Posts Tagged ‘Forbidden

25
jul
13

30 anos do álbum “Kill ‘Em All”, o primeiro do Metallica

Kill 'Em All25 de julho de 2013 marca uma data de grande importância para rock. Há 30 anos, o Metallica lançava o seu primeiro álbum, o ótimo  “Kill ‘Em All”, que mudou o heavy metal e trouxe para os fãs uma nova vertente mais agressiva e rápida do estilo: o thrash metal.

Numa época na qual o hard rock e o próprio heavy metal, especialmente nos Estados Unidos, estavam sendo dominados por bandas maquiadas demais e com cabelos mais espalhafatosos do que o normal, quatro caras que ainda tinham o rosto com as espinhas do final da adolescência deram uma verdadeira chacoalhada na cena oitentista.

Suas letras, de maneira diferente da que era vista no cenário do hard rock norte-americano, não focavam mulheres gostosas, carros e festas.

Traziam uma certa revolta adolescente que tinha como base sonora um heavy metal tocado na velocidade da luz, sem deixar uma certa técnica de lado.

Com o  “Kill ‘Em All”, o Metallica trazia para o público uma cena criativa que bombava na Bay Area de São Francisco com uma série de bandas que consolidariam, ao lado do grupo precursor, o thrash metal. Exodus, Testament, Forbidden, Vio-lence e Death Angel foram alguns dos nomes que se beneficiariam daquele disco e que também seriam reconhecidos pela imprensa especializada.

Para concretizar a gravação do disco, porém, nada foi tão fácil para a banda. Numa época na qual a internet não existia, tudo era menos prático do que os dias de hoje.

A própria criação do grupo foi inusitada para os padrões de hoje, já que, ainda em Los Angeles, em 1981, James Hetfield respondeu a um anúncio que o baterista dinamarquês Lars Ulrich havia colocado no jornal local. Lars queria formar uma banda, colocando em prática suas influências, entre elas o Deep Purple, o Iron Maiden e o Diamond Head. James, que, além do metal, também tinha influência musical vinda do punk, juntou-se então ao cara que seria seu companheiro de grupo até os dias de hoje.

Pouco mais tarde, outro anúncio de jornal recrutou outro guitarrista: nada menos que Dave Mustaine, que possuía um equipamento invejável para a época e tinha um conhecimento musical também nada desprezível. Para o baixo, Ron McGovney foi o escolhido, mas não ficaria muito tempo.

Tudo porque, após gravarem uma fita demo denominada “No Life ´Til Leather” e fazer certo sucesso na cena underground, Ulrich e Hetfield assistiram, em 1982, a um show da banda Trauma, que contava com um baixista que os impressionou absurdamente: simplesmente o grande Cliff Burton.

Engajados na aquisição de Burton, Hetfield, Lars e Mustaine descartam McGovney e seguiram as exigências do talentoso baixista, que fez todos se mudarem para São Francisco.

Com alguns shows e encrencas arranjadas por Mustaine, que bebia além do suportável, Lars e Hetfield tomaram a decisão de mandar embora aquele que pouco mais tarde fundaria nada menos que o Megadeth, outro gigante do thrash. Para o lugar do guitarrista, Kirk Hammett, do Exodus, foi recrutado e a formação definitiva para a gravação do álbum foi consolidada.

Ajudados pelo promotor Johnny “Z” Zazula, que viu talento no grupo e decidiu montar a própria gravadora, a Megaforce Records, os músicos finalmente lançaram o  “Kill ‘Em All”. A ideia de nome inicial era “Metal Up Your Ass”, mas houve um consenso de que tal título era “um pouco” ofensivo demais.

Para quem gosta de thrash metal, é impossível achar alguma música ruim no disco. “Hit the Lights”, The Four Horsemen, “Motorbreath” e “Jump in the Fire” são verdadeiros petardos sonoros que fazem tudo tremer. A pérola instrumental “(Anesthesia) Pulling Teeth” traz o baixo de Cliff Burton num dos maiores momentos do músico e é apenas um momento de menor intensidade até a chegada de “Whiplash”, que fechava o então Lado A com a agressividade de poucas canções.

O Lado B não deixa o peso e a velocidade caírem. “Phantom Lord” e “No Remorse” obrigam a cabeça a se movimentar intensamente. “Seek & Destroy” é um ultraclássico do thrash e a última, “Metal Militia”, era uma mensagem para os desavisados de que o Metallica estava chegando para ficar, e por um longo tempo, no cenário musical.

A banda sempre mudaria nos discos seguintes, com a introdução de partes mais melódicas e mais técnica, mas “Kill ‘Em All” foi o álbum que apresentou uma vertente nova do heavy metal para o mundo.

Para celebrar o grande disco, o Roque Reverso descolou clipes no YouTube. Fique com vídeos super amadores de shows da banda em 1983, tocando “No Remorse”, “Seek & Destroy” e “Hit the Lights”, estes dois últimos ainda com Dave Mustaine.




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Siga o Roque Reverso no Instagram!!!

Curtas do Roque Reverso -> Para você que está pensando em ir ao aguardado show que o Greta Van Fleet realizará em São Paulo na Audio, uma notícia nada boa: os ingressos estão já no terceiro lote e saltaram do valor inicial de R$ 220,00 (https://roquereverso.com/2019/02/04/greta-van-fleet-snow-patrol-e-outras-bandas-tocarao-nas-lolla-parties-em-sp/) para inacreditáveis R$ 320,00 (inteira). Integrantes da equipe do Roque Reverso se deslocaram por volta das 13h30 (horário de Brasília) deste sábado, 9 de fevereiro, ao longínquo Credicard Hall, na zona sul da capital paulista, e tiveram esta nada agradável "surpresa", ao tentar fugir das famigeradas taxas de conveniência e entrega. Obviamente, como não temos carteirinha de estudante (e não adotamos mecanismos fora dos meios legais para adqui-la), como não existe facilidade alguma (como parcelamento ou coisa parecida) e como tivemos a sensação de "assalto", decidimos não comprar. Tudo porque há uma linha divisória clara entre ser fã de uma banda e ser trouxa. Sabemos que o Greta Van Fleet é uma ótima banda, que é uma promessa cada vez mais clara de algo bom e duradouro para o rock n' roll e que, muito provavelmente, vai ganhar um ou mais prêmios Grammy na cerimônia do domingo, nos Estados Unidos. Mas os organizadores de shows brasileiros vêm abusando demais em relação aos preços de ingressos de quem só pode pagar entrada inteira.Resta a cada fã se sujeitar ou não a estes abusos. Com este caso relatado e com as últimas negativas de credenciais de imprensa que o Roque Reverso vem recebendo da assessoria de imprensa da Time For Fun (suspeitamos de retaliação por fazermos nossas habituais criticas jornalísticas nas resenhas de shows), é muito provável que este veículo de imprensa fique fora das coberturas dos shows do Greta Van Fleet, tanto do Lollapalooza Brasil, como do show na Audio pelas Lolla Parties. É muito triste especialmente para nós, que fomos um dos primeiros veículos brasileiros a falar da banda e o primeiro do País a publicar uma entrevista exclusiva com os integrantes. Não desistiremos tão fácil de ir, mas avisamos nossos queridos leitores do ocorrido. #roquereverso #gretavanfleet

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 100 outros seguidores

fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias