Arquivo para julho \31\UTC 2011

31
jul
11

Helmet fez show de peso para sortudos em pequena casa da região da Augusta em SP

Se voltássemos no tempo, mais ou menos para a década de 90, quando era apontado como o futuro do rock pesado e bombava na MTV, seria inimaginável ver uma banda como o Helmet tocando numa casa pequena de shows da Rua Augusta em São Paulo. Em 2011, isso foi possível no dia 28 de julho, quando a banda dos EUA comandada pelo vocalista e guitarrista Page Hamilton, fez uma ótima apresentação para uma casa lotada de fãs das antigas, muitos deles com mais de 30 anos de idade.

Com apenas Hamilton da formação original, mas com bons músicos capazes de manter o peso e a qualidade da banda, os norte-americanos fizeram a alegria dos paulistanos sortudos que estiveram presentes no Beco 203, casa noturna acostumada a receber baladas do cenário indie-electro-rocker. Depois de assistir ao Helmet no saudoso Olympia, em 1994, este jornalista confessa que achou estranho a banda aceitar tocar num local que era até bem montado, mas muito pequeno para o sucesso que a banda já fez. Se no Olympia, a lotação costumava ser de mais ou menos 4.500 pessoas e o show de 1994 contou com cerca de 3 mil fãs, no Beco 203, a lotação, segundo os seguranças, era de cerca de 900 pessoas e o assunto era que pouco mais de 500 ingressos haviam sido vendidos.

“O palco é pequeno”; “Vão ficar espremidos lá em cima”; “Não cabe nem a bateria direito”, diziam alguns fãs que já conheciam a casa, ainda na fila para entrar. “Não venderam nem o primeiro lote direito”, afirmaram outros fãs, com tom de desilusão, mas torcendo para que a banda ao menos lotasse o local, como prova de que ainda poderia possuir um público de respeito ante grupos do rock que costumam encher casas maiores que o Beco 203.

A abertura do local estava marcada para às 21 horas e o show agendado para às 22 horas, mas a casa abriu ao público por volta das 22 horas e a apresentação só foi acontecer a partir das 23h30, para prejuízo daqueles que foram ao local de ônibus e tiveram que se virar de alguma outra maneira para voltar para casa após o show.

O fato é que, da abertura da casa até o início do show, o local foi enchendo e a coisa começou a ficar interessante. Neste intervalo, uma cena raramente vista para grupos que passaram pelo estrelato: a banda entrando no local e passando no meio do público como se fosse um grupo de principiantes que iriam abrir o show de alguém mais badalado. Se aquela atitude de Halmilton & Cia. já havia surpreendido, o que viria na sequência surpreenderia ainda mais, sempre pelo lado positivo e exemplar, quando o assunto é humildade e ausência de estrelismo…

O show

Aproveitando-se do local pequeno e do fato de o Helmet não possuir aquele tipo de fã que disputa milímetros para ficar grudado na banda, este jornalista conseguiu ficar na boca do palco, exatamente do lado direito, por onde o grupo subiu para se apresentar. Como Hamilton ficou também do lado direito, foi possível assistir ao show inteiro com o grande músico a menos de 1 metro de distância, sem seguranças trogloditas para atrapalhar.

Apesar de a banda ter lançado recentemente o novo álbum “Seeing Eye Dog”, de 2010, o desejo de todos era ver vários clássicos da banda, especialmente dos discos “Meantime” (1992) e “Betty” (1994), que representaram o auge da carreira do grupo. Como manda o figurino, foi exatamente uma mistura do novo e do clássico que marcou a apresentação do Helmet.

A banda iniciou o show com a música “Role Model”, do “Meantime”, já mostrando que aquela apresentação traria, no mínimo, muita energia. Um pequeno ponto negativo, pelo menos para quem estava do lado direito do palco, foi que a guitarra e a voz de Hamilton estavam com um volume um pouco mais baixo do que o recomendado.

Na sequência, foram executadas as músicas “So Long”, do mais novo álbum, “Exactly What You Wanted”, do “Afterstate”, de 1997, e “Welcome to Algiers”, também do “Seeing Eye Dog”. Para não deixar esfriar o show, o Helmet trouxe com grande técnica dois grandes sucessos do “Meantime”: “Give It” e “Ironhead”, que levaram o público a uma enorme empolgação.

Page Hamilton foi sempre muito simpático com todos durante o show e parecia curtir bastante aquele momento. Para demonstrar sua admiração ao País, lembrou que a munhequeira que usava era “da cor do time dele”, verde e amarela, para mais respostas positivas da plateia.

Naquele momento, também já merecia destaque a apresentação do baterista Kyle Stevenson. Com uma energia impressionante, ele arrancava olhares de admiração do público e fazia a ausência do ótimo batera original John Stanier ser um pouco menos sentida que de costume.

Depois de trazer mais uma música (“White City”) do mais novo álbum, o Helmet tocou a mais antiga da noite. Para alegria dos fãs mais velhos, as batidas contagiantes de “Blacktop”, do primeiro disco “Strap It On”, de 1990, foram executadas com categoria pelos músicos norte-americanos. Na sequência, o grupo trouxe “Enemies”, do álbum “Size Matters”, de 2004, e “In Person”, também do disco novo.

Hamilton tem a fama de elaborar o set list de cada show praticamente em cima da hora. Mas, em São Paulo, além de ter dado sequência à velha prática, surpreendeu quem já estava com a lista de músicas em mãos. Se você comparar abaixo, vai ver que o público saiu ganhando, já que, em vez de emendar mais uma do disco mais recente, a banda optou por uma trinca do ótimo álbum “Betty”, para alegria geral. Numa tacada só, foi possível matar a saudade das músicas “Tic”, “Wilma’s Rainbow” e “Milquetoast”.

 

Com a euforia estampada na cara do público e a clara demonstração de alegria de Hamilton em cima do palco, o grupo deu uma rápida pausa para o descanso. Para surpresa deste jornalista, os músicos não saíram para algum camarim, mas ficaram exatamente do lado do palco, em frente a um grupo de fãs, conversando, tomando água ou cerveja e recarregando as energias para o bis. Era só mais uma das coisas pouco imagináveis para um conjunto que chegou ao topo das paradas nos anos 90 e que até tinha o direito de ser mais exigente.

Se o show até “Milquetoast” já valia a noite, o bis foi o ponto máximo da apresentação. Tudo porque o grupo mais uma vez alterou o set list e trouxe uma combinação de músicas que agradou a todos. Para começar, nada menos que “Unsung”, o maior hit da banda e que levou o “Meantime” ao topo das paradas. Na sequência, para delírio total, o clássico “Just Another Victim”, que o grupo gravou com o House of Pain para a poderosa trilha sonora do filme “Judgment Night”.

Após a grande música, o Helmet tocou ainda “Birth Defect”, do “Aftertaste” e “I Know”, do “Beth”. Para fechar, todos sabiam que viria a pesadíssima “In the Meantime”, que mostrou que o grupo ainda tem muita lenha a queimar e pode, sem a menor dúvida, voltar para o lugar de sucesso que já conquistou no passado.

Terminado o show, todos os músicos se despediram do público, agradeceram o apoio e ficaram atendendo todos, conversando ou tirando fotos. O mais procurado, é claro, foi Page Hamilton, que, numa gentileza impressionante e comovente, atendia um a um, ainda em cima do palco. Era foto atrás de foto, com o líder da banda claramente curtindo aquele momento, sem estrelismos, com simpatia e muita humildade. Um verdadeiro exemplo a algumas bandinhas brasileiras que se acham só porque têm clipe na MTV ou tocam no Studio SP, na mesma Rua Augusta…

É claro que não dá para comparar o show de 2011 em São Paulo com o de 1994 no Olympia. Eram outros tempos, a banda estava no auge e estava detonando tudo. Mas não faltou qualidade, energia e tampouco aquilo que marcou o Helmet durante toda a carreira: o peso, a voz marcante de Hamilton e as batidas secas de bateria.

Para o Roque Reverso, a apresentação do Helmet também foi especial porque representou o retorno a um show com o blog conseguindo o credenciamento de imprensa. Tudo graças ao bom senso do assessor de imprensa Jefferson, da Agência Cartaz, que merece todo o nosso agradecimento.

Depois de mais um texto longo, fique com o set list original e o set list executado na apresentação do Helmet. Curta também vídeos do show descolados no YouTube. Para começar, um vídeo de 22 minutos com as seis primeiras músicas do show!!! Depois, fique com “Tic”, “Milquetoast”, “Unsung”, “Just Another Victim” e ““In the Meantime”. Grande show!

Set List Original 

Role Model
So Long
Exactly What You Wanted
Welcome to Algiers
Give It
Ironhead
White City
Blacktop
Enemies
In Person
She’s Lost
 
Wilma’s Rainbow
Milquetoast
Rollo
Crisis King
 
Meantime
Unsung
Tic
Birth Defect

 

Set List Executado 

Role Model
So Long
Exactly What You Wanted
Welcome to Algiers
Give It
Ironhead
White City
Blacktop
Enemies
In Person
Tic
Wilma’s Rainbow
Milquetoast
 
Unsung
Just Another Victim
Birth Defect
I Know
In the Meantime
27
jul
11

SWU anuncia Primus, 311 e Down, que confirma shows também em Porto Alegre e Curitiba

Em matéria de line-up, o SWU Festival está deixando a concorrência comendo poeira, pelo menos no que diz respeito ao dia 14 de novembro, a última data do festival, que acontecerá neste ano na cidade paulista de Paulínia. Se as confirmações do Faith No More, do Megadeth e do Sonic Youth para o mesmo dia já haviam deixado a galera do rock empolgada, a organização do festival ampliou este sentimento após anunciar as vindas do Primus, banda marcada pela técnica sensacional do baixista Les Claypool, e do Down, grupo do ótimo ex-vocalista do Pantera Phil Anselmo e do guitarrista do Corrosion of Conformity Peeper Keenan!!! Ainda no dia 14, a banda 311 e o cantor japonês Miyavi, também foram anunciados como parte das atrações do palco principal.

Olhando esta escalação deste dia 14 de novembro, só há uma dica: corra e reserve seu ingresso! De longe, é o melhor line-up de 2011 num único dia entre os festivais que acontecerão no Brasil…

Além destas confirmações, o SWU anunciou a vinda de Michael Franti & Spearhead para o dia 12 de novembro, primeiro dia do festival, que contará ainda com o The Black Eyed Peas, Snoop Dogg e Damian Marley.  Para o palco principal no dia 13, foi divulgado, por enquanto, somente o nome do cantor Peter Gabriel.

As vendas dos ingressos para o SWU Festival começaram no dia 11 de julho e o período de preços promocionais vai até o dia 29 de agosto. O preço promocional do ingresso de pista é R$ 210 (R$ 105 meia entrada) e o preço promocional do passaporte para a pista é de R$ 535,50 (R$ 267,75 meia entrada). Neste último, o valor é a somatória dos preços de três dias, com 15% de desconto. A venda de ingressos para Camping e Pacote Vip será realizada a partir de agosto, em data a ser posteriormente divulgada.

As vendas estão sendo feitas pelo Call Center (4003-1212), que funciona de segunda a sábado, das 9 horas às 22 horas, e nos domingos e feriados das 11 horas às 22 horas. Os ingressos podem ser adquiridos ainda na internet e em 67 pontos de venda espalhados por todo o Brasil (veja relação completa de endereços e horários de atendimento clicando aqui), onde não haverá cobrança da taxa de conveniência.

No site do Down, a banda confirmou, além do show no SWU, apresentações em Porto Alegre e em Curitiba. Na capital gaúcha, o grupo de Phil Anselmo tocará no Opinião, no dia 16 de novembro. Na capital paranaense, vai se apresentar no Master Hall, no dia 17.

Para comemorar as vindas do Primus e o Down, o Roque Reverso descolou no YouTube alguns vídeos. Primeiro, fique com dois da banda de Les Claypool: “Tommy, The Cat” e “John, The Fisherman”. Depois fique com dois do Down: “Pillars of Eternity” e “Stone The Crow”.

26
jul
11

Planeta Terra confirma Interpol, Broken Social Scene, White Lies e Goldfrapp

As bandas Interpol, Broken Social Scene, White Lies e Goldfrapp foram confirmadas para a edição de 2011 do Planeta Terra Festival, que já tem ingressos esgotados e acontece no dia 5 de novembro, no Playcenter, em São Paulo. Além destas atrações internacionais foram anunciados os brasileiros Criolo, Garotas Suecas e The Name.

Para o Planeta Terra 2011, o grande nome ainda é a banda The Strokes. Além dos norte-americanos, estão confirmadas também as vindas de Beady Eye (do ex-Oasis Liam Gallagher), Peter Bjorn and John e Toro Y Moi.

De acordo com a organização do festival, o evento reserva ainda o anúncio de mais quatro artistas nos próximos meses, para completar um total de 15 atrações.

Com ingressos esgotados em apenas 14 horas após o início das vendas, em junho, o festival terá público de 20 mil pessoas no local. A alternativa  será ver ao vivo pela internet, pelo Portal Terra, que fez uma bela transmissão no ano passado.

A transmissão ao vivo na internet, em HD ou standard definition (conforme a qualidade da banda do usuário), incluirá, além de todo o Brasil, os demais países da América Latina e os Estados Unidos. Como em 2010, também estará disponível em smartphones e tablets. A expectativa é que, no total, a cobertura do festival alcance uma audiência superior a 4,5 milhões de pessoas.

A organização do Planeta Terra descartou a possibilidade de uma nova data para o festival, como chegou a ser cogitado anteriormente em alguns sites da internet. Anunciou, entretanto, a internacionalização do festival, que terá uma edição em Lima, no Peru, ainda neste ano ou começo do próximo.

Fique abaixo com o vídeo da música “PDA”,do Interpol:

22
jul
11

A última vez ao vivo da formação clássica do Pink Floyd

Os fãs brasileiros do Pink Floyd ficaram todos bastante animados com a notícia de que Roger Waters se apresentará no País em 2012. Esta é uma das alternativas para tentar saborear o pouco que restou ligado à grande banda do rock progressivo.

Nunca mais será possível ver ao vivo a formação clássica, já que o tecladista Richard Wright faleceu em 2008.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

21
jul
11

Metal piano

Por Marcelo Galli

Importante no início do rock, o piano perdeu para a guitarra o posto de instrumento símbolo do gênero musical. Pelo bem do rock, pelo prazer de se fazer air guitar, pelo tesão de dar uma palhetada com o volume no talo e ouvir o som distorcido, pela microfonia…Não imagino o Jimi Hendrix queimando um Steinway ou o Pete Townshend empurrando um Blüthner (o da gravação de “Let it Be” e “The Long and Winding Road”, dos Beatles) em direção à parede para estourá-lo, embora goste bastante das peripécias de Little Richard.

Apesar de tudo isso e mais aquilo, o som do piano é lindo. E versões de clássicos do metal transpostas para o instrumento podem surpreender, como é o caso de “Nothing Else Matters”, do Metallica, feita por um internauta e publicada no YouTube. A introdução lembra Satie e Debussy (pode ser muita viagem, mas foi o que pensei no momento em que escutei pela primeira vez).

Além dessa, há versões no YouTube para “Run to the Hills”, “Fear of the Dark”, “The Number of the Beast” e “The Trooper”, todas do Iron Maiden. Há ainda “Iron Man”, do Black Sabbath, cujo peso nem o arranjo para o piano tirou. E também “Crazy Train”, do Ozzy.

19
jul
11

Faith No More é confirmado para o dia 14/11 no SWU Festival!!

A organização do SWU confirmou nesta terça-feira que o Faith No More também se apresentará na edição de 2011 do festival, agendado para ser realizado nos dias 12, 13 e 14 de novembro na cidade paulista de Paulínia. O show do venerado grupo de Mike Patton fechará o dia 14, mesma data que contará com apresentações do Megadeth e do Sonic Youth; ou seja, simplesmente imperdível!

As vendas dos ingressos para o SWU Festival começaram no dia 11 de julho e o período de preços promocionais vai até o dia 29 de agosto.

CONTINUE LENDO AQUI!!!

18
jul
11

Red Hot Chili Peppers lança primeira faixa de novo álbum

O Red Hot Chili Peppers liberou hoje a  primeira faixa do seu novo álbum “I’m With You”, que tem data de lançamento agendada para o dia 30 de agosto. A música “The Adventures of Rain Dance Maggie”, cuja ilustração do single você pode ver ao lado, foi disponibilizada para audição nos diversos tipos de redes sociais na internet e poderá ser comprada a partir de amanhã, dia 19, no iTunes e outros sites de vendas.

O novo álbum será composto por 14 faixas e será o primeiro com o novo guitarrista do grupo, Josh Klinghoffer, que substitui John Frusciante. É Klinghoffer o indivíduo que está sofrendo um trote de boas vindas na foto da capa do novo single.

O Red Hot voltará ao Brasil para dois shows em setembro. No dia 21, a banda norte-americana se apresentará em São Paulo, na Arena Anhembi. No dia 24, fará show no Rock in Rio.

Abaixo, você pode escutar a nova música do grupo. Aproveite também para ver a capa do novo disco, desenhada pelo artista plástico Damien Hirst.




Se você tem interesse na divulgação da sua empresa, seu trabalho ou banda, o Roque Reverso é um veículo que possui um respeitável número de leitores. Entre em contato conosco para conhecer nossos diversos planos:  roquereverso@hotmail.com

Preencha abaixo para receber atualizações do nosso site em primeira mão e gratuitamente pelo seu e-mail! Não se esqueça de confirmar o recebimento do e-mail depois.

Junte-se a 100 outros seguidores

julho 2011
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

Roque Reverso no Twitter

Bandas, estilos, festivais, etc

O Roque Reverso está no ar!!!

Seja bem-vindo ao blog do rock and roll! Clique para acessar o post de abertura do blog!

Post inicial

SOBRE VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

SOBRE OS VÍDEOS COMPARTILHADOS DO YOUTUBE

Categorias