, foi a vez de o Black Sabbath trazer aquela que, para este jornalista, é a melhor música do novo álbum “13”. Com estrutura e cadência musical que lembra bastante a música “Black Sabbath”, “End of the  Beginning” foi executada. Tal qual o cenário visto na maioria das demais músicas tocadas no Campo de Marte, era admirável o poder da guitarra de Tony Iommi. Enquanto várias bandas se matam, com dois destes instrumentos, para trazer algo de peso, o mago do riffs brincava e gerava um som recheado de vibração num volume bastante alto.

De volta ao disco “Paranoid”, o grupo executou duas do grande álbum: “Fairies Wear Boots” e “Rat Salad”. Ozzy se divertia demais com o público. Puxava coros, mandava a plateia erguer os braços e era seguido sem resistência. A segunda canção, instrumental, serviu para o vocalista dar uma breve descansada e, mais para o final, o mesmo ser feito por Iommi e Butler. Com um solo estupendo de bateria,Tommy Clufetos fez os 70 mil presentes esquecerem da ausência do Bill Ward, num show particular com técnica e peso.

Após o descanso do incrível trio, o público foi presenteado com o megaclássico “Iron Man”, também do “Paranoid”. Com um coro ensurdecedor que acompanhava os acordes de Tony Iommi, mais um grande momento da apresentação foi registrado na mente dos fãs. As vozes de 70 mil pareciam bater no palco e voltar com se fossem uma onda sonora. “São Paulo Rocks!”, gritou Ozzy, curvando-se à sempre vibrante plateia paulistana.

Na sequência, a banda trouxe “God Is  Dead?”, do novo disco, e “Dirty Women”, do álbum “Technical Ecstasy”, de 1976. Elas foram bem recebidas pelo público, mas, de todo o set list, ambas poderiam ter sido trocadas por algum outro clássico não tocado, como “Symptom of the Universe”. Em “Dirty Women”, destaque para os vídeos de garotas nuas que fizeram sucesso no telão central do palco.

Para fechar o set list, um megaclássico do heavy metal: “Children of the Grave”. Já sinalizando o encerramento da apresentação, Ozzy pediu à plateia uma dose extra de fôlego e foi correspondido. Tirando forças mesmo com o cansaço de duas horas de show, o público vibrou demais com o tradicional riff e várias rodas chegaram a ser abertas na pista.

Após uma breve pausa para o descanso e vários gritos para o retorno do grupo, os músicos voltaram ao palco e Tony Iommi deixou todos os presentes na vontade quando executou os acordes de “Sabbath Bloody Sabbath”. Ficou só na ameaça, já que a banda logo iniciou outro superclássico: nada menos que “Paranoid”, que fechou definitivamente o show e levou o Campo de Marte inteiro ao delírio extremo, com todos pulando, cantando e realizando mais um sonho.

Fim da apresentação e a constatação de que todos haviam visto um show épico, capaz de peitar e até superar outras grandes apresentações que a cidade de São Paulo viu ao longo de sua história, como as do AC/DC em 1996 e dos Rolling Stones em 1995. Quem viu, jamais esquecerá o que o Black Sabbath realizou no Campo de Marte e contará para filhos e netos o quanto foi importante a experiência inacreditável de ter acompanhado os inventores do heavy metal.

Resta a torcida para a saúde de Tony Iommi melhorar e para que os demais membros tenham condições de continuar a carreira novamente juntos, levando esse som tão importante do rock para o mundo inteiro e, se bobear, voltando novamente ao Brasil.

O Roque Reverso descolou uma penca de vídeos amadores de qualidade no YouTube. Fique inicialmente com “War Pigs”. Depois veja “Snowblind”, o momento épico de “Black Sabbath”, “End of the Beginning”, “Iron Man”, “Children of the Grave” e “Paranoid”. \m/

Set list

War Pigs
Into the Void
Under the Sun
Snowblind
Age of Reason
Black Sabbath
Behind the Wall of Sleep
N.I.B.
End of the Beginning
Fairies Wear Boots
Rat Salad / Drum Solo
Iron Man
God Is  Dead?
Dirty Women
Children of the Grave

Paranoid




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 100 outros seguidores

setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias